Quem somos?

Ana Alves
António Rebelo
Cristina M. Fernandes
Lídia Pereira
Luís Rei
Marta Almeida
Paulo Azevedo
Zazie

Colaborador de estimação

Repórter Lírico

Nadador-salvador

Henri Michaux

Desaparecido

Escrivão Bartleby


janela_indiscreta@hotmail.com

on-line

 
Arquivos
<< current





Pesquisar os arquivos da Janela:


[pesquisa disponibilizada pelo serviço FreeFind]

 

SALA DE EXPOSIÇÕES

Boogie Woogie



SALA DE LEITURA

a poesia vai acabar



HÁ UM TRAÇO AZUL

IF no ar

um som profundo do Outono

IF (8 abril 2004)

IF (verão 2004)



O NOSSO CORRESPONDENTE
EM COIMBRA


innersmile



ACTUALIDADES

Frescos



BLOGS CÁ DE CASA

A aba de Heisenberg

¦a¦barriga¦de¦um¦arquitecto¦

Abrupto

A Causa foi modificada

A Corneta

Adufe

A formiga de langton

A Espuma dos Dias

A Lâmpada Mágica

Almocreve das Petas

A memória inventada

A Montanha Mágica

A Natureza do Mal

António Reis

aoeste

A Oeste Nada de Novo

Apenas um pouco tarde

A Praia

avatares de um desejo

Aviz

Barnabé

Beco das Imagens

Bisturi

Blasfémias

Blog de Esquerda

Blogue dos Marretas

Borras de Café

Campo de Afectos

chafarica iconoclasta

cócegas na língua

Conta Natura

Contra a Corrente

Conversas de Café

Crítico

Crónicas da Terra

Cruzes Canhoto

daily dose of imagery by Sam Javanrough

desassossegada

Dias com árvores

Don Vivo

Dragoscópio

Driving Miss Daisy

Engrenagem

Epicentro

Epiderme

Errância

Espigas Reloaded

esplanar

flux+mutability

Fora do Mundo

Ford Mustang

freira dadaísta

Fumaças

Gávea

Glória Fácil

Grande Loja do Queijo Limiano

Guil

Hipatia

Húmus

Indústrias Culturais

Íntima Fracção

Juramento sem Bandeira

Kafka Sumiu em Belo Horizonte?

laranja amarga

Leitura Partilhada

little black spot

MacJete

martaverissimo.net

Mar Salgado

Modus Vivendi

¦Murmúrios do Silêncio¦

Não esperem nada de mim

No Arame

Nocturno 76

Notícias do cais

Oceanos

O céu ou las vegas

O céu sobre Lisboa

O Cheiro a Torradas pela Manhã

O Farol das Artes

O Gato Fedorento

O Intermitente

Os Espelhos Velados

OzOnO

Palavras da Tribo

Pastilhas

Percepções do meu olhar...

Pessoas de Romance

Planeta Reboque

Prazer Inculto

Quartzo, Feldspato & Mica

quase em português

rainsong

Reflexos de Azul Eléctrico

Retorta

roda livre

Ruialme

Seta Despedida

saudades de antero

Silencio

Sous les pavés, la plage!

Tempo Dual

Textos de Contracapa

Thelma & Louise

There's Only 1 Alice

Timewatching

tomara que caia

torneiras de freud

triciclofeliz

um mundo imaginado

Vermelhar

UmbigoNiilista

UmblogsobreKleist

universos desfeitos

Vidro Azul

Vila Dianteira

Viver todos os dias cansa

Voz do Deserto

Welcome to Elsinore

What do you represent

100nada



GONE WITH THE WIND

A Coluna Infame

Alfacinha

Bicho Escala Estantes

Caim & Abel

Desejo Casar

Dicionário do Diabo

Espigas ao Vento

Flor de Obsessão

intrusos

Kafka Sumiu em Belo Horizonte

Lérias...

My Moleskine

O Companheiro Secreto

Outro, eu

O tal Canal

Pintainho


Janela Indiscreta
 
segunda-feira, maio 31, 2004  

Aula de Geografia #13

Com oito anos, aspirava ainda ser acolhido como uma planta.

posted by Henri on 21:13


 

Grande Herbário de Sombras



Lourdes Castro, Grande Herbário de Sombras(1972), Exposição no Museu do Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão, FCG,2003.

posted by zazie on 14:45


 

Encontro com as sombras

Começava a nevar em Pennabilli e eu detinha o olhar na neve que caía sobre as amendoeiras, em redor da casa, quando me chegou o Grand Herbier d' Ombres. É um livro com as sombras de muitas ervas do campo, da pintora Lourdes Castro, grande artista portuguesa que reproduz sombras de pessoas ou de outras formas de vida. Olhava eu, assim, os bordados da neve e logo depois as páginas do livro.
Num determinado momento, no branco do vale, vi manchas escuras que subiam da minha memória. Eram as sombras que passavam pelo tecto do meu quarto no dia do regresso da prisão, na Alemanha, e eu, naqueles reflexos, procurava reconhecer os meus conterrâneos. Depois vi o vale, além da janela, atravessado pela grande sombra do obelisco da Praça de S. Pedro, num dia de Agosto, quando Roma me apareceu deserta. E no entanto, os turistas estavam à fresca, na sombra daquele obelisco se apinhavam.
De repente, pensei nos belos dias de Agosto com Andrei Tarkovski quando trabalhávamos no filme Nostalgia, em Bagno Vignoni. A pequena aldeia toscana tem, na praça, um lago de água quente criando nuvens de vapor que enevoam, qual mundo medieval. É nestas águas que Catarina de Siena banhava seu corpo e as palavras de sua oração. Uma manhã entrámos na pequena igreja, na margem da rua que contorna o grande lago. Sentámo-nos sobre um banco de madeira para gozar aquele silêncio abandonado. Descobrimos que o feixe de luz matutina proveniente de uma janela alta estampava sobre a parede interior, junto de nós, uma pequena planta selvática crescida sobre o terriço trazido pelo vento, sob o pequeno vitral. Uma sarça de sombras incertas que se tornava decoração naquele reboco gessoso e humilde. Eu e Andrei permanecemos por algum tempo contemplando estas imagens trémulas que nos traziam reflexões profundas. A um certo ponto pareceu-nos sentir no ar um perfume de menta. Levantámo-nos de imediato para descobrir aquela imagem sobre o muro e perceber se a fragrância vinha daquela sombra. Assim era.
É por isso que agora aproximei do nariz as sombras de Lourdes Castro que possuem uma presença viva e misteriosa capaz de fazer crescer mágicos pensamentos a quem os olha.

Tonino Guerra, tradução de Mario Rui de Oliveira, A Phala #97
© Assírio & Alvim

posted by cristina on 10:00


 


«Feito na Ilha da Madeira, durante o verão de 1972, o Grande Herbário de Sombras contém cerca de 100 espécies botânicas diferentes. Lembrando-me das minhas primeiras sombras projectadas de objectos - feitas em 1962 directamente sobre a seda de serigrafia com luz de mercúrio - e tendo à minha volta uma tal variedade de plantas, árvores, ervas, frutos e flores, comecei a fixar as suas sombras sobre papel heliográfico directamente ao sol... Mas sobretudo gosto de plantas, sempre vivi com elas, cuidei delas e vi-as crescer

Lourdes Castro, 1973

posted by cristina on 09:58


 

Lourdes Castro:


Sombra | s/d


Teatro de sombras, as cinco estações |1976

posted by cristina on 09:51


domingo, maio 30, 2004  

metrosideros excelsa

As flores dos metrosideros excelsa da Avenida Brasil começaram a desabrochar. São formadas por numerosos filamentos de um vermelho escuro magnífico que acabam num pequeno ponto amarelo. É bonito o modo como esses fios se desembrulham. Ao longe parecem plantas marinhas.



posted by cristina on 22:30


 

Paul Klee, Engel voller Hoffnung. 1939.


"A arte não reproduz o visível, mas torna-o visível. A essência do desenho seduz-nos facilmente, e com razão, para o abstracto. O aspecto esquemático e fantástico da imaginação é um dado adquirido que, ao mesmo tempo, se expressa com grande exactidão. Quanto mais puro é o desenho, isto é, quanto maior é a importância atribuída à forma que está na base da representação gráfica, tanto mais deficiente é o suporte para a representação realista dos objectos visíveis."

Paul Klee, Confissão de um criador, 1920

posted by Lídia on 21:09


 

Sob escuta



Amanhã estará à venda o novo álbum "Uh Huh Her" da queen do rock, claro, Polly Jean Harvey. No entanto, todas as faixas podem ser ouvidas neste site dinamarquês. pick luisterpaal no menu.



posted by Lídia on 21:02


 

and now for something completely different...

Haverá algum entendido em metafísica de pequenos nadas capaz de me explicar porque motivo o meu relógio deixou de funcionar?
E já mudei a pilha...
E recuso-me a admitir que esta pequena maravilha única da Diesel em formato de algema cor de lacre com dobradiças metalizadas tenha ido à vida!!!
Grrrrrrrrrrrrr!!!

posted by zazie on 20:07


 
the link between profound and pain / covers you like Sherwin Williams

posted by cristina on 17:05


 

Lenda do Nilo, de Paul Klee





posted by cristina on 15:02


 

Aula de Geografia #12 (com a participação especial de um certo Plume)

Um homem pacífico

Estendendo as mãos para fora da cama, Plume admirou-se de não encontrar a parede. «Ora esta», pensou ele, «se calhar as formigas comeram-na...», e tornou a adormecer.
Pouco depois, a mulher agarrou-o e sacudiu-o: «Olha, madraço», disse ela, «enquanto estavas para aí a dormir, roubaram-nos a nossa casa.» Com efeito, um céu intacto espraiava-se por todos os lados. «Bem, o que está feito, está feito», pensou ele.
Pouco depois, ouviu-se um barulho. Era um comboio que se abeirava deles a toda a brida. «Com tanta pressa», pensou ele, «há-de chegar com certeza antes de nós», e tornou a adormecer.
Depois, o frio despertou-o. Estava alagado em sangue. Alguns pedaços da sua mulher jaziam perto dele. «Com o sangue», pensou ele, «surgem sempre imensos contratempos; se aquele comboio não tivesse passado eu seria muito feliz. Mas, uma vez que já passou...», e tornou a adormecer.
- Vamos lá a ver, - disse o juiz - como é que o senhor explica o facto de a sua mulher ter sido ferida ao ponto de a terem encontrado dividida em oito pedaços, sem que o senhor, que estava ao seu lado, pudesse fazer um gesto para impedir o sucedido, sem sequer se ter apercebido. Eis o mistério. Está aí o cerne da questão.
«A esse respeito não o posso ajudar», pensou Plume, e voltou a adormecer.
- A execução fica marcada para amanhã. Acusado, tem alguma coisa a acrecentar?
- Desculpe - disse ele. - Não estive a par do assunto.
E tornou a adormecer.

posted by Henri on 10:26


 

sob visionamento

Angel Face de Otto Preminger.









posted by zazie on 03:15


sábado, maio 29, 2004  

Michaux diz a trajectória, Klee pinta a flecha


Paul Klee | Jardins da Tunísia | Aguarela | 1919

[...]

Parece-me que Klee inspirou constantemente a pintura de Henri Michaux; de forma nenhuma na aparência, nas coisas que em geral constituem as afinidades, mas no caminhar invisível. Essa mesma inspiração existe em Plume.
Michaux encontra Klee, a obra de Klee, em 1925. «Extrema surpresa». Klee já pintara alguns dos seus mais belos quadros, alguns dos seus mais belos guaches. As cenas de teatro e ballet, os portões de mesquita, os jardins, as lagunas, os carnavais, as comédias de pássaros, os ventos de fogo, as árvores com números, as demónias, as flores, os peixes, os quadrados, as rendas, as fachadas de vidro, as cidades submersas, os lugares de eleição. Ab Ovo, A Montanha do Gato Sagrado, O Recurso Vocal da Cantora Rosa Silber, A Máquina de Chilrear, O Pregoeiro no Pântano, Lomolarm. Fora da Alemanha, porém, só é obra conhecida por coleccionadores, pintores, fauves ou cubistas que em Munique tomaram parte nas exposições do Cavaleiro Azul (Braque, Picasso, Derain, Vlaminck, Gleizes...) e, é bem verdade, por alguns escritores curiosos ou pacientes como Fargue, Bousquet, Arland, Paulhan. No entanto, nesse mesmo ano Klee participa na primeira exposição colectiva do grupo surrealista na galeria Pierre em Paris. Paul Éluard dedica-lhe um poema. Depois volta a fazer-se silêncio. Ao passo que Ernest e Chirico - que Michaux também cita - são divulgados graças às galerias e às revistas de vanguarda.

Aos olhos de Michaux, Klee confirma que a poesia e talvez a verdade estão na metamorfose (uma parte da alma modifica-se, outra é posta a dormir): Michaux diz a trajectória, Klee pinta a flecha. As infinitas fragmentações - espaços esburacados, estilhaços de tempo, pedaços do ser, poeiras - dão conta da totalidade do espaço, do tempo, da consciência, sem perder nada do seu poder de fuga, de extravio, de conjuração, de multiplicação, de nostalgia. A vida e o sinal são uma só coisa. Aqui, o nosso habitat, o labirinto onde imprudentemente, desastradamente o instalámos; lá, uma colecção de sinais. E sem parar, de uns para os outros, um desequilibrio: casa, habitantes, perspectivas - e este olho ou este astro, o nosso olhar.
Poder-se-ia imaginar que um dia Michaux e Klee combinaram dar uma caminhada paralela: seriam Mes Proprietés e Plume - as folhas coloridas.

(Mais secreta, talvez exista outra base comum, «base de necessidades»: a música. Em 1921, e sem qualquer dúvida antes disso, Rainer Maria Rilke reconheceu no desenho de Klee uma transcrição musical. Numa carta ao crítico Hausenstein, escreve: «... Não posso assistir sem uma espécie de arrepio a esta conivência das artes feita nas costas da pintura: como se um dia tivéssemos de sofrer um assalto dessas regiões e ficar pavorosamente desfalcados». Michaux sente isto à sua maneira: Só temos, diz ele, que deixar chegar, deixar actuar. Toda a arte tem a sua tentação própria, e as suas ofertas.)

Relacionando Plume com o Belga (ou «Dinamarquês»), ou Charlot admiti uma personagem que aliás é complexa mas talvez lhe tenha dado mais coesão e, de qualquer modo, mais coerência do que ela própria possui. Não se deveria, pelo contrário, descentrá-la, afastá-la de si própria?
Plume é uma mancha de tinta, um eriçamento, uma nebulosa. Às vezes, porém, concentra-se, atinge qualquer coisa que é, nele, essencial. De maneira nenhuma aquilo que o cerca. Talvez antes uma forma, uma significação menos incerta do que as outras.
... Longe do centro, mas ainda assim um centro, um centro menos evidente.. Deste modo se exprime Michaux quando fala de Klee.

Excerto de "Plume e os anjos" de René Micha incluido na edição "Um certo Plume" da Hiena

posted by cristina on 15:07


 

Escândalo!

Vejam bem, os Escuteiros de Sintra, Grupo 93, andam a vender isto nas ruas:



Por um eoro (duzentos escodos). O mondo está perdido! A língua portoguesa já viu melhores dias!

posted by camponesa pragmática on 15:01


 


Soares Branco


posted by camponesa pragmática on 11:55


 

Sob escuta

Eu nao sou da sua rua,
Eu não sou o seu vizinho.
Eu moro muito longe, sozinho.

Estou aqui de passagem.

Eu não sou da sua rua,
Eu não falo a sua língua,
Minha vida é diferente da sua.

Estou aqui de passagem.
Esse mundo não é meu,
Esse mundo não é seu.

Branco Mello / Arnaldo Antunes



posted by camponesa pragmática on 02:39


 

Edward Hopper, Night Shadows , 1921, Philadelphia Museum of Art.

A partir de 1915 Hopper dedica-se à gravura onde aproveita para se afastar do pendor narrativo da influência de John Sloan, aproximando-se do ambiente da pintura metafísica de De Chirico.

Giorgio de Chirico,Mistério e Melancolia de uma Rua, 1914.

posted by zazie on 01:55


 
livros e o luar contra a cultura

> Budapeste - Chico Buarque

[Dom Quixote, Fevereiro de 2004]

Gostei de «Estorvo», gostei menos de «Benjamim» e, se o autor fosse outro, talvez tivesse agora ignorado «Budapeste». Mas, tratando-se de Chico Buarque, como passar ao lado de um livro novo sem, pelo menos, abrir e folhear? Foi o que fiz e, depois de alguns minutos de leitura, compreendi que não sairia da livraria sem «Budapeste» e que gostaria mais deste livro do que dos outros dois.

«Budapeste» conta a história de José Costa, que ganha a vida a escrever artigos, discursos e biografias que outros assinam e que, no regresso de um congresso de escritores anónimos na Austrália, passa uma noite em Budapeste e se apaixona pela língua húngara, apesar de não entender nada e porque não entende nada. Será, não muito mais tarde, Zsoze Kósta, dividido entre Budapeste e o Rio de Janeiro, entre Vanda e Kriska, que lhe ensina do húngaro todas as palavras excepto a mais humilhante, o que não o impedirá de se tornar escritor anónimo também na Hungria.

José Costa é anárquico, orgulhoso, caótico e indolente (por exemplo, na noite em que pensa ter ficado cego, depois de um breve pânico, resolve dormir, que já é às escuras, e preocupar-se a sério com isso no dia seguinte). A história angustia, provoca o riso, nunca pára, ouve-se e prende. Genial toda a sequência da passagem de ano no Rio de Janeiro, que começa com José e o filho, Joaquinzinho, em casa, na incerteza da chegada de Vanda, atravessando o deserto do Saara, um dos momentos mais dramáticos, intensos e belos do livro, um desespero em espiral e crescendo dentro da música.

Eu pensava que ia gostar mais deste livro do que dos outros, mas não foi só isso que aconteceu. «Budapeste» não habita o mesmo mundo de «Estorvo» e de «Benjamim». É um mundo, outro mundo. É muito bom. Quando comecei a aproximar-me do fim, comecei a ficar nervosa e a adivinhar uma adaptação penosa às horas depois da última página. Em livros assim apetece morar e eu queria ter mais uns dois ou três como este para ler. Da próxima vez que sair um livro de Chico Buarque, não vou folheá-lo porque é de Chico Buarque, vou lê-lo porque é do mesmo escritor que assina «Budapeste».


posted by camponesa pragmática on 00:11


sexta-feira, maio 28, 2004  

Sob escuta



"Sarah Vaughan doesn't sing Mancini here; she owns him."


posted by camponesa pragmática on 23:50


 
Ícone

Cada lado de Deus tem a sua sombra
iluminando a morte: a luz só pousa
levemente em seus ombros:
entre a luz e a rosa,
sobre a sombra
e a sombra

José Augusto Seabra

posted by Lídia on 21:47


 

À atenção da Ana

Magnum lança revista dedicada à fotografia documental


A agência de fotografia Magnum vai lançar uma nova revista semestral bilingue (francês e inglês) chamada "M" dedicada "à fotografia documental". O novo título, com um preço de capa de 14 euros, vai ser lançada em França no início do próximo mês (...)

Intitulado "reencontros improváveis", o primeiro número, com uma tiragem de 3500 examplares, confronta ensaios fotográficos de quatro autores da Magnum: a exploração de um "loft" sadomasoquista, por Susan Meiselas; os doentes de um asilo psiquiátrico de Taiwan, por Chien-Chi Chang; os jovens sem-abrigo de Los Angeles, por Jim Goldberg; e a classe média britânica, por Martin Parr.

posted by António Rebelo on 17:30


 

A obra de Henri Michaux

Lamentamos informar que mais uma vez Henri Michaux não vai estar presente na Feira do Livro do Porto e por isso mesmo não vai dar autógrafos. Informamos também que possivelmente as únicas obras de Michaux presentes no Pavilhão são a (magnífica, já agora) "Antologia", traduzida por Margarida Vale de Gato e editada pela Relógio d' Água e "Ideogramas na China", editada pela Cotovia.

No entanto a editora que recebe o prémio de persistência neste autor é a Fenda que tem nada mais nada menos que quatro livros traduzidos e editados. Podem procurar nas livrarias (creio que à semelhança do ano passado a Fenda não está representada na Feira do Livro do Porto): "Um Bárbaro na Ásia", "Equador", "As Minhas Propriedades" e "O Retiro pelo Risco". Convém ler tudo.

Há ainda: "Um certo Plume", editado em Junho de 1992 pela Hiena (não sei se ainda está disponível ou não; se houvesse bom senso, claro que tinha esgotado em Julho); "No País da Magia" (Hiena); "Estou a Escrever-te de Um País Distante" (Hiena, esgotado); "Nós Dois Ainda" (& etc, esgotado).
 
Espero receber muitos mails a dar conta dos imperdoáveis esquecimentos e talvez quem saiba acabar por descobrir que afinal a obra de Michaux está toda editada em Portugal, eu é que estava distraída. Nesse caso sujeito-me ao castigo e começo a aprender chinês.

posted by cristina on 13:22


 

Reedições para breve

Informação proveniente de algumas conversas na Feira do Livro de Lisboa.
- O homem sem qualidades, Robert Musil, Livros do Brasil: não só vai ser reeditado, como revisto (uns parágrafos repetidos serão eliminados e passarão a ser 2 volumes).
- Michael Koolhaas, Heinrich von Kleist, Antígona: deverá sair, em princípio, a meio de Julho. (ouviste, Cristina?)

posted by picatostes on 12:57


 

"um café e Harold Pinter", por favor

De manhã ainda apanhei um pedaço da conversa de Jorge Silva Melo na antena 2. Fiquei com vontade de ver a história do miúdo que levantou o braço e não mais o pousou (um dia destes na Culturgest, em Lisboa). E depois ouvi este bocado de "O Amante" de Harold Pinter. Tão sucinto e tão bom:

- O que é que tomas?
- Somos casados há dez anos.

Logo tenho de ir ao stand da Relógio d'Água...


posted by cristina on 11:35


 

Cinema fora do sítio

Todas as sessões ao ar livre têm entrada livre e começam às 22h30


12 Junho - concha acústica do Palácio de Cristal

"Eusébio, a Pantera Negra", de Juan de Orduña (Portugal e Espanha, 1974)

13 Junho - Praça da Batalha

"Fintar o Destino", de Fernando Vendrell (Portugal e Cabo Verde, 1998)

19 Junho - Museu Militar

"A Máquina 2001", de Barry Skolnick (E.U.A. e Reino Unido, 2001)

20 Junho - Via Catarina

"Na Maior", de Mark Herman (Reino Unido, 2000)

26 Junho - Largo dos Grilos

"Joga como Beckham", de Gurinder Chadha (Reino Unido, Alemanha, 2002)

27 Junho - Museu da Indústria

"Há festa na aldeia", de Jacques Tati (França, 1947)

3 Julho - Forte de S. João Da Foz

"A Raiz do Coração", de Paulo Rocha (Portugal, 2000)

4 Julho - Conservatório de Música

"Estranhos Prazeres", de Kathryn Bigelow (E.U.A., 1995)

10 Julho - Largo Artur Arcos (Miragaia)

"Casamento Debaixo de Chuva", de Mira Nair (Índia, E.U.A., França e Itália, 2001)

11 Julho - Casa das Artes

"Gato Preto Gato Branco", de Emir Kusturica (França, 1998)


em:http://jornal.publico.pt/2004/05/28/LocalPorto/LP10.html

posted by Lídia on 11:25


 

Highway and Byways, de Paul Klee


posted by cristina on 08:27


quinta-feira, maio 27, 2004  
Neste momeno sereno,
à beira-mar,
um rosto de inimaginável caos surge.


Como alguém perdido em todos os
caminhos de ontem alguma vez
trilhados,
agora todos os sonhos transitórios
chegam ao fim.
Todos os desenhos de areia traçados
pelo vento amanhecer
recuaram até ao imaculado papel
branco do vazio.

Aqui qualquer coisa,
anterior à fonte sem começo da criação
pode ser sentida.


em "folhas caem, um novo rebento / falling leaves, a shooting sprout" de Hôgen Yamahata, Assírio & Alvim.



posted by Lídia on 23:36


 

Aula de Geografia #11

Eu antigamente era muito nervoso. Eis-me num novo caminho.
Meto uma maçã em cima da mesa. Depois meto-me dentro dessa maçã. Que tranquilidade!
Parece simples. No entanto, há já vinte anos que o tentava e não o teria conseguido, em querendo começar por aí. Porquê? Julgar-me-ia talvez humilhado, dado o seu pequeno tamanho e a sua vida opaca e lenta. É possível. Os pensamentos da camada inferior são raramente belos.
Por isso, comecei de outro modo e uni-me ao Escaut.
O Escaut, em Anvers, onde o encontrei, é grande e imponente e gera uma grande corrente. Apanha os navios de alto bordo que se apresentam. É um rio, dos verdadeiros.
Decidi tornar-me um com ele. Permanecia no cais todas as horas do dia. Mas dispersava-me em várias considerações inúteis.
E além disso, sem querer, olhava para as mulheres de tempos a tempos, e isso é coisa que um rio não permite, nem uma maçã, nem nada na natureza.
O Escaut, portanto, e mil sensações. Que fazer? De repende, tendo renunciado a tudo, achei-me... não diria no seu lugar, porque, para falar verdade, nunca se tratou disso. Ele corre incessantemente (aí está uma grande dificuldade) e desliza para a Holanda onde encontrará o mar à altitude zero.
Regresso à maçã. Aí, mais uma vez, houve tentativas, experiências; é uma longa história. Partir não é muito cómodo, e explicá-lo muito menos.
Mas posso dizer-vos numa palavra. Sofrer é a palavra.
Quando cheguei à maçã, estava gelado.

posted by Henri on 21:28


 

Porque é que o corpo não é um espelho da nossa alma?





Não é dos filmes mais conhecidos de David Lynch, digamos que ainda não tem a imagem de marca do realizador; não há símbolos ou enigmas para desvender, nem orelhas cortadas ou caixas azuis, e os anões que aparecem estão dentro do contexto, são apenas anões estravagantes de circo.
É uma história insólita realizada de forma clássica, lógica e sequencial, uma espécie de relatório clínico.

Filmado num rigoroso preto e branco, com actores exemplares, "O homem elefante" conta a triste história de Joseph Merrick, um homem que nasceu com o corpo deformado e foi andando de feira em feira, explorado por homens que exibiam a sua anormalidade de forma sórdida. Até que um dia um médico resolve aproximar-se de Merrick. Pretende estudar o seu caso e devolver-lhe a dignidade que ele merece. Compra-o e leva-o para o hospital. Tenta mostrar à sociedade que John Merrick não é um animal mas sim um homem. Juntos vão lutar contra a estupidez, a repulsa e os preconceitos. Mas é uma luta em vão. Merrick sofre então como nunca sofreu antes, este homem que tem um corpo que não corresponde à sua sensibilidade, este homem que é humano, tão profundamente humano.

É um dos meus filmes preferidos de Lynch. Gosto da sua austeridade formal e da forma como Merrick transborda de humanidade e de dor. Tocante e comovente.

O homem elefante de David Lynch no arte às 19h45 (repete de 7 de Junho às 23h15)

posted by cristina on 13:35


quarta-feira, maio 26, 2004  


Hieronymus Bosch; Jardim das Delícias, (detalhe)

O mundo às avessas e a corrupção pelo jogo. Pode observar-se um tabuleiro do jogo de trictrac. O jogo de azar era muito comum no século XIV, igualmente conhecido por quaecspel ; tafelspel ou drinquet em na Holanda. O tabuleiro possuía cores alternadas, era eleita uma delas e, de seguida, lançavam-se os dados apostando-se em qual das cores viriam a cair. Se os dados ficavam somente na metade dos espaços de cor, dizia-se drinken (beber ou água) e eram invalidados. Estas jogatinas acabavam muitas vezes em homicídios porque se faziam falcatruas como golpear o tabuleiro para viciar o jogo. Supõe-se que seja equivalente ao jogo castelhano da jaldeta, mencionado em época coeva, entre outros, por Harcipreste de Hita no Libro do Buen Amor.

(ver: Govert Westerveld, La reina Isabel la Católica: su reflejo en la dama poderosa de Valencia, cuna del ajedrez moderno y origen del juego de damas, Generalitat Valenciana, 2004.)


posted by zazie on 23:22


 

Sherlock - o regresso a um vício.

Há dias, num computador antigo, numa pasta chamada "ficheiros antigos" que tinha outras pastas antigas que tinham outras pastas antigas descobri o Sherlock. Esse computador, além de velho, sofreu algumas catástrofes provocadas por mim: Sherlock, quem diria?, de cachimbo impecável, resistiu a todas. Fiquei mesmo nostálgica. Sherlock foi um dos meus grandes vícios nos últimos meses de faculdade. Fiz rapidamente um atalho, sob pena de não conseguir encontrar o caminho de regresso quando quisesse jogar outra vez. O jogo continua a ter os mesmos encantos lógicos:

- painel:



- pistas:





- objectivo:



- pianinho.

Demo para download aqui. Acaba-se depressa. Ainda bem.

posted by camponesa pragmática on 21:55


 

As cores do Sabor

Até ao passado fim de semana não sabia nada sobre o Rio Sabor além das informações disponibilizadas pelo excelente e muito informativo site da Plataforma Sabor Livre, formada por um conjunto de organizações que se opõem à prevista construção de uma barragem naquele rio.

Já sabia assim que se tratava de "um dos últimos rios não represados e provavelmente aquele que se encontra mais próximo do estado natural em Portugal?. Mas não estava à espera de ver o que vi: o vale do Sabor é certamente um dos locais mais bonitos onde já estive.



O rio propriamente dito é lindíssimo (pelo menos o troço cuja descida em kayak se empreendeu, e que se estende por cerca de 15 Km a jusante da ponte de Remondes - um dos múltiplos pontos de interesse deste vale que ficará submerso com a construção da barragem). As águas são límpidas, às vezes calmas, às vezes furiosas, e as margens ora apresentam uma cerradíssima vegetação ora são delimitadas por formações rochosas de uma beleza estranha e selvagem.

Se o rio é bonito, o vale circundante não o é menos; um dos caminhos pedestres que fizemos serpenteia pela encosta abaixo, atravessando uma paisagem invariavelmente majestosa, imensamente tranquila, cores e aromas sucedendo-se sem dar descanso aos sentidos, até chegar a uma pequena praia fluvial onde o banho no rio é a única opção lógica depois da caminhada ao sol.



Infelizmente, tudo isto está ameaçado pela provável construção da dita barragem. Sendo quase completamente ignorante nestas matérias, a argumentação dos que se opõem a esta construção afigura-se, aos meus olhos leigos, rigorosa e bem fundamentada; por seu lado, os argumentos a favor da barragem parecem derivar todos de uma difusa e mal amanhada ideia de "desenvolvimento", que parece ignorar que o aproveitamento do enorme potencial (nomeadamente turístico) deste vale seriam provavelmente mais indutores de verdadeiro desenvolvimento - do sustentável, do que explora os recursos naturais sem os destruir - do que qualquer barragem.

Não se trata apenas de ameaçar a riqueza ecológica do vale; trata-se de uma opção que se afigura de facto irracional, numa altura em que actividades como o turismo de aventura ganham cada vez mais adeptos. Se há sítio admiravelmente talhado para estas actividades, o vale do Sabor é certamente um deles. Eis aqui uma excepcional oportunidade para promover o desenvolvimento de uma região em cumplicidade com a natureza (o que é muitas vezes difícil, como se sabe) e não parece haver vontade política de a aproveitar.

É pena. Pela minha parte, tenciono lá voltar antes que seja tarde. Mais do que uma visita, o sítio pede uma estadia prolongada para que nele nos percamos.



(Uma palavra final para os companheiros galegos também presentes, e que prepararam no final da actividade uma Queimada galega, bebida que desconhecia e da qual me tornei adepto; é feita, se bem em lembro, com aguardente, açucar, grãos de café e limão. Leva-se ao lume, e depois de quente, emborca-se. É uma bomba!)

posted by António Rebelo on 19:08


 

Os quadros da minha mãe

Os quadros da minha mãe, Clotilde Vautier, são o que me resta dela, um traço da sua vida, dos seus gestos, do seu pensamento. Representam também uma metáfora do segredo. Foram escondidos ao mesmo tempo que as circunstâncias da sua morte.

História de um segredo de Mariana Otero, às 19h30 no cinema Nun' Álvares

posted by cristina on 13:35


 

rue de l'Ange, 36

Para que conste: Henri Eugène Marie Ghislain Michaux nasceu no dia 24 de Maio de 1899 na casa dos seus pais, rue de l'Ange, 36 em Namur na Bélgica.

posted by cristina on 13:30


 

ontem em Serralves


Jackson Pollock |Mural | 1943 | óleo em Tela | The University of Iowa Museum of Art

A sala estava à pinha para ouvir António Damásio. Ele falou com a clareza que lhe é habitual. Falou sobre Guernica de Picasso e sobre este Mural de Jackson Pollock.

O quadro foi pintado para a casa de Peggy Guggenheim. É uma tela grande com quase sete metros de comprimento. Quando Peggy se mudou para Veneza ofereceu o "Mural" à Universidade de Iowa, que é onde ele está agora.

António Damásio vive a cinco minutos do quadro e muitas vezes à hora do almoço vai ao museu, senta-se no banco em frente, olha-o e de cada vez vê coisas diferentes, sempre fascinado pelo ritmo e pela música que transbordam da tela e fascinado também pelo próprio Pollock que como ele disse, citando John Berger, "poderia ter falado mas preferiu ficar mudo".

Nota: o ciclo de cinema russo ainda não tem programa mas a magnolia grandiflora já está em flor




posted by cristina on 13:15


 

Devo então eu desistir de mim?

Foi a primeira frase que me ficou nos ouvidos "Devo então eu desistir de mim mesmo?", pergunta Sósia quando encontra Mercúrio, disfarçado de si mesmo, à porta do Palacio de Anfitrião, na segunda cena do primeiro acto. E dizer disfarce é dizer pouco porque se trata de uma apropriação. O deus grego roubou a verdadeira " essência" de Sósia.

Apesar de se apresentar como uma "comédia ao jeito de Molière", Anfitrião de Heinrich von Kleist empurra-nos para uma zona muito escura onde as personagens ficam desorientadas e já não sabem bem quem são. O riso acaba muitas vezes num esgar, ou deveria. Por trás de um jogo de escondidas cruel no qual os deuses se divertem a seu bel prazer e nós os humanos nos damos conta da nossa pequenez e das nossas incertezas, é tudo sombrio.

E foi por isso que não gostei quanto queria; havia cores a mais, luz a mais. Teria preferido uma cenografia diferente, mais escura; os actores iluminados por archotes, velas ou lanternas. Queria ver as sombras nos seus rostos. Assim seria o meu Anfitrião, na penumbra, pronto a desistir, apesar do final aparentemente feliz, ou por causa dele. Um outro Anfitrião.

"Ah! ", exclama Alcmena no fim da peça.

posted by cristina on 11:29


 

Edward Hopper, Two Comedians, 1965

Pintado dois anos antes da sua morte. De acordo com testemunho de Jo, sua mulher, representava o casal despedindo-se, como duas figuras de pantomina.

posted by zazie on 01:25


terça-feira, maio 25, 2004  

Espelho no espelho



I could compare my music to white light which contains all colours. Only a prism can divide the colours and make them appear; this prism could be the spirit of the listener.

Arvo Pärt

posted by cristina on 19:17


 

Aula de Geografia #10

A educação dos arrepios não é bem feita neste país. Ignoramos as verdadeiras regras e, quando tal sucede, somos apanhados desprevenidos.
É o tempo, certo (Será igual ao vosso?). Seria preciso chegar mais cedo do que ele, percebe o que quero dizer, só um poucochinho mais cedo. Conhece a história da pulga na gaveta? Sim, claro. E é tão verdade, não é? Já não sei o que dizer. Quando é que finalmente nos vamos ver?

posted by Henri on 13:38


segunda-feira, maio 24, 2004  

Aula de Geografia #9


posted by Henri on 19:23


domingo, maio 23, 2004  

Aula de Geografia #8

Há muito, muito tempo, confidencia-lhe ela, que nos debatemos com o mar.
Das raras vezes que está azul, doce, dir-se-ia contente. Mas isso não pode durar. De resto, o seu cheiro confirma-o, um cheiro a podre (se não é a sua amargura).
Devia agora explicar-lhe a história das vagas. É terrivelmente complicado, e o mar... Peço-lhe que tenha confiança em mim. Acha que eu queria enganá-lo? Não é só uma palavra. Não é só um receio. Existe, juro-lhe; vemo-lo constantemente.
Quem? Nós, como lhe digo, nós vemo-lo. Vem de muito longe para nos humilhar e nos assustar.
Quando cá vier, há-de vê-lo com os seus olhos, há-de ficar muito espantado, «Ora esta!», dirá, porque ele deixa-nos estupefactos.
Havemos de vê-lo junto. Tenho a certeza que nessa altura não terei medo. Diga-me, nunca mais há-de chegar essa altura?

posted by Henri on 20:08


 

and now for something completely different...

a tradição já não é o que era...
Já nem há príncipes como antigamente nem verdadeiros combates para se obter a mão de uma princesa...



posted by zazie on 15:31


 

uma semana depois

[...]

Tonino Guerra: Who do you feel sympathy towards?

Andrei Tarkovsky: Mostly towards the protagonist, towards the Stalker. In a certain sense I am convinced that there is something within me that connects me to him. I would like to help him in some way, to defend him. Let's say that for me he is like a brother. A lost brother, perhaps, but a brother nevertheless. In any case, I feel, in a heart-rending manner, his moments of conflict with the world that so easily wounds him. I feel that his psychological make-up, his approach and reaction to reality, are similar to my own. So much so that, despite being an outlaw, he is much more cultured, educated, and intelligent, in the film, than the writer or the scientist, who nevertheless, as characters, express the very idea of intelligence, science, education. From the very beginning I had the urge to make a bookshelf stuffed full of books appear, suddenly, in the film. And it appears in the film's finale, in a scenography that is entirely inappropriate for such an object. I would like to have such a bookshelf in my home. I've never had such a bookshelf. And I would like to have it in the same disorder in which the Stalker keeps his.



posted by cristina on 15:24


 

Em vez de criar, passeia

1. Aquilo que escrevo, talvez seja um conto de fadas

2. Presentemente cumprimento uma rapariga

3. Na verdade não devia escrever sobre ela

Três fragmentos inéditos de Robert Walser publicados na revista Ler #62, (Primavera 2004). Onze páginas imprescindíveis.

posted by cristina on 15:11


 

le cinema filme la mort au travail

Le cinema est le seul art qui, suivant la phrase de Cocteau (dans Orphée, je crois), «filme la mort au travail». La personne qu'on filme est en train de vieillir et mourra. On filme donc un moment de la mort au travail. La peinture est immobile; le cinema est intéressant, car il saisit la vie et le côté mortel de la vie.

Jean-Luc Godard, entrevistado pelos Cahiers du Cinéma #138, dezembro de 1962 (número especial dedicado à Nouvelle Vague)

posted by cristina on 15:06


 


Jeff Wall | A Sudden Gust of Wind (after Hokusai) | 1993




posted by cristina on 15:01


sábado, maio 22, 2004  

Les Parapluies de Cherbourg

" Les Parapluies c'est un film contre la guerre, contre l'absence, contre tout ce qu'on déteste et qui brise un bonheur."

" Les Parapluies, ce n'est pas un opéra, ni une comédie musicale, ni une opérette. Ce sont des dialogues chantés, la musique soutenant le texte et réciproquement. Tous les mots sont audibles, sans jamais forcer le lyrisme des voix, et la musique, par conséquent, expose des thèmes simples et, pourquoi pas, populaires et généreux. Cela n'a rien à voir avec West Side Story, par exemple, bien que j'ai dû employer la technique du play-back. On n'y danse jamais, mais on y chante tout le temps. C'est un film-jazz " en-chanté " plus exactement ".


Jacques Demy






C'est terminé!
Je n'aime pas l'opéra, le ciné c'est mieux
tous ces gens qui chantent moi, tu comprends, ça me fait mal, j'aime mieux le ciné...







J'avais tellement peur de ne pas te trouver
je suis serieuse de avec toi
maintenant je rire parce-que je me raconte
combien je suis bete comme je suis toute seule
j'ai parle avec maman de notre marriage
elle m'a evidenemnt traite de folle
elle puis ce soir elle m'a interdit de te voir
tu comprends, j'ai eu si peur
J'aime mieux partir de oportune ne plus revoir maman
que tu de port
nous nous mariront en cachette
oh tu sais maintenant s'en ne plus de importance
nous avons meme de notre temps
ce matin j'ai recu et des feuilles de route
et je dois partir pour des armes
alors le marriage on de parlera plus tard
avec ce qui se passe a Algerie a ce moment
je ne reviendra pas d'ici longtemps
Mais je ne pourrai jamais vivre sans toi
Je ne pourrai pas, ne pars pas, j'en mourrai
Je te cacherai et je te garderai
mai mon amour me ne quittez pas
Tu sais bien que c'est ne pas possible
(je ne te quitterai pas)
mon amour il faudra pourtant que je partes
tu sonra que moi je n'en pensai que toi
mais je sais que toi tu m'e attendra
2 ans 2 ans de notre vie
ne pleurre pas je t'en supplis
2 ans non je ne pourrais pas
calme toi et nous reste si peux de temps
ce peux de temps mon amour qu il ne faut ne pas gacher
il faut que essayer notre feuille
il faut que nous gardions de nous dernier moment
un souvenir en peut de tous
un souvenir qui nous rappelera dans la vie
j'ai tellement peur comme je suis seule
ne nous retrouveront en nous se ronde femme
tu connaitrera d'autre femme et m'oubliras
je t'aimerais jusque a le fin de ma vie
Guilles je t'aime, me ne quittez pas
Mon amour.... me ne laissez pas
Viens, viens, mon amour, mon amour




Non, je ne pourrai jamais vivre sans toi,
Je ne pourrai pas, ne pars pas, j'en mourrai!
Un instant sans toi et je n'existe pas,
Mais mon amour, ne me quitte pas.
Mon amour, je t'attendrai toute ma vie,
Reste près de moi, reviens, je t'en supplie!
J'ai besoin de toi, je veux vivre pour toi,
Oh, mon amour, ne me quitte pas.
Ils se sont séparés sur le quai d'une gare.
Ils se sont éloignés dans un dernier regard.
Oh, je t'aime! ? ne me quitte pas.
Non, je ne pourrai jamais vivre sans toi,
Je ne pourrai pas, ne pars pas, j'en mourrai!
Un instant sans toi et je n'existe pas,
Mais mon amour, ne me quitte pas.
Mon amour, je t'attendrai toute ma vie,
Reste près de moi, reviens, je t'en supplie!
J'ai besoin de toi, je veux vivre pour toi,
Oh, mon amour, ne me quitte pas.






L'absence



C'est drôle l'absence. Il me semble que Guy est parti depuis des années...Quand je regarde cette photo, j'oublie jusqu'à son visage...Et quand je pense à lui, c'est cette photo que je vois...



La belle au bois dormant



- Alors il faut tout de suite choisir un roi et faire un voeu.
- Je n'ai pas le choix, vous êtes mon roi...

Vous ressemblez, mademoiselle, à cette vierge à l'enfant que j'ai vu à Anvers.







Le retour








final

Il est joli cet arbre, c'est toi qui l'a décoré ?
Non c'est ma femme, enfin c'est surtout pour le gosse

Je crois que tu peux partir.
Toi, tout va bien ?
Oui, très bien.




posted by zazie on 21:54


 
Feedback by blogBack This page is powered by Blogger.