Quem somos?

Ana Alves
António Rebelo
Cristina M. Fernandes
Lídia Pereira
Luís Rei
Marta Almeida
Paulo Azevedo
Zazie

Colaborador de estimação

Repórter Lírico

Nadador-salvador

Henri Michaux

Desaparecido

Escrivão Bartleby


janela_indiscreta@hotmail.com

on-line

 
Arquivos
<< current





Pesquisar os arquivos da Janela:


[pesquisa disponibilizada pelo serviço FreeFind]

 

SALA DE EXPOSIÇÕES

Boogie Woogie



SALA DE LEITURA

a poesia vai acabar



HÁ UM TRAÇO AZUL

IF no ar

um som profundo do Outono

IF (8 abril 2004)

IF (verão 2004)



O NOSSO CORRESPONDENTE
EM COIMBRA


innersmile



ACTUALIDADES

Frescos



BLOGS CÁ DE CASA

A aba de Heisenberg

¦a¦barriga¦de¦um¦arquitecto¦

Abrupto

A Causa foi modificada

A Corneta

Adufe

A formiga de langton

A Espuma dos Dias

A Lâmpada Mágica

Almocreve das Petas

A memória inventada

A Montanha Mágica

A Natureza do Mal

António Reis

aoeste

A Oeste Nada de Novo

Apenas um pouco tarde

A Praia

avatares de um desejo

Aviz

Barnabé

Beco das Imagens

Bisturi

Blasfémias

Blog de Esquerda

Blogue dos Marretas

Borras de Café

Campo de Afectos

chafarica iconoclasta

cócegas na língua

Conta Natura

Contra a Corrente

Conversas de Café

Crítico

Crónicas da Terra

Cruzes Canhoto

daily dose of imagery by Sam Javanrough

desassossegada

Dias com árvores

Don Vivo

Dragoscópio

Driving Miss Daisy

Engrenagem

Epicentro

Epiderme

Errância

Espigas Reloaded

esplanar

flux+mutability

Fora do Mundo

Ford Mustang

freira dadaísta

Fumaças

Gávea

Glória Fácil

Grande Loja do Queijo Limiano

Guil

Hipatia

Húmus

Indústrias Culturais

Íntima Fracção

Juramento sem Bandeira

Kafka Sumiu em Belo Horizonte?

laranja amarga

Leitura Partilhada

little black spot

MacJete

martaverissimo.net

Mar Salgado

Modus Vivendi

¦Murmúrios do Silêncio¦

Não esperem nada de mim

No Arame

Nocturno 76

Notícias do cais

Oceanos

O céu ou las vegas

O céu sobre Lisboa

O Cheiro a Torradas pela Manhã

O Farol das Artes

O Gato Fedorento

O Intermitente

Os Espelhos Velados

OzOnO

Palavras da Tribo

Pastilhas

Percepções do meu olhar...

Pessoas de Romance

Planeta Reboque

Prazer Inculto

Quartzo, Feldspato & Mica

quase em português

rainsong

Reflexos de Azul Eléctrico

Retorta

roda livre

Ruialme

Seta Despedida

saudades de antero

Silencio

Sous les pavés, la plage!

Tempo Dual

Textos de Contracapa

Thelma & Louise

There's Only 1 Alice

Timewatching

tomara que caia

torneiras de freud

triciclofeliz

um mundo imaginado

Vermelhar

UmbigoNiilista

UmblogsobreKleist

universos desfeitos

Vidro Azul

Vila Dianteira

Viver todos os dias cansa

Voz do Deserto

Welcome to Elsinore

What do you represent

100nada



GONE WITH THE WIND

A Coluna Infame

Alfacinha

Bicho Escala Estantes

Caim & Abel

Desejo Casar

Dicionário do Diabo

Espigas ao Vento

Flor de Obsessão

intrusos

Kafka Sumiu em Belo Horizonte

Lérias...

My Moleskine

O Companheiro Secreto

Outro, eu

O tal Canal

Pintainho


Janela Indiscreta
 
sábado, setembro 25, 2004  

Robert Desnos

Vida e obra | tábua cronológica*

1900
Nascimento de Robert Desnos a 4 de Julho, em Paris, no nº 32 do Boulevard Richard-Lenoir, no 11º Bairro. O meio familiar era o da pequena burguesia, com uma situação económica folgada. Seria educado no respeito da ordem e dos valores correlativos: trabalho, poupança, família, religião, pátria.

1902
Mudança da família para o 4º Bairro, na Rue Saint-Martin. O escritor evocará sempre com emoção esse bairro, as suas ruas, os seus homens de artes e ofícios.

1905
Ingresso numa escola laica, onde se sentirá feliz.

1910
Em Janeiro deste ano assiste à prisão de um tal Liabeuf, sapateiro e rufia condenado à morte pelo assassínio de um polícia e ferimentos em vários outros. Anarquistas e socialistas revolucionários manifestaram-se no dia da execução da sentença. Liabeuf morre a gritar "Viva a anarquia! Morte à bófia!"

1911
Com dez anos, faz a primeira comunhão.

1913
Entra numa escola comercial, mas as matérias de estudo desiludem-no. Em contrapartida, devora romances populares e bandas desenhadas e lê apaidonadamente Baudelaire e Victor Hugo.

1916
Contra a opinião do pai, abandona os estudos para se dedicar à literatura. Começa a conviver com escritores: Henri Jeanson, Armand Salacrou, Georges Limbour...

1918
Publica os primeiros artigos na revista de Henri Barbusse "La Tribune des Jeunes".
Em Novembro, fim da guerra. Desnos é chamado para o serviço militar apenas em Março de 1920.

1921
Primeiro encontro com André Breton, por intermédio de Benjamim Péret.
Em Maio embarca, como cabo, para Marrocos, de onde regressa, meses depois, com o posto de sargento.

1922 a 1924
Retorna à vida civil com a preocupação de recuperar o tempo perdido (por causa da tropa falhara, designadamente, grande parte da agitação do movimento Dada) e de "adquirir uma liberdade urgente que os meus pais me recusavam".
Integra o grupo da revista Littérature e faz a primeira experiência de escrita automática com Nouvelles Hébrides. Revela-se também um médium fora de série, capaz de comunicar, por exemplo, com Robespierre ou Victor Hugo.
O Manifesto de 1924 confirma o lugar de relevo que Desnos, por esta época, ocupava no movimento surrealista.
Colabora em vários jornais, fazendo crítica literária e cinematográfica. Em Julho de 1924 André Breton declara a Le Journal Littéraire que "o surrealismo está na ordem do dia e Desnos é o seu profeta".
Apaixona-se pela comediante belga Yvonne George e começa a fumar ópio.
Em Dezembro de 1924, aparecimento de Deuil pour Deuil, o seu primeiro livro publicado.

1927
É redactor do novo jornal de Eugène Merle, Paris-Matinal
Breton, Aragon, Péret e Éluard aderem ao Partido Comunista, não sendo seguidos por Desnos.
Publica La Liberté ou l'Amour!, que lhe valeu um processo por licenciosidade e anticlericalismo.

1928
Publica no Paris-Matinal Jack l'Eventreur, uma série de nove artigos, no período de 29 de janeiro a 7 de Fevereiro. No mesmo jornal publica também, entre 9 e 18 de Fevereiro, nova série de artigos sobre outro célebre criminosos sádico, este de nacionalidade francesa, Vacher l'Eventreur.
A 21 de Fevereiro parte para Cuba, a fim de assistir em Havana a um Congresso da Imprensa Latina. Aí se encontra com escritores com quem faz amizade (Miguel Angel Asturias, Corpus Braga, Alejo Carpentier), descobre a música cubana e frequenta os meios revolucionários da ilha, onde permanece cerca de quatro semanas. De regresso a Paris, traz com ele Alejo Carpentier, com quem virá a colaborar assiduamente.
Man Ray realiza o filme L'Étoile de Mer a partir de poema e script de Desnos.


Man Ray | L'Étoile de Mer

[continua]

_______

*Cronologia publicada na edição portuguesa de "Jack o Estripador", de Robert Desnos, da responsabilidade da & etc (Março de 2001). Não está assinada, por isso deduzo que seja da autoria ou dos editores ou do tradutor, Rui Caeiro.
© & etc


posted by cristina on 09:12


 
Feedback by blogBack This page is powered by Blogger.