Quem somos?

Ana Alves
António Rebelo
Cristina M. Fernandes
Lídia Pereira
Luís Rei
Marta Almeida
Paulo Azevedo
Zazie

Colaborador de estimação

Repórter Lírico

Nadador-salvador

Henri Michaux

Desaparecido

Escrivão Bartleby


janela_indiscreta@hotmail.com

on-line

 
Arquivos
<< current





Pesquisar os arquivos da Janela:


[pesquisa disponibilizada pelo serviço FreeFind]

 

SALA DE EXPOSIÇÕES

Boogie Woogie



SALA DE LEITURA

a poesia vai acabar



HÁ UM TRAÇO AZUL

IF no ar

um som profundo do Outono

IF (8 abril 2004)

IF (verão 2004)



O NOSSO CORRESPONDENTE
EM COIMBRA


innersmile



ACTUALIDADES

Frescos



BLOGS CÁ DE CASA

A aba de Heisenberg

¦a¦barriga¦de¦um¦arquitecto¦

Abrupto

A Causa foi modificada

A Corneta

Adufe

A formiga de langton

A Espuma dos Dias

A Lâmpada Mágica

Almocreve das Petas

A memória inventada

A Montanha Mágica

A Natureza do Mal

António Reis

aoeste

A Oeste Nada de Novo

Apenas um pouco tarde

A Praia

avatares de um desejo

Aviz

Barnabé

Beco das Imagens

Bisturi

Blasfémias

Blog de Esquerda

Blogue dos Marretas

Borras de Café

Campo de Afectos

chafarica iconoclasta

cócegas na língua

Conta Natura

Contra a Corrente

Conversas de Café

Crítico

Crónicas da Terra

Cruzes Canhoto

daily dose of imagery by Sam Javanrough

desassossegada

Dias com árvores

Don Vivo

Dragoscópio

Driving Miss Daisy

Engrenagem

Epicentro

Epiderme

Errância

Espigas Reloaded

esplanar

flux+mutability

Fora do Mundo

Ford Mustang

freira dadaísta

Fumaças

Gávea

Glória Fácil

Grande Loja do Queijo Limiano

Guil

Hipatia

Húmus

Indústrias Culturais

Íntima Fracção

Juramento sem Bandeira

Kafka Sumiu em Belo Horizonte?

laranja amarga

Leitura Partilhada

little black spot

MacJete

martaverissimo.net

Mar Salgado

Modus Vivendi

¦Murmúrios do Silêncio¦

Não esperem nada de mim

No Arame

Nocturno 76

Notícias do cais

Oceanos

O céu ou las vegas

O céu sobre Lisboa

O Cheiro a Torradas pela Manhã

O Farol das Artes

O Gato Fedorento

O Intermitente

Os Espelhos Velados

OzOnO

Palavras da Tribo

Pastilhas

Percepções do meu olhar...

Pessoas de Romance

Planeta Reboque

Prazer Inculto

Quartzo, Feldspato & Mica

quase em português

rainsong

Reflexos de Azul Eléctrico

Retorta

roda livre

Ruialme

Seta Despedida

saudades de antero

Silencio

Sous les pavés, la plage!

Tempo Dual

Textos de Contracapa

Thelma & Louise

There's Only 1 Alice

Timewatching

tomara que caia

torneiras de freud

triciclofeliz

um mundo imaginado

Vermelhar

UmbigoNiilista

UmblogsobreKleist

universos desfeitos

Vidro Azul

Vila Dianteira

Viver todos os dias cansa

Voz do Deserto

Welcome to Elsinore

What do you represent

100nada



GONE WITH THE WIND

A Coluna Infame

Alfacinha

Bicho Escala Estantes

Caim & Abel

Desejo Casar

Dicionário do Diabo

Espigas ao Vento

Flor de Obsessão

intrusos

Kafka Sumiu em Belo Horizonte

Lérias...

My Moleskine

O Companheiro Secreto

Outro, eu

O tal Canal

Pintainho


Janela Indiscreta
 
sábado, maio 29, 2004  

Michaux diz a trajectória, Klee pinta a flecha


Paul Klee | Jardins da Tunísia | Aguarela | 1919

[...]

Parece-me que Klee inspirou constantemente a pintura de Henri Michaux; de forma nenhuma na aparência, nas coisas que em geral constituem as afinidades, mas no caminhar invisível. Essa mesma inspiração existe em Plume.
Michaux encontra Klee, a obra de Klee, em 1925. «Extrema surpresa». Klee já pintara alguns dos seus mais belos quadros, alguns dos seus mais belos guaches. As cenas de teatro e ballet, os portões de mesquita, os jardins, as lagunas, os carnavais, as comédias de pássaros, os ventos de fogo, as árvores com números, as demónias, as flores, os peixes, os quadrados, as rendas, as fachadas de vidro, as cidades submersas, os lugares de eleição. Ab Ovo, A Montanha do Gato Sagrado, O Recurso Vocal da Cantora Rosa Silber, A Máquina de Chilrear, O Pregoeiro no Pântano, Lomolarm. Fora da Alemanha, porém, só é obra conhecida por coleccionadores, pintores, fauves ou cubistas que em Munique tomaram parte nas exposições do Cavaleiro Azul (Braque, Picasso, Derain, Vlaminck, Gleizes...) e, é bem verdade, por alguns escritores curiosos ou pacientes como Fargue, Bousquet, Arland, Paulhan. No entanto, nesse mesmo ano Klee participa na primeira exposição colectiva do grupo surrealista na galeria Pierre em Paris. Paul Éluard dedica-lhe um poema. Depois volta a fazer-se silêncio. Ao passo que Ernest e Chirico - que Michaux também cita - são divulgados graças às galerias e às revistas de vanguarda.

Aos olhos de Michaux, Klee confirma que a poesia e talvez a verdade estão na metamorfose (uma parte da alma modifica-se, outra é posta a dormir): Michaux diz a trajectória, Klee pinta a flecha. As infinitas fragmentações - espaços esburacados, estilhaços de tempo, pedaços do ser, poeiras - dão conta da totalidade do espaço, do tempo, da consciência, sem perder nada do seu poder de fuga, de extravio, de conjuração, de multiplicação, de nostalgia. A vida e o sinal são uma só coisa. Aqui, o nosso habitat, o labirinto onde imprudentemente, desastradamente o instalámos; lá, uma colecção de sinais. E sem parar, de uns para os outros, um desequilibrio: casa, habitantes, perspectivas - e este olho ou este astro, o nosso olhar.
Poder-se-ia imaginar que um dia Michaux e Klee combinaram dar uma caminhada paralela: seriam Mes Proprietés e Plume - as folhas coloridas.

(Mais secreta, talvez exista outra base comum, «base de necessidades»: a música. Em 1921, e sem qualquer dúvida antes disso, Rainer Maria Rilke reconheceu no desenho de Klee uma transcrição musical. Numa carta ao crítico Hausenstein, escreve: «... Não posso assistir sem uma espécie de arrepio a esta conivência das artes feita nas costas da pintura: como se um dia tivéssemos de sofrer um assalto dessas regiões e ficar pavorosamente desfalcados». Michaux sente isto à sua maneira: Só temos, diz ele, que deixar chegar, deixar actuar. Toda a arte tem a sua tentação própria, e as suas ofertas.)

Relacionando Plume com o Belga (ou «Dinamarquês»), ou Charlot admiti uma personagem que aliás é complexa mas talvez lhe tenha dado mais coesão e, de qualquer modo, mais coerência do que ela própria possui. Não se deveria, pelo contrário, descentrá-la, afastá-la de si própria?
Plume é uma mancha de tinta, um eriçamento, uma nebulosa. Às vezes, porém, concentra-se, atinge qualquer coisa que é, nele, essencial. De maneira nenhuma aquilo que o cerca. Talvez antes uma forma, uma significação menos incerta do que as outras.
... Longe do centro, mas ainda assim um centro, um centro menos evidente.. Deste modo se exprime Michaux quando fala de Klee.

Excerto de "Plume e os anjos" de René Micha incluido na edição "Um certo Plume" da Hiena

posted by cristina on 15:07


 
Feedback by blogBack This page is powered by Blogger.