Quem somos?

Ana Alves
António Rebelo
Cristina M. Fernandes
Lídia Pereira
Luís Rei
Marta Almeida
Paulo Azevedo
Zazie

Colaborador de estimação

Repórter Lírico

Nadador-salvador

Henri Michaux

Desaparecido

Escrivão Bartleby


janela_indiscreta@hotmail.com

on-line

 
Arquivos
<< current





Pesquisar os arquivos da Janela:


[pesquisa disponibilizada pelo serviço FreeFind]

 

SALA DE EXPOSIÇÕES

Boogie Woogie



SALA DE LEITURA

a poesia vai acabar



HÁ UM TRAÇO AZUL

IF no ar

um som profundo do Outono

IF (8 abril 2004)

IF (verão 2004)



O NOSSO CORRESPONDENTE
EM COIMBRA


innersmile



ACTUALIDADES

Frescos



BLOGS CÁ DE CASA

A aba de Heisenberg

¦a¦barriga¦de¦um¦arquitecto¦

Abrupto

A Causa foi modificada

A Corneta

Adufe

A formiga de langton

A Espuma dos Dias

A Lâmpada Mágica

Almocreve das Petas

A memória inventada

A Montanha Mágica

A Natureza do Mal

António Reis

aoeste

A Oeste Nada de Novo

Apenas um pouco tarde

A Praia

avatares de um desejo

Aviz

Barnabé

Beco das Imagens

Bisturi

Blasfémias

Blog de Esquerda

Blogue dos Marretas

Borras de Café

Campo de Afectos

chafarica iconoclasta

cócegas na língua

Conta Natura

Contra a Corrente

Conversas de Café

Crítico

Crónicas da Terra

Cruzes Canhoto

daily dose of imagery by Sam Javanrough

desassossegada

Dias com árvores

Don Vivo

Dragoscópio

Driving Miss Daisy

Engrenagem

Epicentro

Epiderme

Errância

Espigas Reloaded

esplanar

flux+mutability

Fora do Mundo

Ford Mustang

freira dadaísta

Fumaças

Gávea

Glória Fácil

Grande Loja do Queijo Limiano

Guil

Hipatia

Húmus

Indústrias Culturais

Íntima Fracção

Juramento sem Bandeira

Kafka Sumiu em Belo Horizonte?

laranja amarga

Leitura Partilhada

little black spot

MacJete

martaverissimo.net

Mar Salgado

Modus Vivendi

¦Murmúrios do Silêncio¦

Não esperem nada de mim

No Arame

Nocturno 76

Notícias do cais

Oceanos

O céu ou las vegas

O céu sobre Lisboa

O Cheiro a Torradas pela Manhã

O Farol das Artes

O Gato Fedorento

O Intermitente

Os Espelhos Velados

OzOnO

Palavras da Tribo

Pastilhas

Percepções do meu olhar...

Pessoas de Romance

Planeta Reboque

Prazer Inculto

Quartzo, Feldspato & Mica

quase em português

rainsong

Reflexos de Azul Eléctrico

Retorta

roda livre

Ruialme

Seta Despedida

saudades de antero

Silencio

Sous les pavés, la plage!

Tempo Dual

Textos de Contracapa

Thelma & Louise

There's Only 1 Alice

Timewatching

tomara que caia

torneiras de freud

triciclofeliz

um mundo imaginado

Vermelhar

UmbigoNiilista

UmblogsobreKleist

universos desfeitos

Vidro Azul

Vila Dianteira

Viver todos os dias cansa

Voz do Deserto

Welcome to Elsinore

What do you represent

100nada



GONE WITH THE WIND

A Coluna Infame

Alfacinha

Bicho Escala Estantes

Caim & Abel

Desejo Casar

Dicionário do Diabo

Espigas ao Vento

Flor de Obsessão

intrusos

Kafka Sumiu em Belo Horizonte

Lérias...

My Moleskine

O Companheiro Secreto

Outro, eu

O tal Canal

Pintainho


Janela Indiscreta
 
terça-feira, setembro 02, 2003  
Zazie dans le metro

FOI-SE A CANÍCULA VIVA O MATA-CÃO!

Foi-se a Canícula e, antes de se matar o porco, devia-se matar o cão. Assim decorriam os rituais e festividades do calendário popular na Idade Média. A famigerada Canícula denominava o período que ocorria entre 24 de Julho e 26 de Agosto quando a constelação do Cão se ergue com o Sol, ficando visível a estrela Sirius – a abrasadora. Era precedida da festa da Ascensão que se celebrava no 1º de Maio. Esta era a festividade das máscaras de folhagem que deveria assegurar a protecção contra calores doentios da Canícula que provocavam a queima dos campos.
Já Plínio o Velho explicava as doenças das plantas neste período, por efeito da lua vermelha que ocorria por volta de 20 de Julho, no início da Canícula.
Na Antiguidade sacrificavam-se também cães ruivos neste período, o que motivou uma associação ao culto de Anubis e ao de S. Cristóvão Cinocéfalo.



da esquerda para a direita:
S. Cristóvão cinocéfalo
, ícone bizantino, Museu Bizantino de Atenas
S. Cristóvão canibal, ícone da igreja de S. Jorge, Çegelkoi, na antiga Bithynia, Turquia
Representação da Canícula, S. Cristóvão Cinocéfalo, ícone do séc. XVI, Museu Benaki, Atenas


São Cristóvão é um santo lendário que foi abolido do calendário litúrgico em 1969. Membro de uma tribo de Marmaritas do Norte de África, foi martirizado em 308 da nossa era, depois de ter sido incorporado no exército romano e baptizado por um bispo de Alexandria. Geralmente representado como um gigante que carrega o menino Jesus às costas para o ajudar a atravessar um rio - sendo patrono dos viajantes, teve também uma associação aos cultos do final da Canícula. Segundo a lenda (quer na raiz grega, quer na latina) Cristóvão provinha de uma tribo de canibais e cinocéfalos (a tradição das raças fantásticas que habitavam o Oriente), razão pela qual assim aparece representado em diversa iconografia, particularmente nos ícones bizantinos.

Os rituais do mata-cão, ou fim da Canícula ligavam-se, na Idade Média, à festa da ceifa, ainda conhecidos no início do século na Lorraine, em França como a fête du tue-chien ou fête des moissons. Entre outras associações, representava a purificação do espírito do trigo que era sacrificado sob a forma deste animal. Matavam-se nesta altura também os maus cães, apelidados em França de “vannoures” cujo couro servia para fabricar os tabuleiros de “vanneurs” onde se separavam as espigas. Também é possível que tenha havido um mimetismo com o deus Janus que representava a morte (figurado com a gadanha na mão e a ampulheta do tempo), mas também as ceifas e trabalhos agrícolas. Janus ou Vannus, referido por Virgílio nas Geórgias (Lib.IV,1666) com a crates que separava as espigas impuras



da esquerda para a direita:
representação de Vannus? Misericórdia de cadeiral de Santa Cruz de Coimbra, c.1513/18
A Via Láctea e os Demónios do Sul, tratado de Astrologia alemão do século XV. No século XV, na Alemanha, os demónios transformam-se em bruxas com os caldeirões e selhas de leite roubado e as vassouras para o voo do sabbat



Bibliografia:
GAIGNEBET, Claude; LAJOUX, Dominique, Art profane et religion populaire au moyen âge, P.U.F, Vendômme, France, 1985

SAINTYVES, Pierre, Saint Christophe sucesseur d’ Annubis, d’Hermes et d’Héraclès, Paris, Nourry, in 8º,p.55


© Zazie

posted by cristina on 13:12


 
Feedback by blogBack This page is powered by Blogger.