Quem somos?

Ana Alves
António Rebelo
Cristina M. Fernandes
Lídia Pereira
Luís Rei
Marta Almeida
Paulo Azevedo
Zazie

Colaborador de estimação

Repórter Lírico

Nadador-salvador

Henri Michaux

Desaparecido

Escrivão Bartleby


janela_indiscreta@hotmail.com

on-line

 
Arquivos
<< current





Pesquisar os arquivos da Janela:


[pesquisa disponibilizada pelo serviço FreeFind]

 

SALA DE EXPOSIÇÕES

Boogie Woogie



SALA DE LEITURA

a poesia vai acabar



HÁ UM TRAÇO AZUL

IF no ar

um som profundo do Outono

IF (8 abril 2004)

IF (verão 2004)



O NOSSO CORRESPONDENTE
EM COIMBRA


innersmile



ACTUALIDADES

Frescos



BLOGS CÁ DE CASA

A aba de Heisenberg

¦a¦barriga¦de¦um¦arquitecto¦

Abrupto

A Causa foi modificada

A Corneta

Adufe

A formiga de langton

A Espuma dos Dias

A Lâmpada Mágica

Almocreve das Petas

A memória inventada

A Montanha Mágica

A Natureza do Mal

António Reis

aoeste

A Oeste Nada de Novo

Apenas um pouco tarde

A Praia

avatares de um desejo

Aviz

Barnabé

Beco das Imagens

Bisturi

Blasfémias

Blog de Esquerda

Blogue dos Marretas

Borras de Café

Campo de Afectos

chafarica iconoclasta

cócegas na língua

Conta Natura

Contra a Corrente

Conversas de Café

Crítico

Crónicas da Terra

Cruzes Canhoto

daily dose of imagery by Sam Javanrough

desassossegada

Dias com árvores

Don Vivo

Dragoscópio

Driving Miss Daisy

Engrenagem

Epicentro

Epiderme

Errância

Espigas Reloaded

esplanar

flux+mutability

Fora do Mundo

Ford Mustang

freira dadaísta

Fumaças

Gávea

Glória Fácil

Grande Loja do Queijo Limiano

Guil

Hipatia

Húmus

Indústrias Culturais

Íntima Fracção

Juramento sem Bandeira

Kafka Sumiu em Belo Horizonte?

laranja amarga

Leitura Partilhada

little black spot

MacJete

martaverissimo.net

Mar Salgado

Modus Vivendi

¦Murmúrios do Silêncio¦

Não esperem nada de mim

No Arame

Nocturno 76

Notícias do cais

Oceanos

O céu ou las vegas

O céu sobre Lisboa

O Cheiro a Torradas pela Manhã

O Farol das Artes

O Gato Fedorento

O Intermitente

Os Espelhos Velados

OzOnO

Palavras da Tribo

Pastilhas

Percepções do meu olhar...

Pessoas de Romance

Planeta Reboque

Prazer Inculto

Quartzo, Feldspato & Mica

quase em português

rainsong

Reflexos de Azul Eléctrico

Retorta

roda livre

Ruialme

Seta Despedida

saudades de antero

Silencio

Sous les pavés, la plage!

Tempo Dual

Textos de Contracapa

Thelma & Louise

There's Only 1 Alice

Timewatching

tomara que caia

torneiras de freud

triciclofeliz

um mundo imaginado

Vermelhar

UmbigoNiilista

UmblogsobreKleist

universos desfeitos

Vidro Azul

Vila Dianteira

Viver todos os dias cansa

Voz do Deserto

Welcome to Elsinore

What do you represent

100nada



GONE WITH THE WIND

A Coluna Infame

Alfacinha

Bicho Escala Estantes

Caim & Abel

Desejo Casar

Dicionário do Diabo

Espigas ao Vento

Flor de Obsessão

intrusos

Kafka Sumiu em Belo Horizonte

Lérias...

My Moleskine

O Companheiro Secreto

Outro, eu

O tal Canal

Pintainho


Janela Indiscreta
 
sábado, julho 24, 2004  

azul da cor do céu*

Isto tudo começou o ano passado com o cianómetro que encontrei no "Jogo de Nuvens" de Göethe, no voo entre as ilhas e o continente. O escritor descrevia-o como um instrumento para medir o azul do céu. Gostei da ideia e, apesar do invento não ter hoje em dia qualquer utilidade científica, pensei recriá-la sob a forma de um pequeno livro de fotografias que mostrasse as variantes da cor do céu ao longo do dia.
Fui esquecedo o projecto porque me faltava o meio de produção (uma máquina fotográfica digital) e, admito, por uma certa preguiça mas ocorreu-me há pouco que talvez o livro se possa fazer de outra forma, isto é, com as nossas e as vossas fotografias.

Já tenho o desenho do livro na cabeça, só preciso que me enviem fotografias do céu. No enquadramento podem aparecer apenas nuvens, aviões, pássaros e outros objectos voadores não identificados. O objectivo é mostrar as variantes da cor do céu, todos os outros elementos não devem ter destaque. Junto com a fotografia devem referir o local e a hora em que foi tirada. O livro será feito em formato digital (PDF) e será gratuito por isso esqueçam os royalties. A imagem deverá ser gravada em formato jpeg, com aproximadamente 12 X 12 cms e definação de 200 pixels por polegada (para permitir uma boa impressão). Podem mandar mais do que uma fotografia e, como não faço ideia se vai haver muitas ou não, aviso já que talvez seja obrigada a deixar algumas de fora ou então, caso não haja imagens suficientes, a não fazer livro nenhum.
Quem estiver interessado pode mandar um mail de inscrição, mas por favor não enviem já as fotografias que a caixa não aguenta, eu depois forneço um endereço mais compatível com o projecto.

As regras omissas serão criadas a seu tempo.

* 3º verso


posted by cristina on 18:27


 

o grande momento do dia:

LA GAUCHE C'EST MOI!

posted by zazie on 16:37


 

qué será será...



 

Que Sera, Sera
 When I was just a little girl
I asked my mother
 What will I be
Will I be pretty
Will I be rich
Here's what she said to me
 
 Que sera, sera
Whatever will be, will be
The future's not ours to see
Que sera, sera
 
What will be, will be 
When I grew up and fell in love
I asked my sweetheart
 What lies ahead
Will we have rainbows
Day after day
Here's what my sweetheart said
 
 Que sera, sera
Whatever will be, will be
The future's not ours to see
Que sera, sera
What will be, will be
 
 Now I have Children of my own
They ask their mother
What will I be
Will I be handsome
Will I be rich
I tell them tenderly 
 
Que sera, sera
Whatever will be, will be
The future's not ours to see
Que sera, sera
What will be, will be
Que Sera, Sera
 
 [Doris Day, Qué será será, escrita por Jay Livingston and Ray Evans]. Alfred Hitchcock,  re-make de 1956 do filme 1934"The Man Who Knew Too Much".

posted by zazie on 15:38


 

sob escuta

Agora: Rosa Passos, Chega de saudade (do cd "Obrigado Brazil" de Yo-Yo Ma and Friends - Sony Classical, 2003)
© NPR

Mais logo: Rodrigo Leão: Cinema ao Vivo, na Sic Notícias às 22h30

posted by cristina on 14:46


 

férias de sonho #5

- Vamos à praia?
- Com este calor?
- St-Marc-sur-Mer, Hôtel de la Plage...
- Ah bon, ça c'est different


posted by cristina on 14:24


 

ensacados e petulantes...

 
Los ensacados
Goya, Disparates, 1816 -1823, água-forte publicada em 1864.  

posted by zazie on 14:24


 

Parabéns



Ao Navio de Espelhos que festeja hoje o seu primeiro aniversário. É uma das mais bonitas e apetecíveis livrarias que conheço. Vale a pena ir a Aveiro, ir à festa, ir à prestidigitação poética de António Poppe.



posted by cristina on 09:03


sexta-feira, julho 23, 2004  
Como se impunha, o programa foi alterado. A RTP está a homenagear Carlos Paredes.

music filled with such longing, such unfulfillable longing. Nas palavras de Salieri, tão a propósito recordadas pelo .

posted by zazie on 22:52


 

A Primavera de Botticelli



Daqui a nada na RTP1- Vidas- (22.30), um documentário da BBC acerca dos mistérios da Primavera de Botticelli.
 
De acordo com alguns estudiosos em que se deve salientar Warburg em 1845 e posteriormente Pasnofsky, a Primavera faria pendant com o Nascimento de Vénus e os dois quadros teriam uma leitura de cariz neo-platónico numa alegoria entre o Amor Sagrado e o Amor Profano, a Vénus Terrena e a Vénus Celestial.

No Nascimento, Vénus saída das águas, despida como uma deusa, pura e imaculada, recebida por Zéfiro agarrado à amada Flora; na Primavera, a deusa fértil da época das fecundações, recebendo as setas amorosas de Cupido, ladeada pela Primavera e por Flora, a deusa da fecundação, que se escapa dos braços do vento Zéfiro para fertilizar o solo, segundo o mito da renovação das estações.
Vénus a par da deusa Deméter, responsável pela manutenção das sementeiras que na Primavera tem a recompensa da companhia da filha- Proserpina (a deusa da primavera), raptada por Vulcano e obrigada a passar o tempo invernal nas profundezas do solo.

Warburg foi o primeiro a associar esta pintura com as festividades de Maio, na poderosa corte dos Medicis que, inteligentemente, aproveitavam a tradição pagã para festejos citadinos em sua honra. O poeta Poliziano escreveu em 1475 um poema em gesta dedicado ao jovem nobre Giulano de Médicis. Segundo os relatos da festividade, as jovens florentinas percorreram a cidade num carro alegórico, largando flores à sua volta e, chegando-se perto do jovem príncipe desafiaram com cânticos o seu coração empedernido.

Botticelli teria aproveitado este acontecimento para subtilmente o referir na sua Primavera. No lado esquerdo da pintura, as jovens graças viram as costas a Mercúrio, que recusa o amor profano e ergue o braço com o caduceu, procurando repelir os farrapos de nevoeiro que se prendem aos ramos das laranjeiras. A razão que despreza tudo o que as deusas da beleza, do amor e da Primavera têm para oferecer. O jovem e casto Giulinao de Médicis representado pelo deus da Razão e da solidão, única potência psicológica que é excluída das regiões do Amor Divinus e que se auto exclui do próprio Amor humanus.
 
ver: Erwin Panofsky, Renascimento e Renascimentos na Arte Ocidental, Ed. Presença, Lisboa, 1981.

posted by zazie on 21:27


 

© Alfredo Cunha


posted by camponesa pragmática on 17:16


 

recordando

canções para Titi


posted by zazie on 15:46


 

stretch


© Sean Kernan



posted by camponesa pragmática on 15:38


 


«As pessoas gostam de me ouvir tocar guitarra, a coisa agrada-lhes e eles aderem. Não há mais nada.»

posted by António Rebelo on 14:30


 

instrumentos utópicos



Não é um devaneio de Göethe, o cianómetro existe mesmo. Foi inventado em 1787 por Horace-Bénédict de Saussure. É um instrumento de meteorologia; um simples cartão com uma escala de dezasseis azuis, do mais escuro ao mais claro; uma tentativa para medir e organizar algo tão instável como é o azul do céu. Saussure pensava que através da cor do céu poderia prever o tempo.
A sua descrição encontra-se no livro "Voyages dans les Alpes" de H.-B de Saussure. Arago François e Alexandre de Humbolt também utilizaram cianómetros nas suas expedições científicas.

Estas informações foram recolhidas aqui mas são os alunos da Escola de Lully (de Genebra) que melhor descrevem o cianómetro. Ora vejam se isto não é bonito.

posted by cristina on 13:02


 

a primeira noticia do dia é uma noticia triste:

Morreu Carlos Paredes


Sintonizar aqui (clicar em "ouvir")



posted by cristina on 09:11


 

boletim meteorológico


© David Williams, Stillness and Occurrence

Céu com algumas nuvens
Vento norte bonançoso a moderado (10/30 Km/h)

Estado do mar:
Mar de pequena vaga ou cavado.
Ondas noroeste de 2 metros passando a norte

Temperaturas previstas para o blog:
Temperatura máxima: 23 graus c
Água do mar: 22 graus c


Podem nadar à vontade, este blog tem nadador-salvador

posted by cristina on 08:32


quinta-feira, julho 22, 2004  

Leituras para as férias #1

Susan Sontag - On Photography

Susan Sontag: On Photography
(Penguin Books, 2002 [1977])

posted by António Rebelo on 21:23


 

The Golden Fish


Paul Klee


posted by camponesa pragmática on 21:11


 

Legend of the Nile


Paul Klee



posted by camponesa pragmática on 21:05


 

é só para avisar que

Ivan Terráqueo, John Difool, Tulius Detritus voltaram, em horário pós-laboral e a um ritmo estival.

posted by cristina on 18:19


 

Aula de Geografia #19

11
Les antilopes les plus rêveuses rêvent de caresser la douce poitrine des tigres.



posted by Henri on 17:47


 

O momento decisivo

Henri Cartier-Bresson tornou-se famoso pela sua capacidade de captar o momento decisivo: «the simultaneous recognition, in a fraction of a second, of the significance of an event as well as the precise organization of forms which gives that event its proper expression».

Deste ponto de vista, esta foto é uma perfeita expressão de um momento decisivo:



Obrigado ao Epicentro por me ter chamado a atenção para esta maravilha.

posted by António Rebelo on 14:38


 

Sob escuta

Dead Combo: Eléctrica Cadente, gravado ao vivo no Pequeno Auditório do Centro Cultural de Belém.




posted by António Rebelo on 13:43


 

férias de sonho #4



- Apanhei folhas de hortelã. Fazemos um Pimm's?
- Num copo alto, cheio de gelo, como no Claridge's.
- Não estou vestida a preceito...
- Roubamos um modelo do Galliano.
- A saia vermelha, rodada?


posted by cristina on 12:27


 

destruir as imagens

Podia ter roubado outra imagem, qualquer uma. Da melhor galeria da blogosfera: chafarica iconoclasta




posted by cristina on 11:04


 

Photographer unknown

Há uns anos arrastavam-me para o Blues Café uma vez de quinze em quinze dias. Eu condescendi até à altura em que comecei a trabalhar todos os dias e o meu tempo livre passou a ser mais raro, mais valioso e absolutamente insusceptível de desperdícios. Nas noites em que lá ia precisava de cerca de quinze a vinte minutos para deixar de ouvir. Quando conseguia, ficava a observar o bar mudo, as pessoas mudas, tudo mudo. Isso divertia-me e permitia-me permanecer no bar de forma discreta e urbana. Certas coisas, sem som, de insuportáveis passam a hilariantes.

Outras vezes, subia as escadas e ia limpar e absolver os olhos, até que de mim, ali, só restava o meu corpo vazio. Também as fotografias nos salvam. E esta é tão bonita.


Billie Holiday & Coleman Hawkins
Photographer unknown


posted by camponesa pragmática on 11:02


 

sob escuta



Foi durante a minha passagem pelo Café Society que nasceu uma canção que se tornou o meu protesto pessoal: «Strange Fruit». O embrião da canção estava num poema escrito pelo Lewis Allen. A primeira vez que o vi foi no Café Society. Quando ele me mostrou aquele poema fiquei logo impressionada. Parecia que falava de todas as coisas que tinham morto o meu pai.
O Allen também tinha sabido das condições em que o meu pai morrera e, claro, estava interessado na minha voz. Ele sugeriu que Sonny White e eu fizéssemos a música para o poema. Por isso juntámo-nos os três e fizemos o trabalho em três semanas. Também tive uma grande ajuda do Danny Mendelsohn, um outro músico que já me tinha feito arranjos. Ajudou-me com muita paciência a fazer o arranjo para a canção porque não tinha a certeza se conseguia transmitir essas coisas, que tinham um significado para mim, ao público de um clube fino.
Tinha medo que as pessoas a detestassem. A primeira vez que a cantei fiquei com a sensação que tinha sido um erro e tinha razões para ter medo. Não houve sequer um ameaço de palmas quando acabei de cantar. Então uma só pessoa começou a bater palmas nervosamente. E de repente toda a gente estava a bater palmas.

Southern trees bear strange fruit, / Blood on the leaves and blood at the root, / Black bodies swinging in the southern breeze, / Strange fruit hanging from the poplar trees

Pastoral scene of the gallant south, / The bulging eyes and the twisted mouth, / Scent of magnolias, sweet and fresh, / Then the sudden smell of burning flesh.

Here is fruit for the crows to pluck, / For the rain to gather, for the wind to suck, / For the sun to rot, for the trees to drop, / Here is a strange and bitter cry.


© NPR


Billie Holiday "Lady Sings the Blues"
© Antígona

posted by cristina on 09:11


 

Jornal da Região

A propósito do livro de fotografias do Tarkovski - e muito útil para livros estrangeiros em geral: Bookchecker.

Dica patrocinada silenciosamente pela camarada-da-eterna-procura-pelos-melhores-preços-livrescos.

posted by picatostes on 02:24


 

Morcegos

My faith in the Creative Writing course (...) has been strengthned considerably by a very good response to the 'What is it Like to be a Bat?' exercise. I've just looked at the work handed in yesterday, and there are some excellent, if rather ribald, parodies or pastiches. (...)

What is it Like to be a Vampire Bat?
By Irv*ne W*lsh


We goat back to the auld cave aboot the same time, Gamps n me, jist is the sun wis rizin. Scotty wis back already, hangin from the ceiling feelin sorry for hisself. Ah hud goat ma fix from one ay they Highland bullocks that feel like shagpile rugs n legs, n Gamps hud foond a sheep wi its throat torn oot by a fox, the jammy cunt, but Scotty hud goat fuckall. (...)


What is it Like to be a Bat?
By S*lm*n R*shd**


What kind of question is that, sir? With all due respect, what would you say if I asked you, 'What is it like to be a man?' You would undoubtedly reply, 'It all depends on what kind of man.' What race, what colour, what class, what caste, what situation in life? Likewise with bats. We are of many kinds. (...)


What is it Like to be a Blind Bat?
By S*m**l B*ck*tt


Where? When? Why? Squeak. I am in the dark. I am always in the dark. It was not always so. Once there were periods of light, or shades of darkness. Squeak. There would be a faint luminosity from the mouth of the cave. When it faded I knew it would soon be time to leave the cave, with the others, to go flittering throught the dusk. Squeak. Now it is always dark, uniformly dark. Whether at any given moment it is dark outside my head as well as inside, I do not know. All I know, if know is the word, and it is not, is that I can see nothing. I can feel, hear, smell, but not see. Squeak. (...)

Thinks... , David Lodge (Penguin Books)

posted by picatostes on 01:54


quarta-feira, julho 21, 2004  

"Everything is serious, everything isn't" - Elliott Erwitt



© Elliott Erwitt/ Magnum Photos



posted by camponesa pragmática on 22:57


 

Álgebra

Como sabemos pelo menos desde que Epiménides de Creta se tornou famoso pela sua frase "Todos os homens de Creta são mentirosos", é possível criar paradoxos lógicos, ou afirmações cujo valor lógico não pode ser decidido, utilizando proposições que de algum modo se referem a elas próprias. Um exemplo já clássico é o paradoxo de Bertrand Russell, sugerido pela tentativa de definir o "conjunto de todos os conjuntos". [...bla bla bla demonstrações...] Por outras palavras, não conseguimos atribuir um valor lógico à afirmação "N pertence a N" [N conjunto].
A um nível superficial, a lição a tirar deste exemplo é simplesmente que é necessário algum cuidado com definições recursivas (...).
A um nível mais profundo, no entanto, as dificuldades lógicas com definições recursivas, ou mais geralmente com proposições que se referem a elas próprias, parecem inevitáveis e estão relacionadas com alguns dos problemas mais difíceis contemplados por matemáticos e filósofos. É possível dar uma definição (rigorosa) de "definição regirosa"? Podemos compreender o funcionamento da nossa própria inteligência? Como podemos conciliar o aspecto mecânico das deduções lógicas, espelhado no funcionamento dum programa de computador, com a infinita adaptabilidade que chamamos comportamento "inteligente"? Afinal de contas, e regressando à vida "prática", este é o problema central do desenvolvimento da Inteligência Artificial.
Manuel Ricou e Rui Loja Fernandes, Introdução à Álgebra (DMIST)

posted by picatostes on 22:19


 

Bertrand Russell

Numa palestra, Russell afirmou não ser possível quebrar as regras da matemática sem que isso tivesse consequências desastrosas. Se uma afirmação falsa for introduzida, torna-se possível provar o que quer que seja. Nessa altura, uma voz dentre o público interrompeu-o: «Se dois multiplicado por dois é cinco, então você deve conseguir provar que eu sou o Papa. Prove-o!»
Sem hesitações, Russell respondeu: «Se dois multiplicado por dois é cinco, então quatro é cinco. Subtraia três de ambos, então um é igual a dois. Mas você e o Papa são dois, portanto você e o Papa são um.»
Bertrand Russell em 90 minutos, Paul Strathern (Editorial Inquérito)



posted by picatostes on 20:25


 

La ventana

Esta tarde escrevi mal o endereço da Janela na barra de endereços e fui parar a outro blog com o mesmo nome. Quase o mesmo nome. Pestanejei várias vezes. O que é que eles andam a tramar? Por que é que ninguém me disse nada? Foi então hoje que a Lídia pôs em prática o seu velho plano. Descobri por fim o meu erro. A diferença que faz um ponto.


posted by camponesa pragmática on 17:22


 

ready-to-wear


© John Galliano

- Oh, muy pocas... Que me lleve con usted a ver señoras bien vestidas... como se visten ahora. ¡Oh, condescienda usted!... Hace miles de años que tengo este deseo, pero nunca como... desde anoche. Antes nos preocupábanos muy poco del vestido... Ahora ha llegado la mujer al límite en el sentimiento del arte.

Una noche de edén, por Horacio Quiroga

posted by cristina on 15:44


 

férias de sonho #3



- Esquece a praia, vamos passear.
- Contas-me uma história?
- De Horacio Quiroga, como fazia a avó da Lucrecia Martel?
- Há tigres em Entrequintas?
- Nem toda a gente os vê.

Nota: Há dois livros de Horacio Quiroga (Contos de amor, loucura e morte e Contos da selva) traduzidos para português e editados pela Cavalo de Ferro

posted by cristina on 14:31


 


posted by camponesa pragmática on 11:43


 

E agora?

Gostei de uma natureza morta. Que há-de ser de mim?


Joseph Decker | Still Life with Crab Apples and Grapes
1888 | oil on canvas | John Wilmerding Collection





posted by camponesa pragmática on 11:30


 


Piero di Cosimo | La Magdalena
1501 | tempera su tavola | 72,5 x 76 cm



posted by camponesa pragmática on 11:02


 

Un cuento memorable

- Esa de negro que sonrie desde la pequena ventana del tranvia se asemeja a Mme. Lamort - dijo.
- No es posible, pues en Paris no hay tranvias. Ademas, esa de negro del tranvia en nada se asemeja a Mme. Lamort. Todo lo contrario: es Mme. Lamort quien se asemeja a esa de negro. Resumiendo: no solo no hay tranvias en Paris sino que nunca en mi vida he visto a Mme. Lamort, ni siquiera en retrato.
- Usted coincide conmigo - dijo -, porque tampoco yo conozco a Mme. Lamort.
- ¿Quien es usted? Deberiamos presentarnos.
- Mme. Lamort - dijo -. ¿Y usted?
- Mme. Lamort.
- Su nombre no deja de recordarme algo - dijo.
- Trate de recordar antes de que llegue el tranvia.
- Pero si acaba de decir que no hay tranvias en Paris - dijo.
- No los habia cuando lo dije, pero nunca se sabe que va a pasar.
- Entonces esperemoslo puesto que lo estamos esperando

Alejandra Pizarnik

posted by cristina on 10:36


 

O Túnel da Estrela

No Prazer Inculto.



posted by camponesa pragmática on 10:31


 

© Ferdinando Scianna / Magnum Photos


posted by camponesa pragmática on 10:28


 

Buscar

No es un verbo sino un vértigo. No indica acción. No quiere decir ir al encuentro de alguien sino yacer porque alguien no viene.

Alejandra Pizarnik, "Textos de Sombra"

posted by cristina on 10:10


terça-feira, julho 20, 2004  

"Foi uma grande desgraça. Quando a sua carreira como showman tinha apenas começado, o infeliz Cesáreo Rodriguez, conhecido pelo seu número em que comia máquinas fotográficas peça a peça, e que, depois de as digerir, as voltava a montar, faleceu. Nunca mais poderemos apreciar a sua rara habilidade."



Esta e outras notícias do extinto "Notícias do Mundo", n'O Céu sobre Lisboa.




posted by camponesa pragmática on 21:06


 

Um dia abri a caixa do correio...

...e havia Nostalghia lá dentro:





Obrigado, Cris :)


posted by António Rebelo on 18:58


 

Sabedoria popular

Dois aforismos lidos recentemente:

A única coisa absolutamente certa é o futuro, pois o passado está sempre a mudar.

(Aforismo jugoslavo citado neste texto de I. Wallerstein.)


Descansar es salud.

(Provérbio espanhol citado em O Direito à Preguiça, de Paul Lafargue (Campo das Letras, 2002). Um belo livro, aliás, que nesta edição é vendido conjuntamente com A Arte da Sesta, de Thierry Paquot: A sesta é uma reapropriação por nós próprios do nosso próprio tempo, fora dos controlos relojoeiros. A sesta é emancipadora.).




posted by António Rebelo on 18:23


 

Tudo a postos para Sines 2004

Já estão disponíveis os detalhes da edição 2004 do Festival Músicas do Mundo de Sines; para além do já conhecido e excelente cartaz, este ano vai haver DJing junto à praia Vasco da Gama, com (entre outros) o Luis e o Vitor.

posted by António Rebelo on 18:00


 

Plume est triste

Não acredito: perdi vinte minutos do melhor programa de rádio da antena 2. Ainda ouvi as desventuras de Plume/Henri Michaux lidas por Marguerite Duras em francês e por Alexandra Lucas Coelho em português (a tradução de Margarida Vale de Gato para a Relógio d'Água) e depois a música de Carlos d'Alessio e as vozes de Jeanne Moreau e Marguerite Duras na Rumba des îles. Mas perdi a Alice, a conversa com os mineiros e...

Que horário despropositado este! Vai-me obrigar a rever o contrato de trabalho.

posted by cristina on 17:52


 

o anexo (ou: o Manuel Resende voltou a casa)

A carta continha um anexo, disse Mr. Hackett, do qual, conhecendo o amor que você tem pela literatura, gostaria de lhe dar um cheirinho (...).

posted by cristina on 15:28


 

férias de sonho #2

A Assírio & Alvim ainda vai provocar a minha ruína. Depois de mais um Thomas Bernhard e "Uma Coisa em Forma de Assim" de Alexandre O'Neill, soube ontem que a editora se prepara para lançar dois livros de Blaise Cendrars e, sim, pasmem: a primeira antologia poética de Eugenio Montale.



Um dia não muito longe
assistiremos à colisão
dos planetas e o céu diamantado
acabará submerso em escombros.
Então colheremos flores rutilantes
e estrelas de néon.
Olha, eis o sinal, um fogo
acende-se no céu, chocam-se
Júpiter e Órion e no terrível
estampido onde acabou o homem?
Certo que basta um sopro neste mundo
em que vivemos para que ele acabe.
Ficará talvez um grito, o da
terra que não quer perecer.

poema de Eugenio Montale publicado na revista "Palavra", Editora da Palavra - Belo Horizonte (MG), ano 1, nº 7, Outubro/1999, tradução de Ivo Barroso

posted by cristina on 13:17


 

sob escuta



L'Arpeggiata, às 21h30 no Auditório do Ramo Grande, Praia da Vitória, Terceira

(para ouvir aqui)

posted by cristina on 11:20


 

Montanha de Julho

Nós vivemos numa constelação
De retalho e retinir de sons,
E não num mundo uno, nas coisas ditas
Acuradamente em música ou fala,

Como em piano ou página de poesia -
pensadores sem pensamentos últimos
Num cosmos sempre e sempre incipiente,
Como, ao se subir uma montanha,
Vermont reúne seus vários pedaços.

Wallace Stevens, tradução de João Moura Jr.
© vasco cavalcante

O poema original pode ser lido aqui


posted by cristina on 09:23


segunda-feira, julho 19, 2004  

I know that's how it will be



Sometimes I am filled with a sense of absolutely breathtaking happiness, which shakes my very soul, and in those moments of harmony the world around me begins to look as it really is - balanced and purposeful; and my inner, mental structure or system corresponds with the outer structure of the milieu, the universe - and vice versa. At those moments I believe myself to be all-powerful: that my love is capable of any physical feat of heroism, that all obstacles can be overcome, that grief and yearning will be ended, and suffering be transformed into the fulfilment of dreams and hopes. This is one of those moments. I believe that Larissa will succeed in bringing Andriushka here, and that we sahll drink orange juice and eat ice-creams in Via Cola di Rienzo, in the café Leroy. I don't just believe it, I know that's how it will be.

Andrey Tarkovsky in "Instant Light"
© Thames & Hudson

posted by cristina on 20:19


 


On the set of the film The Mirror, Andrey Tarkovsky inclued himself in one scene, lying in a hospital bed and holdinng a tiny bird on his right hand. And this is what happened to him at the end of his life: in his sickroom in Paris, the room where he died, a little bird would fly every morning through the open window and come to light on him.

Giovanni Chiaramonte, "The Image as Remembrance" in Instant Light
© Thames & Hudson

posted by cristina on 20:17


 

Aula de Geografia #18

Depois da minha morte

Fui transportado depois da minha morte, fui transportado, não a um lugar fechado, mas à imensidade do vazio etéreo. Longe de me deixar abater por esta imensa abertura em todos os sentidos e a perder de vista, em céu estrelado, congreguei-me e congreguei tudo o que eu tinha sido, e o que estivera quase a ser, e em suma tudo aquilo que no calendário secreto de mim mesmo me tinha proposto ser, e apertando tudo, e também as minhas qualidades, e por fim os meus vícios, derradeiro escudo, fiz de tudo a minha capa e arreio.
Sobre este caroço, animado pela ira, mas uma ira clara que o sangue já não sustinha, uma ira fria e integral, pus-me a fazer de porco-espinho, em suprema defesa, numa última recusa.
E então o vazio, as larvas do vazio que já cresciam tentacularmente para mim com os seus bolsos moles, ameaçando-me com a abjecta endosmose, essas larvas espantadas, após uns vãos tentames contra a presa que recusava render-se, recuaram embaraçadas e deixei de as ver, abandonando à vida aquele que tanto a merecia.
Doravante livre neste ponto, empreguei a minha força do momento, a exaltação da vitória inesperada, para pesar em direcção à Terra, e voltei a penetrar o meu corpo imóvel, que os lençóis e a lã felizmente não tinham deixado arrefecer.
Com surpresa, após este meu esforço ultrapassando o dos gigantes, com surpresa e alegria misturada em decepção, voltei a entrar nos horizontes estreitos e cerrados onde a vida humana, para ser o que é, tem de passar-se.

posted by Henri on 13:54


 

Ministério para a Promoção da Virtude e a Erradicação do Vício

"Uma nova ofensiva das autoridades contra as mulheres e adolescentes que não usam o véu de forma apropriada está a provocar um profundo debate na sociedade iraniana. Os próprios meios conservadores do país estão divididos quanto à atitude a adoptar face ao desrespeito pelos valores islâmicos.

Nas últimas semanas, a polícia levou a cabo uma série de operações em diversos bairros de Teerão, interpelando numerosas jovens que deixam o cabelo sair do lenço, usam vestidos cada vez mais curtos e calças que deixam à mostra a barriga da perna.

Segundo testemunhos oculares, as adolescentes têm sido detidas em parques, restaurantes e centros comerciais. Em seguida, são conduzidas para a esquadra mais próxima e libertadas depois de submetidas a uma prédica sobre os valores morais do Islão.
" - por Stefan Smith; continua no Público.


posted by camponesa pragmática on 11:52


 
um café


um jornal

Raymond Depardon | "Michaux is dead", "Truffaut is dead" | Egypt, Cairo, 1984 | © Raymond Depardon | Magnum Photos

posted by cristina on 09:55


 

Para terminar

Recomendo aos meus pósteros
(se os houver) em matéria literária
que façam, o que é improvável,
uma bela fogueira de tudo o que se refira
à minha vida, a meus feitos, a meus não feitos.
Não sou um Leopardi, deixo pouco que queimar
e já é demais viver com percentagem.
Vivi a cinco por cento, não aumenteis
a dose.
Demasiado amiúde, pelo contrário, chove
no molhado.

Eugenio Montale, tradução de Pedro Silveira in "Mesa de Amigos"

posted by cristina on 08:45


domingo, julho 18, 2004  

sob escuta

Bidu Sayao, Bachiana brasileira no.5 Aria (clicar para ouvir em realplayer) de Heitor Villa-Lobos

Tarde, uma nuvem rósea lenta e transparente,...



posted by cristina on 22:45


 

bad manners

 
Hans Holbein, Erasmus, 1523

Claro que Leonardo não foi propriamente um mestre-de-cerimónias apesar dos esforços na educação das maneiras à mesa dos seus ilustres amos. Uns anos mais tarde, no Norte da Europa protestante, Erasmo de Roterdão vai redigir um pequeno tratado para a educação dos jovens príncipes- o De civilitate morum puerilium (Da civilidade dos costumes das crianças) editado em 1530. Parece que teve enorme sucesso, pois nos seis anos que se seguiram (até à morte de Erasmo) teve pelo menos trinta edições. Ao todo contam-se cento e trinta edições, das quais treze só no século XVIII, sem contar com as imitações e adaptações. Quatro anos depois da primeira edição foi transformado em catecismo e introduzido como manual escolar para ensino dos rapazes. Trata-se da divulgação do conceito de civilité, palavra que passa a dar novo sentido à noção de civilitas, tornando-se sinónimo de decoro; do comportamento do homem em sociedade.

Atente-se, no entanto a algumas das suas recomendações:  
  
- É incivil saudar alguém que está a urinar ou defecar.
-Há alguns que recomendam que o rapaz deve reter os gases, comprimindo o ventre. Mas não é curial contrair uma doença pretendendo parecer-se urbano. Se se fazem sair os gases sem barulho nem som, óptimo, Todavia é preferível que saiam com som a que fiquem guardados e retidos. Dissimular o ruído com uma tossidela: fingem tossir aqueles que, por pudor, não querem que o ruído se ouça. Segui a regra de Chiliades: tosse conforme o traque.
 
Do assoar:
- Assoar-se ao barrete ou às vestes é rústico, fazê-lo com o braço ou o cotovelo é próprio dos mercadores de peixe e também não é muito civil fazê-lo com a mão, se logo a seguir a esfregares nas vestes para limpar o muco. O que é decente é assoar o nariz com um pano, virando-se um pouco para o lado, se estiverem presentes pessoas de mais dignidade.
Se, ao assoar o nariz com os dois dedos, cair alguma coisa no chão, deve ser logo esmagado com o pé.
 
Do cuspir:
- Cospe para o lado, para não atingires ninguém. Se for lançado para o chão algo de mais purulento, esmaga-o com o pé, para que não provoque nojo a ninguém. Se tal não é permitido, cospe para o lenço. Não é urbano reabsorver a saliva, como o não é aquilo que vemos em alguns, que cospem a cada três palavras, não por necessidade, mas por hábito.
 
E na prática, terá tido Erasmo resultados com a sua pedagogia?
Parece que nem por isso. Parece que algumas maneiras à mesa, ainda que entre cortesãos, continuaram a ter o seu quê de picaresco. Os hábitos de alívio de necessidades, por exemplo são muito curioso. Que o digam as Ordenações da Corte de Wenigerode de 1570: 
  
- Que ninguém faça as suas necessidades em frente da sala das senhora, das alcovas e das portas das janelas de outros aposentos, desavergonhadamente e sem qualquer recato, como os campónios que nunca estiveram na corte ou em casa de pessoas honradas e decentes...

E ainda em 1589, referia-se nas Ordenações da Corte de Braunschweig:

- Do mesmo modo, que ninguém, quem quer que seja, antes de, depois de, ou entre as refeições, tarde ou cedo, suje os degraus das escadas, os corredores, os aposentos, com urina ou outra imundice, mas que, para tais necessidades, vá aos lugares adequados prescritos.
 
E por cá, como terá sido? Não muito diferente, é o mais certo. Nas poesia satírica há mesmo um peculiar gosto pelo humor coprófilo e até o grande senhor conde de Vimioso usou a rima um tanto "aporcalhada" como troça de bazófias e "caganços" militares.
Num destes poemas mal cheirosos, o conde mete-se com o capitão que se destinava a acompanhar a expedição do conde de Tarouca à Turquia. Ao que consta, no serão real, o dito capitão teve uma aflição da barriga e não esteve com mais medidas: meteu-se "em hua chaminé e fez seus feytos num braseyro". Goza então o poeta de corte: "Na Turquia será ele um Aníbal e levará a cabo façanhas de Pompeu". E D. Gonçalo Coutinho escarnece: "Duas onças de serão, em noite fria, são melhor purgante do que cinco onças de escamónea. E se for homem de pé lesto, num braseiro fará ele o que eu não diria..." A farsa continua neste tom incluindo a intervenção do diabo que lhe recomenda levar um "privado de barro ou de madeira, como quem leva cadeira para ouvir o sermão, que nem sempre há um braseira à mão...".
 
Cancioneiro Geral de Garcia de Resende, Coimbra, 1910-1917,  t.4, pp.345-352, cfr. Mário Martins, O riso, o sorriso e a paródia na literatura portuguesa de Quatrocentos, Instituto da Cultura e da Língua Portuguesa, Ministério da Educação, 1987.
 
Norbert Elias,  O processo civilizacional, 2 vols, Publicações D. Quixote, Lisboa, 1989 (1º.vol..)

posted by zazie on 22:33


 

uns grandes javardolas...

 
Ludovico Sforza e Beatrice d'Este, Pala Sforzesca, Pinacoteca de Brera, Milão.c.1494.

Não é só carteira que se conhece um senhor. Há quem afiance que a gravata para eles e os sapatos para elas são critérios mais válidos mas o certo é que na mesa se tiram as teimas. Parece que já o afirmavam os tratados à Bobonne de alguns requintados cortesãos renascentistas e Leonardo da Vinci não tinha dúvidas. Por muito que se tenha esforçado na educação do gosto culinário dos seus Médicis, a verdade é que não aprenderam nada.
Bem pode ele inventar uma série de guardanapos e variadíssimos modos de os dobrar. Na corte de Ludovico Soforza a moda não pegou. Como conta o pintor, o magnífico senhor de Milão "tem por costume atar coelhos com fitas às cadeiras dos seus comensais para que estes possam limpar as mãos as mãos engorduradas às costas do animal, costume que considero impróprio da época em que vivemos. E, quando depois da refeição, os animais são recolhidos e trazidos para a lavandaria, o mau-cheiro infiltra-se nos outros panos que são lavados conjuntamente com eles..."
Leonardo não desiste. Perante a imundice das toalhas de mesa avança com a ideia de guardanapos e dobrados de variadíssimos e artísticos modos. O problema foi o resultado... aqui fica o relato de Pietro Alemnanni, o embaixador Florentino em Milão.

"Ontem à noite apresentou à mesa a sua solução para o problema, consistindo num pano individual colocado diante de cada conviva, o qual deveria ser sujo no lugar da toalha de mesa. Mas, para grande perturbação de Mestre Leonardo, ninguém achou modo de o utilizar ou soube o que fazer com ele. Alguns foram ao ponto de se sentar em cima. Outros assoaram-se nele. Outros, ainda, serviram-se dele para o atirarem, em tom de brincadeira, a outros comensais. Mas houve também quem o utilizasse para envolver a vitualha e a ocultar na bolsa ou no bolso. E depois do repasto terminado, encontrando-se a toalha tão suja como de costume, Mestre Leonardo confiou-me a sua angústia de que o invento nunca chegasse a ter aceitação. Alem disso, nessa mesma semana, Mestre Leonardo sofreu novos reveses à mesa. Tinha imaginado um prato de salada para um certo prândio, pensando que a grande taça que a continha seria passada de mão em mão, cada um tomando para si um pequena quantidade. No centro viam-se ovos de codorniz, ovas de esturjão e cebolinhas de Mântua dispostas em cima e rodeadas de folhas de alface de Bolonha e de suculento aspecto. Mas quando a pessoa que servia à mesa colocou a taça diante do Convidado de Honra do Senhor Ludovico, Cardeal Albufiero de Ferrara, o dito Cardeal atafulhou no manjar os dedos de ambas as mãos e, como a maior rapidez, devorou todos os ovos, ovas e cebolinhas, servindo-se posteriormente das folhas de alface para limpar o rosto coberto de salpicos e devolvendo-as, enxovalhadas, à taça, que por disposição falha de siso de quem servia à mesa, acabaram por ser presenteadas à minha senhora d'Este. A aflição de Mestre Leonardo perante o ocorrido punha-o completamente fora de si e, na minha opinião, acho que a taça da salada não irá aparecer mais vezes à mesa"




Prjectos para dobrar guardanapos. 

 Dizem agora as análises aos restos mortais que a causa de morte de alguns dos Médicis se deve a intoxicação alimentar e o caso pode ter sido para menos. Uma vez, este esteta e amante da culinária, desenhou uma série de aríetes e escadas como instruções para uma guerra que o amo travava com o Papa e fê-las acompanhar de maquetas em maçapão e massa de pasteleiro. Lourenzo de Médicis parece que não entendeu a refinada mensagem bélica e decidiu oferecê-la como bolos aos convidados durante uma ceia.
Pior sorte foi a dos Sforza quando o pintor aprontou um monumental repasto para a boda de Ludovico Sforza com Beatrice D'Este. Teve a ideia de efectuar a cerimónia dentro de um bolo de 70 metros como réplica do palácio, confeccionado no próprio pátio dos domínios do amo com polenta e massa coberta de passas e nozes que acabou atacada por uma invasão de pássaros e ratazanas de todo a cidade. 
 

Mas se à mesa as maneiras eram estas e a batalha da civilidade da culinária foi perdida pelo pintor, a verdade é que a cozinha onde fazia as experiências era um autêntico caos. Atente-se nesta descrição de um embaixador florentino que visitou os aposentos no palácio dos Sforza: 

"A cozinha do meste Leonardo da Vinci é um manicómio. O senhor Ludovico Sforza contara-me que os esforços dos últimos meses tinham sido no sentido de economizar trabalho humano, mas, agora, em lugar dos vinte cozinheiros que as cozinhas costumavam ter, há umas duas centenas de pessoas afadigando-se, e nenhuma das que pude ver estava propriamente a cozinhar, mas antes ocupada com os grandes engenhos que enchem o chão e as paredes, nenhum dos quais parecendo funcionar de modo útil ou adaptado à finalidade par que fora criado. Numa das extremidades da cozinha encontrava-se uma grande roda hidráulica, que, posta em movimento por uma cascata que se despenhava sobre ela com fragor, salpicava e encharcava com os seus esguichos todos os que passassem por baixo, transformando o chão num verdadeiro lago. Foles gigantescos, medindo cada um quatro metros de comprimento, estavam suspensos dos tectos, bufando e rugindo, destinados a afastar o fumo dos fogões; mas o que conseguiam fazer melhor era aumentar as chamas, com prejuízo para todos os que necessitavam de executar as suas tarefas junto do lume, e as chamas eram tão intensas que exigiam uma fila permanente de homens com baldes de água a tentar apagá-las, se bem que outras águas jorrassem em cima de todos, vindas de todos os cantos do tecto. E por toda esta área de cataclismo vagueavam cavalos e bois, alguns andando às voltas para fazer girar o engenho, cuja função não parecia ser outra senão andar meramente às voltas, enquanto outros arrastavam dispositivos para limpar o chão, desempenhando heroicamente as suas tarefas, e todavia seguidos por outro igualmente extenso exército de homens para limpar os excrementos dos cavalos. Também me foi dado ver a grande trituradora de vacas, avariada, com metade de um mamífero ainda preso na engrenagem e quatro homens a tentar removê-lo com auxílio de alavancas. Num outro sítio, ainda, estava o dispositivo de lenha de Mestre Leonardo da Vinci: despejava ininterruptamente a sua carga na cozinha, e nada o conseguia fazer parar. De sorte que, em vez de dois homens que costumavam trazer lenha para a cozinha, era agora necessário empregar dez para a de lá tirar. Verificámos, então, que os gritos que ouvíamos provinham dos infelizes que se queimavam, afogavam ou sufocavam, e das explosões de pólvora, substância que Mestre Leonardo da Vinci insistia em usar para acender os seus fogos de combustão lenta; e, como se isso já não fosse suficientemente ruidoso, juntava-se ainda a música dos tambores que continuavam a rufar, embora, ao que parece, os tocadores de órgãos-de-beiços se tivessem já afogado. Como descrevi, a cozinha de Mestre Leonardo da Vinci, parecia um manicómio, o que, parece-me, não agradou ao senhor Ludovico Sforza."


1- triturador de vacas;  2- Plataforma giratória de gramofone manual que acabou transformado em cortador de toucinho fumado, posto em funcionamento por um moço de cozinha que se sentava no banco à esquerda.

Com cozinhas desta natureza, receitas mirabolantes, inventos inverosímeis e jantares pantagruélicos, muito bom estômago precisavam de ter estes cortesãos. Entre todos os delirantes apontamentos deste código, o mais avisado ainda é o conselho de um bom auxiliar para a digestão. Confessa o artista: 
 
"Pergunto a mim mesmo se no intervalo dos pratos servidos à mesa do meu Senhor (sobretudo no caso de esses pratos não serem de primeira qualidade) em vez do aparecimento de acrobatas e anões, a exibição de alguma dançarinas licenciosas não seriam um melhor digestivo."  

Shelag & Jonathan Routh, Notas de cozinha de Leonardo da Vinci, Ed. Arte Mágica, 2002, seg. Codex Romanoff, atribuído a Leonardo da Vinci.


posted by zazie on 02:07


 

Abril em Maio


posted by camponesa pragmática on 01:31


 
Feedback by blogBack This page is powered by Blogger.