Quem somos?

Ana Alves
António Rebelo
Cristina M. Fernandes
Lídia Pereira
Luís Rei
Marta Almeida
Paulo Azevedo
Zazie

Colaborador de estimação

Repórter Lírico

Nadador-salvador

Henri Michaux

Desaparecido

Escrivão Bartleby


janela_indiscreta@hotmail.com

on-line

 
Arquivos
<< current





Pesquisar os arquivos da Janela:


[pesquisa disponibilizada pelo serviço FreeFind]

 

SALA DE EXPOSIÇÕES

Boogie Woogie



SALA DE LEITURA

a poesia vai acabar



HÁ UM TRAÇO AZUL

IF no ar

um som profundo do Outono

IF (8 abril 2004)

IF (verão 2004)



O NOSSO CORRESPONDENTE
EM COIMBRA


innersmile



ACTUALIDADES

Frescos



BLOGS CÁ DE CASA

A aba de Heisenberg

¦a¦barriga¦de¦um¦arquitecto¦

Abrupto

A Causa foi modificada

A Corneta

Adufe

A formiga de langton

A Espuma dos Dias

A Lâmpada Mágica

Almocreve das Petas

A memória inventada

A Montanha Mágica

A Natureza do Mal

António Reis

aoeste

A Oeste Nada de Novo

Apenas um pouco tarde

A Praia

avatares de um desejo

Aviz

Barnabé

Beco das Imagens

Bisturi

Blasfémias

Blog de Esquerda

Blogue dos Marretas

Borras de Café

Campo de Afectos

chafarica iconoclasta

cócegas na língua

Conta Natura

Contra a Corrente

Conversas de Café

Crítico

Crónicas da Terra

Cruzes Canhoto

daily dose of imagery by Sam Javanrough

desassossegada

Dias com árvores

Don Vivo

Dragoscópio

Driving Miss Daisy

Engrenagem

Epicentro

Epiderme

Errância

Espigas Reloaded

esplanar

flux+mutability

Fora do Mundo

Ford Mustang

freira dadaísta

Fumaças

Gávea

Glória Fácil

Grande Loja do Queijo Limiano

Guil

Hipatia

Húmus

Indústrias Culturais

Íntima Fracção

Juramento sem Bandeira

Kafka Sumiu em Belo Horizonte?

laranja amarga

Leitura Partilhada

little black spot

MacJete

martaverissimo.net

Mar Salgado

Modus Vivendi

¦Murmúrios do Silêncio¦

Não esperem nada de mim

No Arame

Nocturno 76

Notícias do cais

Oceanos

O céu ou las vegas

O céu sobre Lisboa

O Cheiro a Torradas pela Manhã

O Farol das Artes

O Gato Fedorento

O Intermitente

Os Espelhos Velados

OzOnO

Palavras da Tribo

Pastilhas

Percepções do meu olhar...

Pessoas de Romance

Planeta Reboque

Prazer Inculto

Quartzo, Feldspato & Mica

quase em português

rainsong

Reflexos de Azul Eléctrico

Retorta

roda livre

Ruialme

Seta Despedida

saudades de antero

Silencio

Sous les pavés, la plage!

Tempo Dual

Textos de Contracapa

Thelma & Louise

There's Only 1 Alice

Timewatching

tomara que caia

torneiras de freud

triciclofeliz

um mundo imaginado

Vermelhar

UmbigoNiilista

UmblogsobreKleist

universos desfeitos

Vidro Azul

Vila Dianteira

Viver todos os dias cansa

Voz do Deserto

Welcome to Elsinore

What do you represent

100nada



GONE WITH THE WIND

A Coluna Infame

Alfacinha

Bicho Escala Estantes

Caim & Abel

Desejo Casar

Dicionário do Diabo

Espigas ao Vento

Flor de Obsessão

intrusos

Kafka Sumiu em Belo Horizonte

Lérias...

My Moleskine

O Companheiro Secreto

Outro, eu

O tal Canal

Pintainho


Janela Indiscreta
 
quinta-feira, julho 29, 2004  

enfermaria de São João de Deus

Em Abril de 2001 o Hospital Psiquiátrico Conde Ferreira abriu as portas. A Lúcia Sigalho entrou e pôs-se a inventar jardins, jardins como eu nunca vi, jardins de flores, jardins de papéis, jardins fechados.

Lembro-me de António Gancho, o poeta múltiplo, numa pequena televisão. É um filme que anda por aí perdido. Gosto de filmes, do Charlot. O Charlot sou eu. Eu também gosto. Eu também sou. Eu sou Tu.

Visita a António Gancho, na Casa do Telhal | 2ª semana | (vídeo) | Narração de Lúcia Sigalho:

Porque o Alexandre já conhecia o trabalho dele e porque, na véspera de vir para o Porto, encontro o Daniel Oliveira - conta que o pai, o Herberto Helder, guardava os poemas ao Gancho no início de ele estar internado, nos anos sessenta. O Herberto Helder empresta-nos O Ar da Manhã, é um livro lindo de um grande poeta português. Marcamos a entrevista para uma quarta-feira, depois de pedir as autorizações todas à casa do Telhal. Vamos do Porto para Lisboa e de Lisboa, já com o Daniel, seguimos para perto de Mem Martins. É tudo aparentemente muito diferente do Conde de Ferreira, a construção é muito mais recente e há flores nos jardins que estão tratados. À porta mandam-nos seguir para a enfermaria de São João de Deus, um doente leva-nos ao bar e apresenta-nos ao António Gancho. A produtora da Companhia disse-me que ele tinha ficado muito contente com a ideia da entrevista mas nessa tarde já não se lembrava que nós lá íamos. Sentamo-nos numa mesa cá fora, à sombra, virados para uma estrada por onde passam camiões vários. Estamos a começar a conversar, o António quer saber pelo Daniel notícias do Herberto Helder, quando ouvimos gritos furiosos a avançarem na nossa direcção: era o director da Casa do Telhal, visvelmente alterado. Não tínhamos ido primeiro ter com ele, apresentar uma declaração da Sensurround, carimbada pela Companhia, em que nos comprometíamos a só filmar a entrevista e mais nada. O António Gancho fica enervadíssimo, ficamos todos. Desfaz-se o equívoco, pedimos desculpa, acalmamos todos, o director volta para trás pelo mesmo caminho. O António Gancho deve também assinar uma declaração. Não gosta. Estamos um bocado ansiosos e a conversa na primeira hora é feita à beira do colapso. Mas do que ele gosta é de perguntar ao Daniel pelo Herberto, e quando eu leio em voz alta a "Ilustrazione" , finalmente descontrai. "Ela percebe os meus poemas". É um bicho, um artista dos pés à cabeça. Estuda-nos as reacções, atira-nos frases como armas de arremesso. Tem os olhos muito azuis, uma maneira de rir como um gaiato e observa. Fala de muita gente que morreu. A Luísa Neto Jorge. O poema "Constelação Vega" é dedicado ao irmão dela. Passaram três horas, ele já bebeu um café e uma garrafa de água de litro e meio. Fala muito dos remédios, dos remédios. E dos electrochoques que levou. Os outros doentes interrompem, querem cigarros - os do António Gancho são Coronas, fuma um maço inteiro e abre o segundo, e vêm da Rua das Portas de Santo Antão - querem falar. Nós não somos da televisão. Ele conhecia o Camané e o Miguel Portas. Está ali desde 63. Vive ali. Sempre internado. Tinha 26 anos. Recebe uma pensão de 90 contos do Ministério da Cultura, tem medo de perder a pensão.Tem um walkman ligado no bolso do casaco e mostra-me três canetas. Convidamo-lo a vir ao Porto..Quando saímos, ele fica na lavandaria para pagar a conta da lavandaria (!), mas afinal vem apanhar-nos ao portão e fica a conversar a conversar. Gosto de filmes, do Charlot. O Charlot sou eu. Eu também gosto. Eu também sou. Eu sou Tu.

[Está tudo nos arquivos da Sensurround]




posted by cristina on 15:22


 
Feedback by blogBack This page is powered by Blogger.