Quem somos?

Ana Alves
António Rebelo
Cristina M. Fernandes
Lídia Pereira
Luís Rei
Marta Almeida
Paulo Azevedo
Zazie

Colaborador de estimação

Repórter Lírico

Nadador-salvador

Henri Michaux

Desaparecido

Escrivão Bartleby


janela_indiscreta@hotmail.com

on-line

 
Arquivos
<< current





Pesquisar os arquivos da Janela:


[pesquisa disponibilizada pelo serviço FreeFind]

 

SALA DE EXPOSIÇÕES

Boogie Woogie



SALA DE LEITURA

a poesia vai acabar



HÁ UM TRAÇO AZUL

IF no ar

um som profundo do Outono

IF (8 abril 2004)

IF (verão 2004)



O NOSSO CORRESPONDENTE
EM COIMBRA


innersmile



ACTUALIDADES

Frescos



BLOGS CÁ DE CASA

A aba de Heisenberg

¦a¦barriga¦de¦um¦arquitecto¦

Abrupto

A Causa foi modificada

A Corneta

Adufe

A formiga de langton

A Espuma dos Dias

A Lâmpada Mágica

Almocreve das Petas

A memória inventada

A Montanha Mágica

A Natureza do Mal

António Reis

aoeste

A Oeste Nada de Novo

Apenas um pouco tarde

A Praia

avatares de um desejo

Aviz

Barnabé

Beco das Imagens

Bisturi

Blasfémias

Blog de Esquerda

Blogue dos Marretas

Borras de Café

Campo de Afectos

chafarica iconoclasta

cócegas na língua

Conta Natura

Contra a Corrente

Conversas de Café

Crítico

Crónicas da Terra

Cruzes Canhoto

daily dose of imagery by Sam Javanrough

desassossegada

Dias com árvores

Don Vivo

Dragoscópio

Driving Miss Daisy

Engrenagem

Epicentro

Epiderme

Errância

Espigas Reloaded

esplanar

flux+mutability

Fora do Mundo

Ford Mustang

freira dadaísta

Fumaças

Gávea

Glória Fácil

Grande Loja do Queijo Limiano

Guil

Hipatia

Húmus

Indústrias Culturais

Íntima Fracção

Juramento sem Bandeira

Kafka Sumiu em Belo Horizonte?

laranja amarga

Leitura Partilhada

little black spot

MacJete

martaverissimo.net

Mar Salgado

Modus Vivendi

¦Murmúrios do Silêncio¦

Não esperem nada de mim

No Arame

Nocturno 76

Notícias do cais

Oceanos

O céu ou las vegas

O céu sobre Lisboa

O Cheiro a Torradas pela Manhã

O Farol das Artes

O Gato Fedorento

O Intermitente

Os Espelhos Velados

OzOnO

Palavras da Tribo

Pastilhas

Percepções do meu olhar...

Pessoas de Romance

Planeta Reboque

Prazer Inculto

Quartzo, Feldspato & Mica

quase em português

rainsong

Reflexos de Azul Eléctrico

Retorta

roda livre

Ruialme

Seta Despedida

saudades de antero

Silencio

Sous les pavés, la plage!

Tempo Dual

Textos de Contracapa

Thelma & Louise

There's Only 1 Alice

Timewatching

tomara que caia

torneiras de freud

triciclofeliz

um mundo imaginado

Vermelhar

UmbigoNiilista

UmblogsobreKleist

universos desfeitos

Vidro Azul

Vila Dianteira

Viver todos os dias cansa

Voz do Deserto

Welcome to Elsinore

What do you represent

100nada



GONE WITH THE WIND

A Coluna Infame

Alfacinha

Bicho Escala Estantes

Caim & Abel

Desejo Casar

Dicionário do Diabo

Espigas ao Vento

Flor de Obsessão

intrusos

Kafka Sumiu em Belo Horizonte

Lérias...

My Moleskine

O Companheiro Secreto

Outro, eu

O tal Canal

Pintainho


Janela Indiscreta
 
sábado, março 13, 2004  




posted by camponesa pragmática on 22:04


 

©Daniel Blaufuks

posted by Lídia on 15:17


 
Em especial aos domingos

Em especial aos domingos
quando ninguém está em casa
aí por finais de Junho
subo então ao terraço
para perceber além dos muros
a cidade silenciosa.

Tonino Guerra
(Tradução de Mário Rui de Oliveira)

posted by Lídia on 15:04


 
Na Idade Perfeita

o sabor do café e o cigarro,
o pausado passeio cada tarde,
o cheiro da terra quando chove,
a grata conversa com um amigo
e uma rara página gostada
são teu amor à vida, os teus sentidos.
Aprofundam-se as feridas com os tempo
embora ele mesmo esconda as cicatrizes.
Passou a juventude e o que tens
chamam-lhe os néscios maturidade.

Fernando Ortiz
(tradução de Joaquim Manuel Magalhães)

posted by Lídia on 15:02


 


J'ai toujours peur de commencer. En générale toutes les dances sont construites dans le silence et après on essaye de musique

Dominique Mercy dança Pina Bausch | Documentário de Régis Obadia

Plongeon dans l'univers onirique de la chorégraphe Pina Bausch à travers le regard et le souvenir d'un de ses plus intenses et plus fidèles interprètes, le danseur Dominique Mercy.

Às 21h25 no arte

posted by cristina on 14:55


 

Concertos Italianos



Na forma de expressão mais exuberante que encontra na actualidade, o barroco musical será revisitado, hoje e amanhã, respectivamente nos palcos da Fundação Gulbenkian, em Lisboa, e do Teatro Rivoli, no Porto, pelo agrupamento Europa Galante, sob a direcção de Fábio Biondi. O concerto irá rodar em torno de diferentes manifestações do género do concerto italiano, da autoria dos mais emblemáticos compositores da época: Arcangelo Corelli, Pietro Locatelli, António Vivaldi, Francesco Geminiani e Giovanni Sammartini.
[…]

Rui Pereira, Público

Europa Galante | Concertos italianos | Fábio Biondi (violino e direcção) | Lisboa | Grande Auditório Gulbenkian | Hoje, às 19h00 |Porto | Teatro Rivoli | Amanhã, às 21h30

posted by cristina on 14:34


 

não há qualquer desculpa para não o lerem

Ninguém sabe a verdade de uma pessoa, e muitas vezes a própria pessoa sabe ainda menos do que as outras.


posted by cristina on 13:27


sexta-feira, março 12, 2004  

Teatro de Sabbath



Cama dela.
Duas simples palavras dissilábicas ambas e tão antigas como o Inglês, e contudo o seu poder sobre Sabbath não era nada menos do que tirânico. Com que tenacidade se agarra á vida! À juventude! Ao prazer! Aos tesões! À roupa interior de Deborah! E no entanto estivera o tempo todo a olhar do alto do décimo oitavo andar, para a mancha verde do parque e a pensar que chegara o momento de saltar. Mishima. Rothko. Hemingway. Berryman. Koestler. Pavese. Kosinski. Arshile Gorky. Primo Levi. Hart Crane. Walter Benjamin. Um grupo ímpar. Não havia nada de desonroso em assinar aquela lista. Faulkner praticamente matara-se com os copos. Assim como (dizia Roseanna, uma autoridade agora no que tocava a ilustres mortos que poderiam estar vivos se tivessem «partilhado» nos AA) Ava Gardner. Abençoada Ava. Não havia muito a respeito de homens que pudesse surpreender Ava. Elegância e degradação imaculadamente interligadas. Morta aos sessenta e dois anos, dois anos mais nova do que eu. Ava, Yvonne de Carlo: estas são os modelos a seguir! Que se fodam as ideologias louváveis. Superficiais, superficiais, superficiais! Basta de ler e reler Um Quarto que Seja Seu, comprem As Obras Completas de Ava Gardner. V. Woolf, uma virgem lésbica de meter o dedo e beliscar, com uma vida erótica constituída por um aparte de lascívia e nove partes de medo — um arremdeo inglês excessivamente apurado de um Borzoi, facilmente superior, como só os ingleses sabem ser, a todos os seus inferiores, que nunca se despiu em toda a sua vida. Mas uma suicida, não se esqueçam. A lista torna-se mais estimulante de ano para ano. Eu seria o primeiro fantocheiro.
A lei da vida: instabilidade. Para cada pensamento um contrapensamento, para cada anseio um contra-anseio. Não admira que um tipo dê em maluco e morra ou decida desaparecer. Anseios a mais, e isso não é sequer um décimo da história. Sem amante, sem mulher, sem profissão, sem casa e sem cheta, rouba as calcinhas-biquíni de uma nulidade de dezanove anos e, cavalgando uma onda de adrenalina, mete-as na algibeira como garantia — estas calcinhas são exactamente aquilo de que precisa. O cérebro de mais ninguém trabalha assim? Não acredito. Isto é envelhecimento puro e simples, a hilaridade autodestruidora da última montanha-russa. Sabbath encontra o seu igual: a vida. O fantoche és tu. O truão grotesto és tu. Tu és Punch, artolas, o fantoche que brinca com tabus!

Teatro de Sabbath | Philip Roth | Tradução de Fernanda Pinto Rodrigues | Publicações Dom Quixote (2000) | páginas 176/177


posted by cristina on 23:12


 

O teatro indecente de Sabbath

Quem é Mickey Sabbath? Philip Roth precisou de quase 500 páginas para o explicar e mesmo assim chegamos ao fim do livro cheios de dúvidas. Sabbath é um monstro? Dava jeito arrumá-lo desse modo, era uma limpeza, um descanso para a consciência. O problema é que ele não se deixa engavetar. Tem 64 anos e está por tudo. Anda a ajustar contas com a morte, com os seus mortos: Morty, o irmão, morto em combate nas Filipinas, tão novo que ele era e tão perfeito e no entanto morto; a mãe que o ensombra, morta de apatia; Nikki que desapareceu de repente — morta também ou terá fugido? — um eterno fantasma, uma Cordélia sem Shakespeare; Drenka, a amante luxuriosa, morta de cancro; Linc, esverdeado no seu caixão. Todos às voltas na cabeça de Sabbath, todos misturados, todos a dizerem que no fim não há nada, nada a esperar. Não há protecção nenhuma, nunca houve.
Podemo-nos agarrar às finezas do espírito, ao bem estar de uma vida acolchoada como Norman, ou regenerar como Roseanna, percorrendo as reuniões dos Alcoólicos Anónimos com fé, rezando orações. Podemos fingir e esquecer. Podemos?

Teatro de Sabbath | Philip Roth | Publicações Dom Quixote (2000)

posted by cristina on 22:38


 

novo observatório

Passei o dia em mudanças. Perdi o jardim que atravessava todas as manhãs mas ganhei um excelente terraço. Já avisei a gerência: só trabalho fora de horas lá em cima.


posted by cristina on 22:07


 

Att. Serviço de Refugo Postais



Aviso: não te fies no google, o Bartleby não é este tipo, é muito mais sombrio embora, como já disse antes, não seja exigente.

posted by cristina on 13:09


 

Rosa dos Ventos



Joseph Cornell | Object (Roses des Vents) | 1942-53 | Construction, 2 5/8 x 21 1/4 x 10 3/8 in | The Museum of Modern Art, New York

posted by cristina on 12:52


 

Isto não é um caso de semiomania.



Ontem, na Cinemateca, quando as luzes se acenderam depois da exibição de Close-Up, Sabzian, o falso Makhmalbaf, ou Makhmalbaf, o verdadeiro, levantou-se da última fila e, com uma mochila às costas, dirigiu-se para a porta. Não sem antes olhar, preocupado, em volta, com medo de ser reconhecido. Mas foi. Pela Ana e por mim, ao mesmo tempo, sendo que só passados alguns segundos trocámos comentários a respeito da presença de Sabzian, o falso Makhmalbaf, ou Makhmalbaf, o verdadeiro. Mais tarde, na Praça da Figueira, um casal alemão olhou para o Castelo de São Jorge durante cinco minutos, afastando-se, de seguida, em direcção à Rua Augusta; a mulher segurava na mão um cravo cor-de-rosa com ténues manchas brancas.

Dois e dois são quatro, caríssimos, dois e dois são quatro...

posted by camponesa pragmática on 12:15


quinta-feira, março 11, 2004  

UN TERRORISTA: ÉL OBSERVA

La bomba explotará en el bar a las trece veinte.
Ahora apenas son las trece y dieciséis.
Algunos todavía tendrán tiempo de salir.
Otros de entrar.
El terrorista ya se ha situado al otro lado de la calle.
Esa distancia lo protege de cualquier mal
y se ve como en el cine:
Una mujer con una cazadora amarilla: ella entra.
Un hombre con unas gafas oscuras: él sale.
Unos chicos con vaqueros: ellos están hablando.
Trece diecisiete y cuatro segundos.
Ese más abajo tiene suerte y sube a una moto,
y ese más alto entra.
Trece diecisiete y cuarenta segundos.
Una niña: ella va andando con una cinta verde en el pelo.
Sólo que de repente ese autobús la tapa.
Trece dieciocho.
Ya no está la niña.
Habrá sido tan tonta como para entrar, o no,
eso ya se verá cuando vayan sacando.
Trece diecinueve.
Y ahora como que no entra nadie.
En vez de entrar aún hay un gordo calvo que sale.
Pero parece que busca algo en sus bolsillos y
a las trece veinte menos diez segundos
vuelve a buscar sus miserables guantes.
Son las trece veinte.
Qué lento pasa el tiempo.
Parece que ya.
Todavía no.
Sí, ahora.
Una bomba: la bomba explota.

Wislawa Szymborska


posted by cristina on 13:24


 

Pieter Jansz Saenredam
The Interior of the Buurkerk at Utrecht
1644 | oil on oak | 60 cm x 50 cm

posted by camponesa pragmática on 00:25


quarta-feira, março 10, 2004  

Há tanto silêncio no mundo

O homem morto baixa do cadafalso. Segura a ensanguentada cabeça debaixo do braço.
As macieiras estão em flor. Ele segue o seu caminho até à taberna da vila e ninguém despega o olho. Ali, senta-se a uma das mesas e pede duas cervejas, uma para ele e outra para a cabeça. A minha mãe esfrega as mãos no avental e serve-o.
Há tanto silêncio no mundo. Até se pode ouvir o velho rio, que na sua confusão às vezes se esquece e corre para a fonte*.


Chama a um cão Rimbaud e a outro Hölderlin. Ambos mestiços. «A vida inexplorada não vale a pena vivê-la», é o seu lema favorito. A sua esposa parece a Liberty meio-despida de Delacroix. Ela leva botas de cowboy e recolhe cogumelos de aspecto venenoso no bosque. Esta noite acenderão longas velas e beberão vinho. Depois abrirão a porta para que os cães entrem e comam as sobras debaixo da mesa. «Entrez mes enfants!» gritar-lhes-à ele na noite, fazendo uma profunda reverência.


«Todos sabem o que nos sucedeu, a mim e ao dr. Freud», diz o meu avô.
«Gostávamos do mesmo par de sapatos negros, no escaparate da mesma sapataria. Desgraçadamente, a loja estava empre fechada. Havia um aviso: MORTE DE FAMILIAR ou VOLTAMOS DEPOIS DO ALMOÇO mas não importa quanto se esperava, ninguém vinha abrir».
«Uma vez surpreendi o Dr. Freud num piropo desrespeitoso diante dos sapatos. Entreolhámo-nos enfadados antes de cada um seguir o seu próprio caminho, para nunca mais nos cruzarmos».


três histórias de Charles Simic traduzidas por António Cabrita e publicadas na revista Construções Portuárias #1

_______________
* Escutada hoje à tarde na antena 2.
Os Separadeiros passam três vezes ao dia, um de manhã outro à tarde e outro à noite, num esquema flutuante. No dia seguinte repetem em ordem inversa e no terceiro dia na combinação que falta (ABC, BCA e CBA). Seis por semana, começam ao domingo e repetem em bloco no final do programa da manhã de Sábado.Isto é o esquema a que não faltam as excepções. A leitura é de Edite Sombreireiro e, esporadicamente, de Humberto Boto.


posted by cristina on 22:09


 

A Fly in the Soup

When did you first feel what Pound called "the impulse" to write?
Charles Simic: When I noticed in high school that one of my friends was attracting the best-looking girls by writing them sappy love poems.

The Cortland Review #4


You wanted to be "unclaimed?"
Charles Simic: At the airport, just like a suitcase. You come there and you see this bag that has been sitting there two hours and no one has picked it up.

Artful Dodge

posted by cristina on 22:04


 

O medo, o que é?

Foi a imagem do Joseph Beuys. Impressionou-me vê-lo ao alcance do coiote. Fiquei a pensar no medo, toda a tarde. Lembrei-me dos lugares comuns: os pesadelos, as trovoadas, as ondas gigantes, o homem do saco. E depois percebi que para além de tudo isso que existe fora de nós e nos assusta também temos medo de nós próprios, do que podemos vir a ser. O estranho é que é na mesma o medo do outro. Aquele que viremos a ser é outro diferente do que somos agora. Já está escuro, vou para casa.

posted by cristina on 19:10


 

Porto, 18h40






posted by cristina on 18:53


 

pensar é agir

Eu era de facto obrigado a descobrir alguma coisa que fizesse efeito, mais precisamente alguma coisa que nada tivesse de barulhento, quer dizer que não fosse dramática nem desenfreada, mas qualquer coisa simples como encher os cantos de gordura. E quando apliquei as primeiras manchas de gordura nos cantos (da sala)— às vezes, eram deste tamanho— as pessoas começaram imediatamente a berrar(...) Sim, pois bem, desculpem, mas tive apesar de tudo muita sorte, ou então fui realmente esperto ou realmente perspicaz. Eu tinha mais ou menos previsto que aqueles cantos cheios de gordura provocariam, suscitariam qualquer coisa, percebem e o certo é que funcionou. Então eu não disse: olha, um canto feito de gordura! Mas continuei logo, tentei explicar o porquê daqueles cantos cheios de gordura, dos cantos em geral e das outras acções com gordura, porque é que aqui não era num canto, porque é que ali havia simplesmente um bocado de gordura, porque é que ali tinha trabalhado com calor, porque é que a gordura escorre, porque é que aqui há um canto de sala cheio de gordura. Depois repus tudo no seu contexto e, acto contínuo, afirmei: é isto a verdadeira política, a alternativa ao marxismo. O que pôs as pessoas ainda mais furiosas e então a discussão atingiu o seu ponto máximo
Joseph Beuys, Volker Harlan, “Qu’est-ce que l’art?, L’Arche, Paris, 1992.



posted by zazie on 17:04


 

Hubble Ultra Deep Field

A Nasa exibe, numa notícia de ontem, a fotografia do mais distante e antigo universo alguma vez visto pelos homens.



Em Astronomia, olhar para longe é olhar para o passado. Estas galáxias, cerca de 10000 segundo a Nasa, terão sido as primeiras a emergir do caos inicial que se seguiu ao Big Bang, quando o universo contava apenas 400 milhões de anos e começava a ordenar-se.

Muito a sério, tirem alguns minutos para ler o artigo inteiro. Vejam os gráficos do Hubble também. Leiam e vejam tudo. E pensem nisto. Não são só galáxias distantes, não é só o tempo, não é só um telescópio. Isto somos nós.



Não resisti e voltei para editar o post. Este gráfico tem que estar aqui:



Não é extraordinário? Existe, por acaso, algo mais assombroso que tomar consciência do universo?

posted by camponesa pragmática on 12:50


 

I like America and America likes Me

Em 1974 Beuys desloca-se aos EUA e realiza uma performance na Galeria René Block em Nova Iorque. Embrulhado em feltro, é transportado de ambulância por um grupo de amigos até à galeria onde passa vários dias numa sala, na companhia de um coiote.


posted by zazie on 02:02


terça-feira, março 09, 2004  

view from satellite

ADEOS II




ARIANE 4 R/B




FALCONSAT




FASAT-B




IRIDIUM 14


posted by camponesa pragmática on 20:37


 
Adensa-se o cerco das folhas novas. As minhas árvores não permanecerão nuas por muito tempo.


© www.kobotica.com


posted by camponesa pragmática on 14:28


 

posted by Lídia on 13:35


 

Fado da Sina

Do nosso correspondente em Coimbra:

É arrepiante a interpretação de Camané do Fado da Sina na gravação na Travessa do Embuçado, no disco ao vivo "Como Sempre Como Dantes". Uma interpretação quente e dorida, que vive das pausas, dos murmúrios, de frases que são mais ditas que cantadas.  E dia 11 de Março, como será no Teatro Gil Vicente, em Coimbra?

Reza-te a sina
Nas linhas traçadas
Na palma da mão
Que duas vidas
Se encontram cruzadas
No teu coração
Sinal de amargura
De dor e tortura
De esperança perdida
Indício marcado
De amor destroçado
Na linha da vida.

E mais te reza
Na linha do amor
Que terás de sofrer
O desencanto
Ou breve dispor
De uma outra mulher
Já que a má sorte
Assim quis
A tua sina te diz
Que até morrer
Terás de ser
Sempre infeliz.

Não podes fugir
Ao negro fado brutal
Ao teu destino fatal
Que uma má estrela domina
Tu podes mentir
Às leis do teu coração
Mas ai, quer queiras, quer não
Tens de cumprir a tua sina.

Cruzando a estrada
Da linha da vida
Traçada na mão
Tens uma cruz
Paixão mal contida
no teu coração
Amor que em segredo
Nasceu quase a medo
Para teu sofrimento
Tens sempre esta imagem
A grata miragem
Do teu pensamento.

E mais ainda
Te reza o destino
Que tens de amargar
Que tua estrela
De brilho divino
Deixou de brilhar
Estrela que Deus te marcou
Mas que tão pouco brilhou
E cuja luz
Aos pés da cruz
Já se apagou.

Não podes fugir
Ao negro fado brutal
Ao teu destino fatal
Que uma má estrela domina
Tu podes mentir
Às leis do teu coração
Mas ai, quer queiras, quer não
Tens de cumprir a tua sina.

(Amadeu do Vale/Jaime Mendes)

Março 2004: Dia 11 Coimbra, Teatro Gil Vicente, 22h00 | Dia 12 Faro, Teatro Lethes, 21h30 | Dia 16 Évora, Teatro Garcia de Resende, 22h00 | Dia 26 Porto,Teatro Sá da Bandeira, 22h | Dia 31 Lisboa, Teatro São Luiz, 21h00 | Abril 2004: Dia 1 Lisboa, Teatro São Luiz, 21h00




posted by cristina on 13:31


 

Agenda



Equinócio de Primavera
20 de Março | 06:49

+ no Público

posted by camponesa pragmática on 12:16


 

Paul F. Berdanier | The Rivals

posted by camponesa pragmática on 11:42


 

Direitos Humanos e Sociedade Cibernética

Maria José Stock e Jorge Adriano Carlos - html | pdf

posted by camponesa pragmática on 09:41


 


"Maigret Eclipsou Simenon e a Sua Obra", por Isabel Braga, a ler no Público.

Fiquei com saudades de ter 13 e 14 anos e de passar horas a ler os casos do senhor que eclipsou Simenon.

posted by camponesa pragmática on 09:07


 

Gustave Courbet


Manifeste du réalisme
Les vrais artistes sont ceux qui prennent l’époque juste au point où elle a été amenée par les temps antérieurs. Rétrograder, c’est ne rien faire, c’est agir en pure perte, c’est n’avoir ni compris ni mis à profit l’enseignement du passé. Ainsi s’explique que les écoles archaïques de toutes sortes se réduisent toujours aux plus inutiles compilations. Je tiens aussi que la peinture est un art essentiellement concret et ne peut consister que dans la représentation des choses réelles et existantes. C’est une langue toute physique, qui se compose, pour mots, de tous les objets visibles. Un objet abstrait, non visible, non existant, n’est pas du domaine de la peinture. L’imagination dans l’art consiste à savoir trouver l’expression la plus complète d’une chose existante, mais jamais à supposer ou à créer cette chose même.(1857)

posted by zazie on 01:22


 

Obrigatório Não Ver #3

[com os devidos agradecimentos à avó vitoriana e ao homem invisível:]

Era uma vez duas serpentes que não gostavam uma da outra. Um dia encontraram-se num caminho muito estreito e como não gostavam uma da outra devoraram-se mutuamente. Quando cada uma devorou a outra não ficou nada. Esta história tradicional demonstra que se deve amar o próximo ou então ter muito cuidado com o que se come.

Ana Hatherly

posted by cristina on 00:23


segunda-feira, março 08, 2004  

Pistas Falsas



Telefonaram-nos do Brasil dizendo que Kafka foi visto ontem na Casa do Sol em más companhias. Ao mesmo tempo, uma fonte insegura afirmava a pés juntos que Kafka está na Europa e marcou hoje mesmo um encontro com Milena Jesenská. «Também eu estarei no sábado em Gmünd», terá escrito o escritor.
As provas estão aí de facto mas ambas me parecem falsas (bom, digamos que o borrão na carta me parece plausível, mas não sei se isso chega).
A única certeza é que Kafka continua desaparecido.

posted by Reporter on 22:02


 

Obrigatório Não Ver #2

Estamos aqui. Interrogamos símbolos persistentes.
É a hora do infinito desacerto-acerto.
[...]

Ana Hatherly

posted by cristina on 21:12


 

"Obrigatório Não Ver".

hoje às 23: 10 horas, no canal a dois, POR OUTRO LADO, com Ana Hatherly.

posted by Lídia on 21:11


 

Confirma-se


Fotografia de Filippa Lidholm

Lhasa vem a Portugal para quatro concertos. A boa notícia é o Luís que a dá.

Para ouvir: Para el fin del mundo o el año nuevo

posted by cristina on 14:17


 

As plantas de Lucien Freud

«My mother said that my first word was “alleine” which means alone. Leave me alone.» Lucian Freud


Two plants | 1977-80


Large Interior W.11 (after Watteau) | 1981-83

posted by cristina on 13:25


domingo, março 07, 2004  

Shakespeare

Shakespeare criou o mundo em sete dias.

No primeiro dia fez o céu, as montanhas e os abismos da alma.
No segundo dia fez os rios, os mares, os oceanos
E os restantes sentimentos —
Que deu a Hamlet, a Júlio César, a António, a Cleópatra, e a Ofélia,
A Otelo e a outros,
Para que fossem seus donos, eles e os seus descendentes,
Pelos séculos dos séculos.
No terceiro dia juntou todos os homens
E ensinou-lhes os sabores:
O sabor do ciúme, da glória e assim por diante,
Até esgotar todos os sabores.

Por esse tempo chegaram também uns indivíduos
Que se tinham atrasado.
O criador afagou-lhes compassivo a cabeça,
E disse que só lhes restava
Tornarem-se críticos literários
E contestarem a sua obra.
O quarto e o quinto dia reservou-os para o riso.
Soltou os palhaços
Para darem cambalhotas,
E deixou os reis, os imperadores
E outros desgraçados divertirem-se.
Ao sexto dia resolveu alguns problemas administrativos:
Forjou uma tempestade,
E ensinou ao rei Lear
O modo de usar uma coroa de palha.
Com os restos da criação do mundo
Fez o Ricardo III.
Ao sétimo dia viu se havia algo mais a fazer.
Os directores de teatro já tinham coberto a terra de cartazes,
E Shakespeare concluiu que depois de tanto esforço
Também ele merecia assistir ao espectáculo.
Mas antes disso, esfalfado de todo,
Foi morrer um pouco.

Marin Sorescu, "Simetria"
Tradução colectiva revista, completada e apresentada por Egipto Gonçalves
Poetas em Mateus, Quetzal
Copiado de "a poesia vai acabar", escolha de Rui Manuel Amaral



posted by cristina on 19:42


 

Alguns recados breves

1. Ontem nas Ilhas («Este espectáculo não pretende nem poderia ser a reconstrução de uma ilha. Não é um documentário. Não temos gato, não temos tanque de lavar a roupa, não temos periquitos nem criancinhas. Não temos granito, nem sabemos ainda se vai chover»), o senhor Fernando, carpinteiro com queda para os ditos desencontrados dizia assim: bonito, bonito… é o granito. A peça é muito engraçada e o recado está dado.

2. Lídia, “Les triplettes de Belleville” estreia no dia 25 de Março nos cinemas Cidade do Porto.

3. Aviso de recepção: Luís (página 104) a rosa (página 119) chegou e é magnífica.

4. O Ofício de Viver, de Cesare Pavese merecia outra capa.

5. Fui ver o Esplendor Americano e depois segui o link. Estou pronta a criar um lobby para forçar a exibição dos filmes de Errol Morris. Que achas Alexandra, telefonamos para o Passos Manuel? Quero ver "The Fog of War".

6. "Cartas de um sedutor" é primeiro livro da Hilda Hilst editado em Portugal (pela Campo das Letras). Seguir-se-à, ainda este ano, "A obscena senhora D".

posted by cristina on 19:27


 

sob escuta

Sunday morning, praise the dawning
It's just a restless feeling by my side
Early dawning, Sunday morning
It's just the wasted years so close behind

Watch out, the world's behind you
There's always someone around you who will call
It's nothing at all
[...]

Sunday morning, The Velvet Underground classic, released as an extra track on the 12 inch of Since Yesterday (Strawberry Switchblade).


posted by cristina on 10:32


 
Feedback by blogBack This page is powered by Blogger.