Quem somos?

Ana Alves
António Rebelo
Cristina M. Fernandes
Lídia Pereira
Luís Rei
Marta Almeida
Paulo Azevedo
Zazie

Colaborador de estimação

Repórter Lírico

Nadador-salvador

Henri Michaux

Desaparecido

Escrivão Bartleby


janela_indiscreta@hotmail.com

on-line

 
Arquivos
<< current





Pesquisar os arquivos da Janela:


[pesquisa disponibilizada pelo serviço FreeFind]

 

SALA DE EXPOSIÇÕES

Boogie Woogie



SALA DE LEITURA

a poesia vai acabar



HÁ UM TRAÇO AZUL

IF no ar

um som profundo do Outono

IF (8 abril 2004)

IF (verão 2004)



O NOSSO CORRESPONDENTE
EM COIMBRA


innersmile



ACTUALIDADES

Frescos



BLOGS CÁ DE CASA

A aba de Heisenberg

¦a¦barriga¦de¦um¦arquitecto¦

Abrupto

A Causa foi modificada

A Corneta

Adufe

A formiga de langton

A Espuma dos Dias

A Lâmpada Mágica

Almocreve das Petas

A memória inventada

A Montanha Mágica

A Natureza do Mal

António Reis

aoeste

A Oeste Nada de Novo

Apenas um pouco tarde

A Praia

avatares de um desejo

Aviz

Barnabé

Beco das Imagens

Bisturi

Blasfémias

Blog de Esquerda

Blogue dos Marretas

Borras de Café

Campo de Afectos

chafarica iconoclasta

cócegas na língua

Conta Natura

Contra a Corrente

Conversas de Café

Crítico

Crónicas da Terra

Cruzes Canhoto

daily dose of imagery by Sam Javanrough

desassossegada

Dias com árvores

Don Vivo

Dragoscópio

Driving Miss Daisy

Engrenagem

Epicentro

Epiderme

Errância

Espigas Reloaded

esplanar

flux+mutability

Fora do Mundo

Ford Mustang

freira dadaísta

Fumaças

Gávea

Glória Fácil

Grande Loja do Queijo Limiano

Guil

Hipatia

Húmus

Indústrias Culturais

Íntima Fracção

Juramento sem Bandeira

Kafka Sumiu em Belo Horizonte?

laranja amarga

Leitura Partilhada

little black spot

MacJete

martaverissimo.net

Mar Salgado

Modus Vivendi

¦Murmúrios do Silêncio¦

Não esperem nada de mim

No Arame

Nocturno 76

Notícias do cais

Oceanos

O céu ou las vegas

O céu sobre Lisboa

O Cheiro a Torradas pela Manhã

O Farol das Artes

O Gato Fedorento

O Intermitente

Os Espelhos Velados

OzOnO

Palavras da Tribo

Pastilhas

Percepções do meu olhar...

Pessoas de Romance

Planeta Reboque

Prazer Inculto

Quartzo, Feldspato & Mica

quase em português

rainsong

Reflexos de Azul Eléctrico

Retorta

roda livre

Ruialme

Seta Despedida

saudades de antero

Silencio

Sous les pavés, la plage!

Tempo Dual

Textos de Contracapa

Thelma & Louise

There's Only 1 Alice

Timewatching

tomara que caia

torneiras de freud

triciclofeliz

um mundo imaginado

Vermelhar

UmbigoNiilista

UmblogsobreKleist

universos desfeitos

Vidro Azul

Vila Dianteira

Viver todos os dias cansa

Voz do Deserto

Welcome to Elsinore

What do you represent

100nada



GONE WITH THE WIND

A Coluna Infame

Alfacinha

Bicho Escala Estantes

Caim & Abel

Desejo Casar

Dicionário do Diabo

Espigas ao Vento

Flor de Obsessão

intrusos

Kafka Sumiu em Belo Horizonte

Lérias...

My Moleskine

O Companheiro Secreto

Outro, eu

O tal Canal

Pintainho


Janela Indiscreta
 
domingo, outubro 31, 2004  

O último dia

Estava o dia nublado. Ninguém se resolvia
soprava um vento ligeiro: «Não é o grego é o
siroco» disse alguém.
Alguns ciprestes esguios cravados na encosta e o
mar
cinzento com lagoas luminosas, mais além.
Os soldados apresentavam armas quando começou a chuviscar.
«Não é o grego é o siroco» a única resolução que
se ouviu.
Todavia sabíamos que na alba seguinte não nos restaria
mais nada, nem a mulher bebendo ao nosso lado o sono
nem a memória de que fomos homens alguma vez,
mais nada na alba seguinte.

«Este vento traz à mente a primavera» dizia a amiga
caminhando a meu lado olhando para longe «a primavera
que de repente caiu no inverno perto do mar fechado.
Tão inesperadamente. Passaram tantos anos. Como vamos
morrer?»

Uma marcha fúnebre vagueava por entre a chuva miudinha.
Como morre um homem? Estranho ninguém refletiu
nisso.
E os que pensaram nisso era como memória de crónicas
velhas
da época dos cruzados ou da - em Salamina - batalha
naval.
Todavia a morte é algo que é feito; como morre
um homem?
Todavia alguém ganha a sua morte, a sua própria morte,
que não pertence a nenhum outro
e este jogo é a vida.
Baixava a luz sobre o dia nublado, ninguém se
resolvia.
Na alba seguinte não nos restaria nada; tudo entregue;
nem sequer as nossas mãos;
e as nossas mulheres trabalhando para outros nos fontanários e
os nossos filhos
nas pedreiras.
A minha amiga cantava caminhando a meu lado
uma canção amputada:
«Na primavera, no verão, escravos...»
Lembrávamo-nos de mestres anciãos que nos deixaram
órfãos.
Uma casal passou a conversar:
«Fartei-me do crepúsculo, vamos para casa
vamos para casa acender a luz.»

Yorgos Seferis, "Poemas escolhidos" (de Diário de Bordo I)
tradução de Joaquim Manuel Magalhães e Nikos Pratisinis
© Relógio d'água

posted by cristina on 18:21


 

Eles somos nós


John Dugdale | Moon Just Tinged With Blue | 2000

«Pode-se estar fatigado do mundo - fatigado dos fazedores de orações de poemas cujos rituais são recreativos, humanos e agradáveis, mas piores do que irritantes porque não têm realidade - e continuam a querer muito à própria realidade. Desejamos vislumbrar a realidade. Deus é uma imensidão, enquanto esta doença, esta morte que reside em mim, este pequeno e rigidamente definido evento pedestre, é simplesmente real, sem milagres nem instruções. Estou de pé numa jangada desancorada, um bote que se move na face flexível e fluente de um rio. É precário. O desconhecido, o tenso equilíbrio, as sacudidelas e a instabilidade espalham-se em largas ondulações através de todos os meus pensamentos. Paz? Nunca houve nenhuma no mundo. Mas estou agora a viajar na água maleável, sob o céu e à deriva; ouço-me rir, de nervoso ao princípio e, depois, genuinamente fascinado. O riso está todo à minha volta.»

Harold Brodkey no final de "Esta feroz escuridão - a história da minha morte" (tradução de José Luís Luna, edição da Bizâncio, Novembro de 1999)



Watcher, Natália, João ou Isabel. Para ler na Pública.



posted by cristina on 15:24


 

sob escuta


posted by camponesa pragmática on 13:42


sábado, outubro 30, 2004  

- Sólo vine a ver el jardín - dijo.



Sólo buscava un lugar más o menos propicio para vivir, quiero decir: un sitio pequeño donde cantar y poder llorar tranquila a veces. En verdad no quería una casa; Sombra quería un jardín.
- Sólo vine a ver el jardín - dijo.
Pero cada vez que visitaba un jardín comprobaba que no era el que buscava, el que quería. Era como hablar o escribir. Después de hablar o de escribir siempre tenía que explicar:
- No, no es eso lo que yo quería decir.
Y el peor es que también el silencio la traicionaba.
- Es porque el silencio no existe - dijo.
El jardín, las voces, la escritura, el silencio.
- No hago otra cosa que buscar y no encontrar. Así pierdo las noches.
Sintió que era culpable de algo grave.
- Yo no creo en las noches - dijo.
A lo cual no supo responderse: sintió que le clavaban una flor azul en el pensamiento con el fin de que no siguiera el curso de su discurso hasta el fondo.
- Es porque el fondo no existe - dijo.
La flor azul se abrió en su mente. Vio palavras como pequeñas piedras diseminadas en el espacio negro de la noche. Luego, pasó un cisne con rueditas con un gran moño rojo en el interrogativo cuello. Una niñita que se le parecía montaba el cisne.
- Esa niñita fui yo - dijo Sombra.

Sombra está desconcertada. Se dice que, en verdad, trabaja demasiado desde que murió Sombra. Todo es pretexto para ser un pretexto, pensó Sombra asombrada.

Alejandra Pizarnik, 1.5.1972
in "Poesía Completa", Editorial Lumen

posted by cristina on 14:39


 

Hora de Inverno

Às duas horas da madrugada de domingo, os relógios devem ser atrasados 60 minutos, entrando em vigor a chamada hora de Inverno.

© Público



posted by cristina on 14:34


sexta-feira, outubro 29, 2004  

Ao pé do rio #2



Doca de Belém

posted by António Rebelo on 19:26


 

Ao pé do rio #1



Perto do Cais do Sodré

posted by António Rebelo on 19:22


 

Amanhã há festa no TeCA



Tendo como ponto de partida alguns compositores oriundos da música pop que depois enveredaram pelos caminhos da música contemporânea, o Remix Ensemble estreia-se no TeCA com um programa em que se destacam duas obras fundamentais de Heiner Goebbels (industry & Ildeleness e la jalousie). Mark-Anthony Turnage (eulogy) e Iris ter Schiphorst (broken), temperados pelas irrupções românticas da música de Georg Friedrich Haas (monodie para 18 instrumentos), completam um programa de concerto particularmente comunicativo com o qual o Remix Ensemble celebra o seu 4º Aniversário.

Remix Ensemble | no Teatro Carlos Alberto | sábado, 30 de outubro, às 21h30

posted by cristina on 17:53


 

Sob escuta




Vashti Bunyam - Just another diamond day (Spinney, 2000)

Um disco editado originalmente em 1970, e recuperado em 2000. A autora, que desapareceu completamente da cena musical durante os trinta anos subsequentes à edição do disco - que entretanto se transformou numa tesouro perdido da folk britânica - voltou igualmente ao activo, tendo já colaborado com Devendra Banhart, Animal Collective e outros. Muito resumidamente, a história é esta; mais detalhes aqui.

E quanto ao disco? Pois merece todos os encómios e embébios. É lindo. Uma maravilha. Até o Inverno é azul, com música assim. A voz de Vashti Bunyam é de uma beleza estarrecedora. Enfim, um disco que todas as famílias de bem devem ter.

posted by António Rebelo on 10:27


 

Caminhos do Espelho

I
E sobretudo olhar com inocência. Como se nada se passasse, o que é certo.

II
Mas a ti quero olhar-te até estares longe do meu medo, como um pássaro no limite afiado da noite.

III
Como uma menina de giz cor-de-rosa num muro muito velho subitamente esbatida pela chuva.

IV
Como quando se abre uma flor e revela o coração que não tem.

V
Todos os gestos do meu corpo e voz para fazer de mim a oferenda, o ramo que o vento abandona no umbral.

VI
Cobre a memória da tua cara com a máscara daquela que serás e afugenta a menina que foste.

VII
A nossa noite dispersou-se com a neblina. É a estação dos alimentos frios.

VIII
E a sede, a minha memória é da sede, eu em baixo, no fundo, no poço, bebia, recordo.

IX
Cair como um animal ferido no lugar de hipotéticas revelações.

X
Como quem não quer a coisa. Nenhuma coisa. Boca cosida. Pálpebras cosidas. Esqueci-me. Dentro o vento. Tudo fechado e o vento dentro.

XI
Sob o negro sol do silêncio douravam-se as palavras.

XII
Mas o silêncio é certo. Por isso escrevo. Estou só e escrevo. Não, não estou só. Há alguém aqui que treme.

XIII
Ainda que diga sol e lua e estrelas refiro-me a coisas que me acontecem.
E o que desejava eu?
Desejava um silêncio perfeito.
Por isso falo.

XIV
A noite parece um grito de lobo.

XV
Delícia de perder-se na imagem pressentida. Levantei-me do meu cadáver, fui à procura de quem sou. Peregrina, avancei em direcção àquela que dorme num país ao vento.

XVI
A minha queda sem fim na minha queda sem fim onde ninguém me esperava pois ao descobrir quem me esperava outra não vi senão a mim mesma.

XVII
Algo caía no silêncio. A minha última palavra foi eu embora me referisse à aurora luminosa.

XVIII
Flores amarelas constelam um círculo de terra azul. A água treme cheia de vento.

XIX
Deslumbramento do dia, pássaros amarelos na manhã. Uma mão desata as trevas, arrasta a cabeleira da afogada que não cessa de passar pelo espelho. Voltar à memória do corpo, hei-de regressar aos meus ossos de luto, hei-de compreender o que a minha voz diz.


Alejandra Pizarnik, de "Extração da Pedra da Loucura" (1968), tradução de Luciana Leiderfarb
© Construções Portuárias #1, Maio de 2002



posted by cristina on 09:30


quinta-feira, outubro 28, 2004  

sob escuta


posted by camponesa pragmática on 14:50


 

outra forma

de partilhar as leituras:

The book of love is long and boring / No one can lift the damn thing / It's full of charts and facts and figures / And instructions for dancing / But I, I love it when you read it to me / And you, you can read me anything.
The book of love has music in it / In fact that's where music comes from / Some of it is just transcental / Some of it is just really dumb / But I, I love it when you sing to me / And you, you can sing me anything / The book of love is long and boring / And written very long ago / It's full of flowers and heart shaped boxes / And things were all too young to know / But I, I love it when you give me things / And you, you outta give me wedding rings / I, I love it when you give me things / and you, you oughta give me wedding rings.

the magnetic fields, song #12




(2 de 6) desenhos de Lorenzo Mattotti para o calendário de 2003 do Marchi Group.

© Lorenzo Mattotti e Marchi Group

posted by cristina on 14:31


 

A família está a crescer



E o novo membro tem um nome bonito: Homem das Flores. Mais informações aqui, aqui e no PÚBLICO de hoje.

posted by António Rebelo on 13:09


 

Não estou a sonhar!



1. O cinema Passos Manuel reabre amanhã as suas portas, pormenores no Local, do Público

2. A partir de 4 de Novembro a Medeia Filmes irá programar o cine-estúdio do Teatro do Campo Alegre. Com duas sessões diárias, uma ao fim da tarde, outra à noite (em geral, às 18h30 e 22h00, excepto quando a duração dos filmes exigir uma alteração), a programação arranca com o filme "A História do Camelo que Chora", de Luigi Falorni e Byambasuren Davaa, de 4 a 10 de Novembro. Seguem-se-lhe "Segunda de Manhã", de Otar Iosseliani, "O Tempo do Lobo", do realizador austríaco Michael Haneke e a reposição de "A Melhor Juventude".
A programação também procurará criar sinergias com outras actividades do Teatro do Campo Alegre, como acontecerá com a exibição do filme de Miguel Gonçalves Mendes, "Autografia" um magnífico "retrato" do poeta Mário Cesariny, a estrear em 2 de Dezembro.


3. Qual cereja no topo do bolo, amanhã é projectada Primavera tardia de Yasujiro Ozu. É às 21h00 na Casa das Artes. Espera-se sala cheia e entusiasmada.

posted by cristina on 11:46


 
Nunca tinha visto um eclipse evoluir, disfarçado de nuvens. Estou a ver agora.
Está aqui na Janela da sala, conforme passam e não passam.



Live shots make this eclipse possibly most seen live eclipse ever. (Nasa)

posted by Paulo on 02:37


quarta-feira, outubro 27, 2004  

sessão das nove

O João Bénard da Costa ainda não sabe mas a Cinemateca mudou-se cá para casa. A sessão (esgotadíssima) vai começar:



Johnny: Tell me something nice.
Vienna: Sure, what do you want to hear?
...


© The Johnny Guitar society

posted by cristina on 20:58


 

pragmatismo do dia

Those are my principles. If you don't like them I have others!

Groucho Marx

posted by zazie on 19:47


 

Faltam 56 dias.

Contagem decrescente para o Solstício de Inverno, esse grande dia menor do ano, após o qual tudo começa a restabelecer-se.

posted by camponesa pragmática on 16:43


 

Cereais sem versos - até quando?

Depois da fundamental chamada de atenção do para a necessidade de promoção do mainstreaming da sesta, virai agora o coração, almas circunspectas, para o desabafo do Alexandre, que lança luz sobre questão não menos importante; cito:

«Num mundo em que os pacotes de cereais não trazem versos de William Butler Yeats EU NÃO QUERO VIVER!»

Isto, caríssimos, é revolta da mais elementar e irrepreensível JUSTIÇA!


posted by camponesa pragmática on 16:18


 

Ele dança!


Um polvo a imitar um leão marinho

Gosto muito de documentários sobre o mar e os seus estranhos habitantes. Desconfio que é por causa das cores, das texturas e do ritmo ondulado de tudo o que se move na água, mas não é isso que interessa agora. Noutro dia, apanhei na 2: o final de um filme sobre um dos comportamentos que mais me entusiasma: o mimetismo. Um grupo de biólogos queria descobrir se, conforme parecia, um determinado polvo imitava outros animais. Era preciso apanhá-lo no acto mais do que uma vez (para se tornar regra) e ainda verificar se ele, para além do disfarce, copiava também o comportamento desse outro animal (em termos científicos, só assim se considera o carácter mimético). A tarefa era difícil, envolveu horas e horas debaixo de água, câmara em riste, frente àquele bicho que, apercebendo-se das filmagens, ficava quieto, num insólito jogo de paciência.

Os cientistas contaram com a preciosa ajuda de um grupo de mergulhadores e juntos ganharam na persistência. Conseguiram imagens incríveis do polvo a fazer-se de leão marinho ou de solha (garanto-vos que era perfeito no seu disfarce espalmado) e puderam assim determinar que aquele cefalópode era, de facto, um imitador.

Mas o plano mais belo de todos aconteceu de imprevisto. Já a equipa arrumava as tralhas quando o polvo, depois de uma inesperada e rápida subida até à superfície, deixou-se descer em queda livre, como se voasse, como um bailarino.


Para mais informações sobre este extraordinário polvo, podem consultar este site e mais este.

posted by cristina on 15:40


 

Roubado descaradamente à Cláudia

=|_|=|=|_|=

engana-se o mundo- sobrevive-se ao mundo-
tomando-o de espaço ganhando-o de tempo
rasgando o mundo pelas margens para que o mundo se faça
beirando precipícios

- diz-se o amor pela metade tudo por uma
desigual metade tudo cheio de palavras
coxas frases feitas de contenção e afectação
e no gesto a encenação da mentira da omissão
a promoção da ambiguidade para efeitos ilibatórios

.....a promoção do mistério é estratégia
.....disfarçando o espanto a confusão
.....o medo
.....enganando-se (d)o mundo

cláudia caetano | tempo dual

posted by camponesa pragmática on 15:26


 

A propósito dos católicos e do jazz

Como é do conhecimento geral, quando, em 1972, Nossa Senhora de Fátima chegou a New Orleans, chorou. Esta história do milagre de New Orleans é fascinante, como é próprio das coisas que não compreendemos em todo o seu alcance: porque chorou a Senhora? Parece-me muito provável (mas pronto é só a minha opinião, uma entre tantas...*) que tenha chorado de alegria - New Orleans é terra de grandes alegrias - e de emoção pela morte (em 1971, então recente) de Louis Armstrong, filho da terra. Aposto que os especialistas não tiveram isto em conta.



_____________________
* Cliché de estimação (assim mesmo, com reticências no fim), parte do acervo do meu Tesouro Kitsch; a desvendar no futuro.

posted by camponesa pragmática on 13:37


 

Ora cá está!

Já nos referimos aqui ao lamentável preconceito que o nosso primeiro-ministro revelou recentemente em relação à sesta. Mostrando idêntica consternação, a Associação Portuguesa dos Amigos da Sesta convidou o governante a fazer-se sócio da colectividade. Segundo a notícia:

Para os dirigentes da associação, é "de todo irrelevante para a credibilidade da governação" que o primeiro-ministro tenha dormido ou não a referida sesta, mas o desmentido formal constitui um "preconceito" condenável.


Ora nem mais. Espero sinceramente que o primeiro-ministro aceite o convite e contribua assim para o mainstreaming da sesta. Tanto mais que é praticamente certo que quanto mais tempo o primeiro-ministro passar a dormir, melhor para todos nós*.

_____________
* vide os vários estudos científicos sobre os benefícios da sesta.


posted by António Rebelo on 13:07


 

Sons para dias cinzentos



Anouar Brahem , Jan Garbarek e Shaukat Hussain - Madar [ECM, 1994]




Philip Glass - Glassworks [Sony, 1982]

posted by António Rebelo on 10:51


 

As Catacumbas

Importante, o texto que Mário Pinto escreveu na passada segunda-feira no PÚBLICO. Nele se recomenda aos católicos que revisitem as Catacumbas. Ora, digo eu, o conselho é válido para todas as orientações religiosas. Com efeito, as Catacumbas são um mui aprazível bar no Bairro Alto, orientado para o jazz e para os blues, e onde se está sempre muito bem. Ainda por cima, esta quinta-feira, toca lá a NOBODY'S BIZNESS, o que é uma oportunidade para ouvir a deliciosa voz da Petra.

Portanto, católicos e não católicos, sigam os conselhos de Mário Pinto: revisitem as Catacumbas!








posted by António Rebelo on 10:21


 
Havia um relógio por cima da entrada ?a ubíqua e sincronizada face, insensível, premonitória, oracular: ainda tinha vinte e dois minutos. E vai levar só dois minutos a contar ao Mac o que levei meses a descobrir pensou. ? Eu tinha-me transformado em marido ?disse ele ?. Foi isto. Eu nem sabia, até ela me dizer que lhe tinham oferecido continuar no emprego. A princípio eu costumava vigiar-me, ensaiar-me de cada vez para ter a certeza de dizer ?a minha mulher? ou ?Mrs. Wilbourne?, e depois descobri que durante meses eu me vigiava para não dizer; até dei comigo, duas vezes, desde que voltámos do lago, a pensar ?Quero que a minha mulher tenha tudo do melhor?, exactamente como qualquer marido com o seu envelope de paga ao sábado e a sua vivenda suburbana cheia de aparelhos eléctricos que aliviavam as esposas e o seu tabuleiro de relva para aparar ao domingo pela manhã, e que tudo será seu, se, nos próximos dez anos, não for despedido ou atropelado por um automóvel... o verme condenado, e cego para a paixão e morto para a esperança, e nem sequer sabendo, obnubilado e insciente em face da treva do desconhecido, da subjacente e displicente aposta que estourará com ele. Até deixei de ter vergonha da maneira como ganhava dinheiro, desculpando-me das histórias que escrevia; eu não tinha mais vergonha delas do que o empregado que compra a prestações a vivenda, em que a esposa pode ter o melhor, tem vergonha da insígnia do seu emprego, o desentupidor de retretes que leva consigo. Com efeito, eu chegara a escrevê-las, mesmo independentemente do dinheiro, como o rapaz que nunca viu gelo fica entusiasmado logo que aprende a patinar. Além de que, depois de ter começado a escrevê-las, aprendi que não tinha ideia das profundezas de depravação de que a inventiva humana é capaz, o que é sempre interessante...
?De que é capaz não; em que se compraz ?disse MacCord.
?Isso. Está bem... Interessante para a respeitabilidade. Foi isto. Eu compreendi, há algum tempo, que a ociosidade gera as nossas virtudes, as nossas mais suportáveis virtudes: a contemplação, a equanimidade, a preguiça, o deixar os outros em paz; boa digestão mental e física: a sabedoria de concentrar a atenção nos prazeres da carne: comer e evacuar e fornicar e estar sentado ao sol; que não há manda melhor, nada que se compare, nada no mundo senão viver o breve tempo em que nos é emprestado o respirar, estar vivo e sabê-lo... oh, sim, ela ensinou-me isso; ela marcou-me para sempre...nada, nada. Mas só recentemente é que eu vi claramente, tirei a conclusão lógica, que o que nós chamamos primaciais virtudes: economia, trabalho, ?independência?, isso é que gera todos os vícios; fanatismo, petulância, mexeriquice, medo, e pior que tudo, respeitabilidade. Nós, por exemplo, sabíamos ao certo de onde viria a comida de amanhã (o maldito dinheiro, demais, à noite, ficávamos acordados a pensar em como gastá-lo; na Primavera, andaríamos com folhetos de turismo na algibeira), eu tornara-me tão completamente amarrado e escravo da respeitabilidade, como qualquer...
?Mas ela não?disse MacCord.
?Não. Mas ela é mais homem do que eu.

William Faulkner, Palmeiras Bravas.

posted by zazie on 03:32


terça-feira, outubro 26, 2004  

Maudits soient-ils !



Léo Ferré
Verlaine & Rimbaud

posted by Lídia on 18:40


 

ARS MAGNA

Qué es la magia, preguntas
en una habitación a oscuras.
Qué es la nada, preguntas,
saliendo de la habitación.
Y qué es un hombre saliendo de la nada
y volviendo solo a la habitación.

Leopoldo María Panero, in "Poesía" 1970 - 1985

posted by cristina on 18:29


 

um pouco de vermelho


Francis Bacon | Study for bullfight nº2 [Estudo para uma corrida, nº2] | 1969 | Óleo sobre tela |

Não era o touro nem o estandarte, a jaula invisível, a multidão ou a brutalidade de todo o quadro. O que o inquietava mesmo era o número cinco. "Não compreendo", disse. E estava no caminho certo.

posted by cristina on 18:11


 

Mesdames et messieurs, faites vos jeux!



Sandra, aposto no Rimbaud... e na Patti Smith.



posted by cristina on 13:46


segunda-feira, outubro 25, 2004  

quid pro quo do dia

time flies like an arrow, fruit flies like a banana.
Groucho Marx

(dedicado ao João Miranda)

posted by zazie on 22:41


 

sob escuta


posted by Lídia on 22:36


 

Os gatos da tinturaria

Os gatos brancos, descoloridos,
passeiam pela tinturaria,
miram policromos vestidos.

Com soberana melancolia,
brota nos seus olhos erguidos
o arco-íris, resumo do dia,

ressuscitando dos seus olvidos,
onde apagado cada um jazia,
abstratos lumes sucumbidos.

No vasto chão da tinturaria,
xadrez sem fim, por onde os ruídos
atropelam a geometria,

os grandes gatos abrem compridos
bocejos, na dispersão vazia
da voz feita para gemidos.

E assim proclamam a monarquia
da renúncia, e, tranqüilos vencidos,
dormem seu tempo de agonia.

Olham ainda para os vestidos,
mas baixam a pálpebra fria

Cecília Meireles , Melhores Poemas, Global Editora, 1984 - S.Paulo, Brasil

posted by Lídia on 22:26


 

Um toque feminino fica sempre bem...

O Conselho aprovou. Está aprovado.



posted by zazie on 19:14


 

Iluminar os olhos

Do nosso correspondente em Coimbra,

chega-nos esta óptima sugestão, dentro de portas: ILUMINANDO VIDAS | Ricardo Rangel e a Fotografia Moçambicana

Trata-se de uma exposição feita sob a égide de Ricardo Rangel, um dos maiores fotógrafos de Moçambique, de África, e que inclui outros grandes fotógrafos daquele país, diz o Miguel. A não perder.



«Iluminando vidas é o título da homenagem de Calane da Silva ao seu amigo e companheiro Ricardo Rangel, pioneiro e decano da fotografia moçambicana contemporânea, hoje com 80 anos de idade. No vocábulo 'iluminar' está implícita a palavra 'Luz', elemento essencial da fotografia. Tem dois níveis de significado: iluminar um objecto e - no sentido figurado - colocar uma situação dentro da luz, aclarando-a. Em ambos os níveis vibra um significado festivo e poético: conferir luz e brilho a um objecto, dar-lhe um 'tom claro e cintilante'.»
Bruno Z'Graggen




de 9 de Outubro a 12 de Dezembro de 2004 | na Culturgest | Edifício Caixa Geral de Depósitos Avenida dos Aliados nº104 | Porto | de segunda a sábado, das 10h00 às 18h00 (última admissão às 17h45)

posted by cristina on 13:05


 

Tesouro Kitsch (no princípio era o quê?)

1. Não se antolha legítimo tanto frio e ser outra vez segunda-feira. Ainda ontem era sexta. A chuva se antoja: é o Outono!

Não estou dramática, estou só a experimentar Antolhar e Antojar e pareceu-me que iam bem com pontos de exclamação. Também me parecem apropriados para usar em momentos de grande emoção, quando a mão vai à testa e a cabeça pende para trás, como em "Oh, não se me antolha qualquer esperança!"

Antolhar e Antojar: não são lindos estes verbos?

2. Sinto particular carinho por fórmulas como "Ainda ontem", "Ainda hoje de manhã", que, não se porquê, me lembram sempre o clássico doméstico "Em jantando já lavo a loiça" ou "Em chegando já te faço o jantar", coisas que, pelo tardio da hora, me fazem pensar na necessidade de não sair de casa "sem levar um casaquinho, que à noite sempre arrefece". "Ainda ontem/hoje" vai sempre bem com "e já...". E, normalmente, quando prossigo com estas conversas durante muito tempo, em casa dizem-me "Mas não consegues viver sem gozar?", rimo-nos, e concluímos em coro "Há coisas com as quais não se brinca", frase esta que é, sem dúvida, uma das jóias da coroa do Tesouro Kitsch.

3. "Ainda ontem a Janela começou e já se passaram quase dois anos...!" Reticências seguidas de ponto de exclamação, tem de ser. Porque nestas frases assim é necessário dar uma pausa para que a exclamação produza o seu eco trovejante, sem o que tudo perde a importância...! E, quanto maior é a importância de uma coisa, mais pontos de exclamação se devem seguir às reticências. Sim...!!!

4. Uma coisa que normalmente me faz confusão na comunicação escrita quotidiana - internet e sms's - é a quantidade de pontos de exclamação que uma pessoa sozinha pode gastar. Por exemplo: "Olá!!!!!!!!!!". Demorei a adaptar-me. A princípio, quando me escreviam isto eu saltava e, a seguir, recuperada a compostura e o domínio do teclado, perguntava, sem ser a gozar: "O que é que eu fiz?" Não tinha feito nada. Como um amigo me explicou mais tarde, parece que na internet, nos programas de conversação, cada ponto de exclamação corresponde a um grau de emoção da pessoa e parece que quanto mais pontos escreve mais tem os olhos abertos e mais contente ou indignada está: o contexto dirá o resto. Ou seja, não é na gramática que se deve pensar, mas na pessoa que está a escrever, embora se deva fazer uma interpretação apurada do contexto para determinar o que quer exactamente dizer com "Ainda bem que apareces!!!!!!!!!". Deve ser esse o segredo da poesia do Repórter Lírico.

5. Dois outros verbos que eu adoro: Demolir e Impar. Mais, acredito que uma demolição seja uma boa ocasião para impar.

6. Na semana passada, li no Dicionário da Academia que parafuso é uma palavra de origem obscura.

posted by camponesa pragmática on 11:25


 

à espera de Veneza



Todas as segundas de manhã, Vincent começa a mesma rotina monótona. Uma hora e meia de trânsito até ao trabalho pouco inspirador numa fábrica. Em casa, as obrigações familiares que estão sempre a interromper a sua paixão pela pintura. Vincent já não suporta as segundas de manhã! Esta farto da fábrica, da mulher e das crianças, das contradições incompreensíveis da vida e do dia-a-dia do sítio em que vive. O velho Albert todos os dias faz o mesmo caminho. O carteiro lê as cartas de toda a gente. O padre não consegue desviar o olhar das mulheres da cidade. Um camponês miserável resolve instalar mais um alarme. Os adolescentes andam de um lado para o outro de bicicleta, falando de tudo e de nada para animar um pouco a vida...
Cansado, um dia, Vincent resolve ver um pouco do mundo e viaja até Veneza. Talvez aí ele consiga encontrar o que falta na sua vida...


© Atalanta

posted by cristina on 11:10


domingo, outubro 24, 2004  

A SINÉDOQUE INDESEJÁVEL

Conta-se que o salteador Procusta assaltava os viandantes entre Atenas e Mégara. Deitava-os numa cama; cortava os membros aos mais altos e esticava os mais pequenos para adaptar todos ás mesmas dimensões. A metáfora da cama de Procusta parece-me excelente para explicar o que fazem as definições. Como preexistem independentemente das coisas excluem o que não se adapta aos critérios escolhidos, criando limites rígidos. É por isso que muito se discute entre quem se interessa por banda desenhada: qual foi a primeira banda desenhada?, será que há banda desenhada sem narração?, o que incluir no corpus?, o que excluir?
Por mim, e dada a reconhecida arbitrariedade destas decisões, prefiro ter um critério largo. É assim que a banda desenhada pode ter começado no Egipto antigo e um dos primeiros e melhores exemplos desta arte pode ter sido escrito em galaico-português:
Cantigas de Santa Maria de Afonso X el Sábio
(códices do Escorial e de Florença).

De igual modo posso incluir no corpus nomes que habitualmente não são recrutados para estas guerras, como são os casos deWilliam Hogarth; Katshushika Hokusai (Hokusai, já agora, inventou o termo que define hoje a banda desenhada no Japão: manga.)Ou Frans Masereel: aqui e aqui . E ainda, Tom Phillips .

Outro problema que afecta a imagem pública da banda desenhada tem a ver com a sinédoque que faz quem só conhece a banda desenhada infanto-juvenil. A cama de procusta corta aqui a banda desenhada verdadeiramente adulta produzida nos últimos 40 anos.

Na pré-história (ou seja, nos anos 50) encontramos na Argentina os primeiros vestígios de uma banda desenhada amadurecida apesar de publicada ainda em revistas juvenis. Refiro-me às histórias do argumentista Héctor Germán Oesterheld, publicadas na sua Editorial Frontera: El Eternauta, com Solano Lopez; Mort Cinder, com Alberto Breccia; Ernie Pike e Sargento Kirk, com Hugo Pratt e outros (entre os quais José Muñoz, futuro autor, com Carlos Sampayo, de Alack Sinner e Sudor Sudaca).

Alberto Breccia
seguiria depois uma carreia absolutamente notável.


Informe sobre ciegos

Ver também um filme

Na Grã-Bretanha James Edgar (script) e Tony Weare (desenho) criaram um Western adulto que foge em muito (embora não totalmente, claro) aos clichés do género: Matt Marriott. Talvez por isso seja hoje uma banda desenhada quase esquecida.

O primeiro autor, consciente de o ser foi Guido Buzzelli com La Rivolta dei Racchi, I Labirinti, Zil Zelub, Aunoa.

Uma visita ao site da Associazione Buzzelli pode dar a ideia, a quem nunca o leu, de que Buzzelli é apenas mais um artista de "BD" de ficção científica como os há aos pontapés nas Métal Hurlant deste mundo. Mas nada mais falso: Buzzelli escreveu parábolas políticas extremamente complexas num momento, o Maio de 68 e sequelas, que não apelava propriamente à sofisticação.

De citar é também o caso de Santiago "Chago" Armada em Cuba. Chago serviu a revolução como guerrilheiro, mas teve o azar de produzir uma banda desenhada demasiado intelectual. A sua genial criação Sa-lo-món foi publicada brevemente durante os anos 60, mas permanece em grande parte inédita. Para se apreciar só numa galeria de arte .

Também Harvey Pekar, argumentista norte-americano, foi autoconsciente do seu estatuto de artista autónomo em relação a qualquer instituição comercial. Pekar foi um dos pioneiros, juntamente com Justin Green, Robert Crumb e Aline Kominsky, do comic autobiográfico.

O problema nos comics de Pekar são os seus colaboradores. Como não podia pagar muito, alguns deixam algo a desejar do ponto de vista gráfico. De entre os desenhadores com qualidade destaco Robert Crumb e Frank Stack.

Em França Jacques Tardi publicou, para além do seu trabalho comercial (Buzzelli também dividia o seu trabalho em criativo e alimentar), obras importantes durante os anos 70 e início da década seguinte: La véritable histoire du soldat inconnu, C'était la guerre des tranchées, Trou d'obus, La bascule à Charlot.
"Também Fred publicou livros importantes dos quais destaco: Le Journal de Jules Renard lu par Fred e Le petit cirque."


Em 1975 Martin Vaughn-James publicou no Canadá um marco importante da literatura desenhada. The Cage
Ainda no Canadá há que referir a editora Drawn & Quarterly onde publicam Seth e Chester Brown.
Em 1980 Art Spiegelman e Françoise Mouly editam o primeiro número da revista Raw. Aí publicam, entre muitos outros, Ben Katchor (com a sua nostalgia urbana). Gary Panter (e a sua estética punk).

The Cage

Lynda Barry
(com um retrato caustico da infância)
Chris Ware (e o seu experimentalismo pessimista)
Assim como o próprio Spiegelman (autor do aclamado romance gráfico Maus).

No início dos anos 80 a editora Fantagraphics passa a dedicar-se sobretudo à banda desenhada de autor. Para além do já citado Chris Ware, destacam-se, entre os artistas da casa, Daniel Clowes:ver aqui e tambémaqui e Joe Sacco (do qual se editou recentemente em Portugal, Palestina).

Na Alemanha, país com poucas tradicões nesta área, três nomes são dignos de registo:

Martin tom Dieck (ver também aqui) .


Hundert Ansichten der Speicherstadt
ou





O artista de banda desenhada mais importante do Japão é Yoshiharu Tsuge. O acontecimento editorial do ano na Europa, durante o corrente ano (do meu ponto de vista, claro), foi a edição, pela editora francesa Ego Comme X, do livro de Tsuge, L'homme sans talent .
Também importante é Yoshihiro Tatsumi, autor do termo gekiga, ou "imagens-drama", correspondente ao nosso "romance gráfico". E Jiro Taniguchi (obras importantes: Quartier lointain, ,Le Journal de mon père, L'homme qui marche).

Em Itália, e para além do histórico Guido Buzzelli, há a destacar, Lorenzo Mattotti.Ver também
aqui;

Stefano Ricci




e Andrea Bruno.

Em França e na Bélgica muitos são os artistas de banda desenhada "d'art et d'essais" dignos de nota. O decano é Edmond Baudoin .


Les Yeux Dans Le Mur

Mas um dos mais importantes é, sem dúvida, Fabrice Neaud ver também aqui .

Para uma visão global (incluindo nomes como Thierry van Hasselt, Éric Lambé, Vincent Fortemps, Yvan Alagbé, Alex Barbier, Olivier Deprez, Aristophane, etc...) do panorama franco-belga na área da banda desenhada de autor, basta explorar o site da melhor editora de banda desenhada do mundo. A editora Frémok.

O argumentista Felipe H. Cava destaca-se em Espanha. Cava trabalhou com Raúl, Federico del Barrio, Ricard Castells. São ainda de referir os catalães Max e Pere Joan .

Quanto aos artistas portugueses também os há e de qualidade: Pedro Nora, Filipe Abranches, Diniz Conefrey, Miguel Rocha, Ana Cortesão, António Jorge Gonçalves, José Carlos Fernandes, etc...

Revistas de referência:

Madriz, Medios Revueltos, El ojo clínico, Nosotros somos los muertos (Espanha)
Ego Comme X, Lapin, Amok (França)
Fréon, Pelure Amère (Bélgica)
Strapazin (Suiça)
Mano (Itália)
Drawn & Quarterly (Canadá)
Raw (E.U.A.)
Garo (Japão)
LX Comics; Quadrado e Satélite Internacional (Portugal)

texto enviado por
Oubapo

posted by zazie on 19:24


 

Num encontro de raízes queneuanianas...

A Janela Indiscreta tem a anunciar para breve um post de BD da autoria de Oubapo.



posted by zazie on 19:15


 

pierre le fou meets rimbaud [episódio #4 com Jean-Paul Belmondo e Anna Karina]

F: - C'est la mer mêllée
M: - Au soleil




Foi de novo achada!
O quê? a eternidade.
É o mar misturado
Com o sol.

A minh'alma eterna
O teu voto cumpre
Mas a noite é erma
E o dia lume.

Desligas-te, pois,
Das humanas votações,
Dos comuns ardores!
Tu voas conforme...

- Jamais a esperança.
Nem orietur.
Ciência e paciência,
Certo é o martírio.

De amanhãs, é o fim,
Brasas de cetim.
O vosso arder -
É o dever -

Foi de novo achada!
O quê? a eternidade.
É o mar misturado
Com o sol.

Jean Arthur Rimbaud, "Uma temporada no inferno" (Delírios), tradução de Margarida Gil Moreira, edição da Ulmeiro, Junho de 1999
© Ulmeiro

posted by cristina on 13:34


 

Adeus [episódio #2.2]



Já o outono?! - Mas porquê lamentar um sol eterno, se nos empenhamos na descoberta da claridade divina, - longe das pessoas que morrem com a mudança das estações?
O outono. A nossa barca fundada nas brumas imóveis dirige-se para o porto da miséria, a enorme cidade no céu maculado de fogo e lama. Ah! os andrajos putrefactos, o pão ensopado de chuva, a bebedeira, os mil amores que me crucificaram! Então nunca mais acaba este vampiro, que reina sobre milhões de almas e de corpos mortos e que serão julgados! Revejo-me com a pele remordida pela lama e pela peste, com vermes enchendo-me os cabelos e as axilas e outros ainda maiores no coração, estendido entre desconhecidos sem idade, sem sentimento... Podia ter morrido ali... Que pavorosa evocação! Abomino a miséria!
E receio o inverno por ser a estação do conforto!
- Por vezes, vejo no céu praias sem fim cobertas de alvas nações em regozijo. Uma grande nau de ouro, por cima de mim, desfralda os seus panos multicores à brisa da manhã. Criei todas as festas, todos os triunfos, todos os dramas. Tentei inventar novas flores, novos astros, novas carnes, novos idiomas. Pensei poder adquirir poderes sobrenaturais. Pois bem! tenho de enterrar a minha imaginação e as minhas recordações! Uma bela glória de artista e de contador de histórias destruída!
Eu!, que me intitulei mago ou anjo, dispensado de qualquer moral, restituído ao chão, em demanda de um dever, e a áspera realidade para estreitar! Pacóvio!
Engano-me? seria a caridade irmã da morte, para mim?
Enfim, pedirei perdão por me ter alimentado de mentiras. Vamos.
Mas nem uma mão amiga! e onde buscaria ajuda?



Sim, pelo menos a nova hora é rigorosíssima.
Pois posso dizer que a vitória me foi granjeada: o ranger de dentes, o silibar do fogo, os suspiros pestilentos atenuam-se. Todas as recordações imundas se apagam. Os meus derradeiros remorsos somem-se - invejas dos mendigos, dos malfeitores, dos amigos da morte, dos atrasados de todas as espécies. - Ah, amaldiçoados, se eu me vingasse?!
É preciso ser-se totalmente moderno.
Nada de cânticos: há que conservar o terreno ganho. Dura noite! o sangue seco fumega sobre o meu rosto, e nada tenho atrás de mim a não ser este horrível arbusto!? O combate espiritual é tão brutal como a batalha dos homens; mas a visão da justiça só para Deus é prazer.
Não obstante, é a vigília. recebamos todos os influxos de rigor e de ternura verdadeira. E, ao raiar da aurora, munidos de uma ardente paciência, entraremos nas cidades esplêndidas.
O que dizia eu de mãos amigas! A vantagem é que posso rir dos velhos amores enganosos, e encher de vergonha esses casais mentirosos, - eu bem vi o inferno das mulheres lá em baixo; - e ser-me-á permitido possuir a verdade num corpo e numa alma.

Abril - Agosto, 1873

Jean Arthur Rimbaud, "Uma temporada no inferno", tradução de Margarida Gil Moreira, edição da Ulmeiro, Junho de 1999
© Ulmeiro

posted by cristina on 13:10


sábado, outubro 23, 2004  

Je ne m'occupe plus de ça [episódio #3]

... depois deste texto ["Uma temporada no Inferno", escrito entre Abril e Agosto de 1873], e à excepção não confirmada de alguns poemas de Illuminations, Rimbaud não escreverá mais nada, além de cartas. E, a uma pergunta que anos mais tarde o seu velho amigo Delahaye lhe fará acerca da sua posição relativamente às letras francesas, responderá: "je ne m'occupe plus de ça".

José Manuel de Vasconcelos, no prefácio a "Uma temporada no inferno", editado pela Ulmeiro em 1999
© Ulmeiro

posted by cristina on 18:27


 

A desconstrução da pompa.

O prazer de desenhar bigodes e demais particularidades nas imagens públicas é injustamente ignorado. Faz parte do rol dos pequenos grandes prazeres que nada custam relativamente à satisfação que oferecem, como apanhar Sol, comer morangos e beber água fresca. Andava há muitos meses (confesso, talvez um ano e pouco) com vontade de experimentar no computador e na internet. Não é a mesma coisa, mas o paint, quando comparado com uma esferográfica, abre possibilidades inimagináveis. No fim, o prazer primordial permanece.



Beethoven - Krall
Lennon - Mary Stuart



posted by camponesa pragmática on 16:34


 

ondas curtas

1. Últimos dias para ver Quem tem medo de Virginia Wolf?, de Edward Albee.
Encenação de João Paulo Costa, com António Capelo, Glória Férias, Mário Santos e Sandra Salomé. No Auditório da Academia Contemporânea do Espectáculo, Praça Coronel Pacheco, nº. 1 (Porto)
Até 24 de Outubro, sábado às 21h30; domingo às 16h00. Tel. 222089007. Bilhetes a 10 euros


2. O mundo inteiro em Lisboa:
Os protagonistas: Hugo Chavez, o pequeno pianista, Ydessa e os ursos, José Manuel, a mula e o seu televisor, Anu, Débora, Sylvia Kristel, Che Guévara, Tony Blair, Ariel Sharon, Bin Laden, Saddam, Saadallah Wannous, Mário Cesariny, Ramon Mercadér, Siza Vieira, Almodóvar, Cronenberg, Wenders, Oliveira, Egas Moniz, Arthur Cravan, Abel Ferrara, Jorgen Leth e George W. Bush...
Os realizadores: Avi Mograbi, Agnès Varda, Frederick Wiseman, Simone Bitton, Jihan El Tahri, Sergey Dvortsevoy, Amos Gitai, Madalena Miranda, Luís Alves de Matos, Maya Rosa, Raymond Depardon, Leonor Areal, Karen Boswall, Serguej Loznitsa, Catarina Mourão, Nicolas Philibert, Catarina Alves Costa, José Barahona, Heddy Honingmann, Maria de Medeiros, Miguel Gonçalves Mendes, Rithy Panh, Amos Gitai, Elia Suleiman, Ross McElwee e Lars Von Trier...

© doclisboa | II Festival Internacional de Cinema Documental de Lisboa | de 24 a 31 de Outubro | Culturgest


3. Figuras, Figurantes e Figurões, de Luiz Pacheco, saiu a semana passada com o Independente. Convenci o senhor do quiosque a abrir a caixa das devoluções e resgatei dois exemplares. «De acordo. Mas, para mim, incorro sempre que puder, sempre que o ache necessário como medida de higiene profícua no feio facciosismo. Parece-me urgente. Nem assim tão fácil, porque é a vida que se arrisca quando se afirma (António Maria Lisboa). A verdade e o rigor. Não estamos aqui para brincar.» (último parágrafo da última página). Pois claro!


4. Se houvesse um canal de serviço público atento às necessidades da comunidade, de certeza que, muito em breve, veriamos Jaime (pelo menos) na televisão.


5. O melhor do Outono é o Verão de São Martinho. E as romãs.


posted by cristina on 10:15


sexta-feira, outubro 22, 2004  

eles andem

Acabo de saber pelo macguffinho que o Pastilhas acabou. Não vou fazer copy paste do que ele disse porque o descabelado do senhor Mustang até se esqueceu de mim. Prefiro mandar uma daquelas beijocas fofas a todos os pastilhinhas de boa memória, com blogue ou sem blogue, recordando as boas amizades que por lá se formaram.


posted by zazie on 21:21


 

e se fôssemos mesmo passadores?


posted by cristina on 21:13


 

uma senhora só perde o que quer perder...



posted by zazie on 20:37


 

um postal da Abissínia [episódio #2.1]

un grand vaisseau d'or*...


© www.rimbaud-arthur.fr

________
* retirado de "Adeus", a última parte de "Uma temporada no Inferno" de Arthur Rimbaud


posted by cristina on 14:18


 

each man kills the thing he loves [episódio #1 flashback]

A primeira morte de Rimbaud ocorreu em Julho de 1873, em Bruxelas. Do outro lado estava Verlaine. A vítima tentou anular o crime no tribunal, assim:

Acte de Renonciation

Je soussigné Arthur Rimbaud, 19 ans, homme de lettres, demeurant ordinairement à Charleville, (Ardennes-France), déclare, pour rendre hommage à la vérité, que le Jeudi 10 courant vers 2 heures, au moment où Mr Paul Verlaine, dans la chambre de sa mère, a tiré sur moi un coup de revolver qui m'a blessé légèrement au poignet gauche, Mr Verlaine était dans un tel état d'ivresse qu'il n'avait point conscience de son action

Que je suis intimement persuadé qu'en achetant cette arme, Mr Verlaine n'avait aucune intention hostile contre moi, et qu'il n'y avait point de préméditation criminelle dans l'acte de fermer la porte à clef sur nous

Que la cause de l'ivresse de Mr Verlaine tenait simplement à l'idée de ses contrariétés avec Mme Verlaine, sa femme

Je déclare en outre lui offrir volontiers et consentir à ma renonciation pure et simple à toute action criminelle correctionnelle et civile, et me désiste dès aujourd'hui des bénéfices de toute poursuite qui serait ou pourrait être intentée par le ministère public contre Mr Verlaine pour le fait dont il s'agit


A. Rimbaud
Samedi 19 juillet 1873


Os pormenores deste caso podem ser lidos aqui.

©1998-2004 www.mag4.net




posted by cristina on 14:07


 

sob escuta



Aria (do cd "A State of Wonder"). Mais informações e excertos do álbum aqui.

© NPR

posted by cristina on 10:15


quinta-feira, outubro 21, 2004  

at home in Karelia





© Marrigje de Maar

posted by cristina on 17:11


 

cada dia me torno mais poético

As cartas de amor dos outros raramente me interessam. A menos que estejam para além de qualquer coisa. De quê? Não sei explicar mas o Georg Büchner sabe, tem a ver com rãs e peixes, febres e alucinações, fenol?

Büchner escreveu esta extraordinária e comovente carta à sua noiva, Minna, em 1837. A tradução é de Ernesto Sampaio e acompanha o texto Lenz, editado pela Hiena em 1986. É um livro tão curto quanto intenso mas que, infelizmente, se encontra esgotado (no entanto, a quem interessar, posso informar que existe um exemplar na Biblioteca Municipal Silvestre Ribeiro, na Praia da Vitória, na Terceira).

Neste momento não há nenhum livro de Büchner (traduzido, editado e) disponível, nem mesmo a peça Woyzeck. E não percebo porquê.



À Noiva

Zurique, 13 de Janeiro de 1837

Minha querida menina.... conto pelos dedos as semanas que faltam até à Ressurreição. Tudo se torna cada vez mais aborrecido. Ao princípio era mais fácil: novas vistas, novas caras, situações, tarefas... mas agora já estou acostumado e esta regularidade diverge da minha. O que me vale é manter activa a imaginação. A preparação mecânica dos ensaios para o microscópio deixa-a livre. Vejo-te sempre entre rabos de peixe e dedos de rã. Não será isto mais comovente do que a história de Abelardo, e de como Eloísa se lhe interpôs entre os lábios e a oração? Oh, cada dia me torno mais poético, os meus pensamentos nadam em fenol! Graças a Deus, voltei a sonhar muito à noite. O meu descanso já não é tão pesado.

Georg Büchner

posted by cristina on 13:14


quarta-feira, outubro 20, 2004  

Bu!

Eu não acredito em fantasmas. E tenho uma gata pequena que começou há pouco a aventurar-se em subidas e descidas pelas estantes da minha biblioteca. Se assim não fosse, teria ficado assustada quando hoje, ao acordar, encontrei um livro que pertenceu ao meu bisavô aberto no meio da sala, com uma fotografia dele, amarela, caída ao lado.

posted by camponesa pragmática on 21:11


 

"Onde está acorrentado e cravado o gemido?

Onde está Prometeu - apoio e esteio da rocha?
Onde está o milhafre e os olhos amarelos,
ameaça de garras voando rasante?

Não mais sucederá - as tragédias não voltam,
mas estes lábios ao ataque, mas estes lábios
vão direitos a Ésquilo, o carregador,
direitos a Sófocles, o lenhador sábio.

Ele é eco, saudação, ele é marco, não - é relha...
O teatro de ar e pedra dos tempos crescentes
pôs-se de pé, e todos querem ver todos -
nascidos, mortais e os que não têm morte."

Óssip Mandelstam
1937
Tradução de Nina Guerra e Filipe Guerra
(Relógio d'Água, 2001)


posted by camponesa pragmática on 21:00


 

sob escuta



posted by camponesa pragmática on 20:59


 

postal do Equador

A nuvem equatoriana não tem rival. A bela nuvem equatoriana! Quase apaga o horizonte inteiro e não recua diante de nenhuma forma. E quanto à cor, por mais pequena que a nuvem seja (por vezes vemos uma, mais pequena que uma borracha num pano de céu, que permanece cerrada, e cintilante, e camaleão ao infinito, indiferente a todos os ventos, como que ancorada, quando todas as outras já foram chicoteadas e repelidas para longe), quanto à cor, dizia, possui todas as tintas e todos os sucos, e desafia que lhe venham fazer reparos, desafia qualquer nuvem sobre esta terra, sem exceptuar a mais excepcional nuvem marítima.
De repente, não se sabe como, por volta das seis da tarde, acabou-se. Não se vê nenhuma. Segue-se um céu estrelado, muito puro, abundante, crivado de estrelas e tão mais intenso do que a terra...
A estrela não ilumina, mas a cada olhar virado para si, envia o seu reflexo.

Henri


posted by Henri on 13:42


terça-feira, outubro 19, 2004  

Ele há gente para tudo

Já por aqui falámos do excelente Daily Dose of Imagery. Agora, alguém criou um alter-site, que pretende disponibilizar o correspondente genérico de cada foto. O Sam Javanrough, obviamente, levou a coisa com uma gargalhada. Se fosse português levava a coisa para tribunal. Ou fazia uma exposição à UEFA...

posted by Paulo on 15:29


 

À atenção do Sr. primeiro-ministro

Este blog tomou conhecimento de que, através de um comunicado oficial, negou recentemente ter dormido uma sesta. Vislumbramos nesta negação uma concepção inquinada da sesta, eventualmente filha dos mesmos infundados preconceitos que, nas sociedades capitalistas tardias, vituperam o hedonismo, a preguiça e o ócio e exaltam as virtudes do trabalho, do esforço, da exigência e de outros grandes males do espírito.

Tomamos desta forma a liberdade de lhe aconselhar a leitura deste artigo, onde a sesta é objecto de um enquadramento rigoroso e cientifico. Sem prejuízo de uma leitura atenta do texto referido, aqui lhe deixamos alguns excertos especialmente relevantes:

Sesta Aumenta Criatividade

Trinta por cento das pessoas tem as suas ideias mais brilhantes na cama, ao contrário de apenas 11 por cento que constroem as suas melhores ideias no local de trabalho

Nos nossos sonhos produzimos combinações estranhas de ideias que de vez em quando provam ser soluções muito criativas para problemas que não conseguimos resolver acordados

São também conhecidos nomes de celebridades que não dispensavam uns minutos de sesta a meio das suas actividades. De Winston Churchill a J. F. Kennedy, passando por Thomas Edison, Leonardo da Vinci, Napoleão ou Albert Einstein, todos eles se renderam aos benefícios da sesta


Tomamos ainda a liberdade de aconselhar a leitura de A Arte da Sesta, de Thierry Paquot (ed. Campo das letras, 2002)*, onde encontra muitos outros argumentos eloquentes em defesa desta nobre e saudável prática.

Por tudo isto, Sr. primeiro-ministro, instamo-lo a praticar a sesta porfiadamente e sem falsos pudores. Poucas coisas, julgamos, poderiam contribuir tanto para o bem-estar e desenvolvimento social do nosso país como a disseminação da sesta. Por isso, Sr. primeiro-ministro, instamo-lo: não renegue as suas sestas!

____________________________________
* Esta edição é aliás dupla: além de A Arte da Sesta contém igualmente o muito recomendável O Direito à Preguiça, de Paul Lafargue. Note que Lafargue, ao contrário de Paquot, já faleceu há bastante tempo, pelo que não vale a pena escrever-lhe agradecendo eventuais epifanias.


posted by António Rebelo on 14:40


 

Sob escuta



Neutral Milk Hotel - In The Aeroplane Over The Sea (Merge Records - 1998)


Este disco fantástico merece a maior divulgação possível; pela extraordinária música, tão acessível quanto bizarra, pelas vocalizações feitas com a devoção e o furor de alguém à beira de um esgotamento nervoso, e por palavras esgrouviadas como estas:

The only girl I've ever loved / Was born with roses in her eyes / But then they buried her alive / One evening 1945 / With just her sister at her side / And only weeks before the guns / All came and rained on everyone / Now she's a little boy in Spain / Playing pianos filled with flames / On empty rings around the sun / All sing to say my dream has come

posted by António Rebelo on 13:57


 

faut-il oublier les morts?



Chaque année, il nous faut rayer des noms sur le carnet d'adresses de notre agenda et il arrive un moment ou nous nous apercevons que nous connaissons plus de morts que de vivants.
Cette constatation, simple comme au revoir, nous a dicte, à Jean Gruault et à moi, le scénario de "La chambre verte" qui entremêle deux histoires courtes de Henry James et des notations biographiques sur sa fidélité au souvenir de sa fiancée disparue.
Le film montre donc l'évolution des relations entre deux êtres qui aiment les morts et les respectent, un homme et une femme qui refuse l'oubli. Contrairement a ce que les habitudes sociales et religieuses font croire, il arrive que l'on entretienne avec certains morts des relations aussi agressives et passionnées qu'avec les vivants.
Les péripéties de "La chambre verte" tournent autour de ces questions: faut-il oublier les morts? Que se passerait-il si, indifférents à l'usure du temps, nous leur restions attaches par des sentiments aussi violents que ceux qui nous lient aux vivants ?


Algumas frases de François Truffaut sobre "O Quarto Verde", em exibição no canal arte (que, dizem-me, está prestes a sair da grelha da TV Cabo), na próxima quinta-feira, dia 21 às 19h45. A não perder.

posted by cristina on 13:39


 

A mi madre

(reivindicación de una hermosura)

Escucha en las noches cómo se rasga la seda
y cae sin ruido la taza de té al suelo
como una magia
tú que sólo palabras dulces tienes para los muertos
y un manojo de flores llevas en la mano
para esperar a la Muerte
que cae de su corcel, herida
por un caballero que la apresa con sus labios brillantes
y llora por las noches pensando que le amabas,
y dice sal al jardín y contempla cómo caen las estrellas
y hablemos quedamente para que nadie nos escuche
ven, escúchame hablemos de nuestros muebles
tengo una rosa tatuada en la mejilla y un bastón con empuñadura en forma de pato
y dicen que llueve por nosotros y que la nieve es nuestra
y ahora que el poema expira
te digo como un niño, ven
he construido una diadema
(sal al jardín y verás cómo la noche nos envuelve)

Leopoldo María Panero, Poemas del manicomio de Mondragón, 1987

posted by cristina on 13:14


segunda-feira, outubro 18, 2004  

7.9


Tom Stoddart | In the Heart of India's Earthquake | 2001

posted by Paulo on 20:32


 

Evgeni Kissin em Lisboa





Um dos grandes pianistas da actualidade, Evgeni Kissin, vai tocar em Lisboa nos próximos dias 21 e 23 de Outubro, interpretando os cinco concertos para piano e orquestra de Ludwig van Beethoven. Os dois recitais decorrerão no grande auditório da Fundação Calouste Gulbenkian.

Para mais informações, ver o site do Serviço de Música da Fundação Gulbenkian. Lá se encontra nomeadamente um documento com informação exaustiva sobre a música e os intérpretes destes dois recitais.


posted by António Rebelo on 18:30


 
Feedback by blogBack This page is powered by Blogger.