Quem somos?

Ana Alves
António Rebelo
Cristina M. Fernandes
Lídia Pereira
Luís Rei
Marta Almeida
Paulo Azevedo
Zazie

Colaborador de estimação

Repórter Lírico

Nadador-salvador

Henri Michaux

Desaparecido

Escrivão Bartleby


janela_indiscreta@hotmail.com

on-line

 
Arquivos
<< current





Pesquisar os arquivos da Janela:


[pesquisa disponibilizada pelo serviço FreeFind]

 

SALA DE EXPOSIÇÕES

Boogie Woogie



SALA DE LEITURA

a poesia vai acabar



HÁ UM TRAÇO AZUL

IF no ar

um som profundo do Outono

IF (8 abril 2004)

IF (verão 2004)



O NOSSO CORRESPONDENTE
EM COIMBRA


innersmile



ACTUALIDADES

Frescos



BLOGS CÁ DE CASA

A aba de Heisenberg

¦a¦barriga¦de¦um¦arquitecto¦

Abrupto

A Causa foi modificada

A Corneta

Adufe

A formiga de langton

A Espuma dos Dias

A Lâmpada Mágica

Almocreve das Petas

A memória inventada

A Montanha Mágica

A Natureza do Mal

António Reis

aoeste

A Oeste Nada de Novo

Apenas um pouco tarde

A Praia

avatares de um desejo

Aviz

Barnabé

Beco das Imagens

Bisturi

Blasfémias

Blog de Esquerda

Blogue dos Marretas

Borras de Café

Campo de Afectos

chafarica iconoclasta

cócegas na língua

Conta Natura

Contra a Corrente

Conversas de Café

Crítico

Crónicas da Terra

Cruzes Canhoto

daily dose of imagery by Sam Javanrough

desassossegada

Dias com árvores

Don Vivo

Dragoscópio

Driving Miss Daisy

Engrenagem

Epicentro

Epiderme

Errância

Espigas Reloaded

esplanar

flux+mutability

Fora do Mundo

Ford Mustang

freira dadaísta

Fumaças

Gávea

Glória Fácil

Grande Loja do Queijo Limiano

Guil

Hipatia

Húmus

Indústrias Culturais

Íntima Fracção

Juramento sem Bandeira

Kafka Sumiu em Belo Horizonte?

laranja amarga

Leitura Partilhada

little black spot

MacJete

martaverissimo.net

Mar Salgado

Modus Vivendi

¦Murmúrios do Silêncio¦

Não esperem nada de mim

No Arame

Nocturno 76

Notícias do cais

Oceanos

O céu ou las vegas

O céu sobre Lisboa

O Cheiro a Torradas pela Manhã

O Farol das Artes

O Gato Fedorento

O Intermitente

Os Espelhos Velados

OzOnO

Palavras da Tribo

Pastilhas

Percepções do meu olhar...

Pessoas de Romance

Planeta Reboque

Prazer Inculto

Quartzo, Feldspato & Mica

quase em português

rainsong

Reflexos de Azul Eléctrico

Retorta

roda livre

Ruialme

Seta Despedida

saudades de antero

Silencio

Sous les pavés, la plage!

Tempo Dual

Textos de Contracapa

Thelma & Louise

There's Only 1 Alice

Timewatching

tomara que caia

torneiras de freud

triciclofeliz

um mundo imaginado

Vermelhar

UmbigoNiilista

UmblogsobreKleist

universos desfeitos

Vidro Azul

Vila Dianteira

Viver todos os dias cansa

Voz do Deserto

Welcome to Elsinore

What do you represent

100nada



GONE WITH THE WIND

A Coluna Infame

Alfacinha

Bicho Escala Estantes

Caim & Abel

Desejo Casar

Dicionário do Diabo

Espigas ao Vento

Flor de Obsessão

intrusos

Kafka Sumiu em Belo Horizonte

Lérias...

My Moleskine

O Companheiro Secreto

Outro, eu

O tal Canal

Pintainho


Janela Indiscreta
 
domingo, setembro 26, 2004  

Comer o Coração, em São Paulo




Fotografias de Laura Castro Caldas

Ferro, corpo e voz

Rui Chafes é escultor, mas não só. É um prazer coleccionar as suas palavras, desde os nomes que dá às peças que cria, a tudo aquilo que diz. No princípio do mês, o Mil |Folhas entrevistou-o a propósito da participação na Bienal de São Paulo , que arrancou ontem. Fiz alguns sublinhados, mas vale a pena ler tudo, tudo.

...
Eu queria que a Vera não fosse uma pessoa, mas sim uma parte da escultura. Na altura escrevi-lhe: "Quero desenhar o teu corpo como uma folha de papel e desmaterializá-lo."

...
Teria de ser algo contrário a uma prisão, a um objecto de tortura, o contrário de uma ferramenta. Teria de ser algo que tivesse que ver com a leveza. Tornou-se, então, evidente que eu não queria ver a Vera no chão. O trabalho da maior parte das dançarinas parte de uma relação com o solo, em que muitas vezes o voo ou a fugacidade do ponto é a sua linguagem. A Vera apareceu-me como um personagem que não podia tocar o chão e, imediatamente, propus-lhe que estivesse no ar, pendurada, não no sentido de suspensa, mas como se tivesse realmente a voar. Quis desenvolver uma ideia relacionada com as gravuras do séc. XIX de Odilon Redon: um céu sépia e um balão a voar, o balão como um olho divino que se eleva sobre o mundo.

... a escultura é uma encenação estática da morte, ao passo que a dança é uma luta contra a morte. No meu caso, as esculturas são uma luta contra a morte no sentido de serem uma luta contra a gravidade, o peso. Por isso é que muitas vezes não tocam no solo, ou, se o tocam, fazem-no de um modo fugaz, suspenso, elástico. A dança é uma luta contra a morte no sentido em que é um grito, mudo ou não, de um corpo que tenta elevar-se e movimentar-se, contrariando a horizontalidade, a gravidade, o peso e a imobilidade

...
Eu nunca penso na beleza. Penso em termos de equilíbrio, de falhanço, de fracasso. A beleza só faz sentido no momento em que chega a alguém, em si própria não faz sentido, é estéril.

...
Gosto de olhar o meu trabalho como se fosse uma espécie de sombra, como aquelas silhuetas negras que os românticos alemães faziam uns dos outros.

...
Convém é não escrever deus com letra maiúscula e convém esclarecer mal-entendidos. Penso que na altura houve pessoas que entenderam que eu sou um cristão com uma grande fé e que ouço uma voz divina que me diz para fazer as coisas. A ideia não é, de todo, essa. Pelo contrário, a minha única religião, o meu único centro e a minha única razão de viver e de transcender é a arte.



- E a arte chega para nos salvar?

Acho que nada chega para nos salvar. Se só a arte chegasse, era fácil.

posted by cristina on 16:34


 
Feedback by blogBack This page is powered by Blogger.