Quem somos?

Ana Alves
António Rebelo
Cristina M. Fernandes
Lídia Pereira
Luís Rei
Marta Almeida
Paulo Azevedo
Zazie

Colaborador de estimação

Repórter Lírico

Nadador-salvador

Henri Michaux

Desaparecido

Escrivão Bartleby


janela_indiscreta@hotmail.com

on-line

 
Arquivos
<< current





Pesquisar os arquivos da Janela:


[pesquisa disponibilizada pelo serviço FreeFind]

 

SALA DE EXPOSIÇÕES

Boogie Woogie



SALA DE LEITURA

a poesia vai acabar



HÁ UM TRAÇO AZUL

IF no ar

um som profundo do Outono

IF (8 abril 2004)

IF (verão 2004)



O NOSSO CORRESPONDENTE
EM COIMBRA


innersmile



ACTUALIDADES

Frescos



BLOGS CÁ DE CASA

A aba de Heisenberg

¦a¦barriga¦de¦um¦arquitecto¦

Abrupto

A Causa foi modificada

A Corneta

Adufe

A formiga de langton

A Espuma dos Dias

A Lâmpada Mágica

Almocreve das Petas

A memória inventada

A Montanha Mágica

A Natureza do Mal

António Reis

aoeste

A Oeste Nada de Novo

Apenas um pouco tarde

A Praia

avatares de um desejo

Aviz

Barnabé

Beco das Imagens

Bisturi

Blasfémias

Blog de Esquerda

Blogue dos Marretas

Borras de Café

Campo de Afectos

chafarica iconoclasta

cócegas na língua

Conta Natura

Contra a Corrente

Conversas de Café

Crítico

Crónicas da Terra

Cruzes Canhoto

daily dose of imagery by Sam Javanrough

desassossegada

Dias com árvores

Don Vivo

Dragoscópio

Driving Miss Daisy

Engrenagem

Epicentro

Epiderme

Errância

Espigas Reloaded

esplanar

flux+mutability

Fora do Mundo

Ford Mustang

freira dadaísta

Fumaças

Gávea

Glória Fácil

Grande Loja do Queijo Limiano

Guil

Hipatia

Húmus

Indústrias Culturais

Íntima Fracção

Juramento sem Bandeira

Kafka Sumiu em Belo Horizonte?

laranja amarga

Leitura Partilhada

little black spot

MacJete

martaverissimo.net

Mar Salgado

Modus Vivendi

¦Murmúrios do Silêncio¦

Não esperem nada de mim

No Arame

Nocturno 76

Notícias do cais

Oceanos

O céu ou las vegas

O céu sobre Lisboa

O Cheiro a Torradas pela Manhã

O Farol das Artes

O Gato Fedorento

O Intermitente

Os Espelhos Velados

OzOnO

Palavras da Tribo

Pastilhas

Percepções do meu olhar...

Pessoas de Romance

Planeta Reboque

Prazer Inculto

Quartzo, Feldspato & Mica

quase em português

rainsong

Reflexos de Azul Eléctrico

Retorta

roda livre

Ruialme

Seta Despedida

saudades de antero

Silencio

Sous les pavés, la plage!

Tempo Dual

Textos de Contracapa

Thelma & Louise

There's Only 1 Alice

Timewatching

tomara que caia

torneiras de freud

triciclofeliz

um mundo imaginado

Vermelhar

UmbigoNiilista

UmblogsobreKleist

universos desfeitos

Vidro Azul

Vila Dianteira

Viver todos os dias cansa

Voz do Deserto

Welcome to Elsinore

What do you represent

100nada



GONE WITH THE WIND

A Coluna Infame

Alfacinha

Bicho Escala Estantes

Caim & Abel

Desejo Casar

Dicionário do Diabo

Espigas ao Vento

Flor de Obsessão

intrusos

Kafka Sumiu em Belo Horizonte

Lérias...

My Moleskine

O Companheiro Secreto

Outro, eu

O tal Canal

Pintainho


Janela Indiscreta
 
quarta-feira, outubro 29, 2003  
Zazie dans le metro

O HÁBITO NÃO FAZ O MONGE

Anda para aí tanto falatório por causa das medidas de contenção propostas pelo Vaticano, evocando-se a torto e a direito as “trevas medievais” que me deu vontade de destapar um pouco as sotainas e hábitos de capuchinho dessa altura.
Hoje bate-se palmas e toca-se música rock démodé nos ofícios católicos, mas as igrejas já conheceram muita coisa para além da oração recatada ou da missa em latim. Nas épocas mais antigas os templos eram utilizados para uma série de práticas sociais, desde os actos de julgamento no alpendre, aos contratos mercantis e outras actividades que hoje em dia nos podem espantar. Serviam, por exemplo, para depósito de cereais e mercadorias e até para abrigo dos animais. Não será causa para admiração, uma vez que o cristianismo se introduziu lentamente nos campos e foi-se misturando com e as velhas práticas pagãs. A protecção que se pedia a Deus também dizia também respeito à subsistência da comunidade, as ordálias (bênção de de objectos e animais nas igrejas) eram comuns e só deixam de ser reconhecidas em 1215, com o IV Concílio de Latrão. Gregório de Tours (séc.V) deixou alguns relatos de desacatos originados por essas práticas. Os animais espantavam-se ao serem levados ao altar, de tal modo que o esperado coro celestial era abafado pelo ruído dos cascos, relinchos, mugidos e grunhidos misturados com os gritos das dúzias homens que os tentavam acorrentar.
Por cá, é próprio rei D. Duarte que se vê obrigado a proibir o costume de pernoitar nas igrejas, aquando das romarias e vigílias nocturnas que se faziam acompanhar de danças, jogatinas e outras festanças pouco castas.

As festas de loucos e carnavais são um dos melhores exemplos da persistência pagã a subverter a prática católica. Nesse período escatológico diziam-se missas às avessas; a liturgia decorria em torno de uma garrafa de vinho ou em honra de um burro e as sátiras não poupavam ninguém – S. José era o mais sacrificado – “o último a saber”, muitas vezes representado por um homem travestido a dar a papa a um gato no lugar do menino Jesus. Era a época do riso pascal e, como ainda hoje se diz – não é para se levar a mal – . Várias personalidades religiosas redigiram textos jocosos a este propósito. O próprio Papa Leão XIII defendia que a Igreja também devia cuidar dos aspectos humanos e estes são revelados com a maior franqueza e honestidade. Apoiava-se numa passagem do Livro de Jehovah “Deus não precisa para nada da vossa hipocrisia”. Os próprios religiosos redigiam e divulgavam estas facécias. Johannes Pauli, monge alemão, recolheu uma série de farsas carnavalescas destinadas aos próprios monges. A colectânea foi publicada em 1522 com o título “Riso e Seriedade” (Schmpof und Ernst). No seu prefácio o autor explica que o livro se destina “aos cenobitas reclusos nos mosteiros para que tenham com que se rir e distrair, de modo a descansar o espírito, pois não podem viver da ascese”.
(ver: Mickail Bakhtine, L’0euvre de François Rabelais et la culture populaire au Moyen Âge et sous ka Renaissance, Paris, Gallimard, 1970; Giordano Oronzo, Religiosidad Popular en la Alta Edad Media, versão espanhola de Pilar Garcia Monton y Valentín Garcia Yebra, Madrid, Editorial Gredos, 1983).
O clero estava mais próximo do povo mas também era muito ignorante. Muitos jovens ingressavam nas ordens sacras praticamente analfabetos e destituídos qualquer formação espiritual. Em 1467 o arcebispo de Lisboa depara com confessores que nem a fórmula da absolvição sabiam, o que não admira pois também era comum não se confessarem, e obriga-os a escrevê-la e a decora-la. No entanto, parece que esta fraquezas eram bem suportadas pelas entidades superiores, contando que materialmente não fossem esquecidos... A um clérigo que tinha por hábito frequentar as tabernas e aparecer em estado impróprio na igreja, o arcebispo castiga-o com a uma pequena multa de 50 reais com a particularidade desta se repetir sempre que reincidisse no pecado etílico...
O canto do Ofício Divino era outro problema; deveria ser de tal modo enfadonho que muitos religiosos e conversos nem compareciam à salmodia. Quando apareciam, “palravam” faziam “jeitos de esgares” uns para os outros; não estavam quietos, trocavam palavrões e até chegavam a andar à pancada. Certo é que estes desmandos não eram exclusivos do baixo clero, pois também havia sacerdotes que nem se falavam e cujas brigas ficaram memoráveis.
(vide Isaías da Rosa Pereira, "Visitações da Igreja de S. Miguel de Torres Vedras" (1462-1524), Lusitana Sacra, 2ª série, 7, 1995.)



Da esquerda para a direita: mascarada – S. José a dar a papa ao menino Jesus – Niccolò Frangipani (c.1555); macaco e monge a lerem livro coral – misericórdia do cadeiral de Zamora.



Da esquerda para a direita: frades-odre a recitarem os salmos – cadeiral de Yuste; burro a ler no facistol – misericórdia do cadeiral da Sé do Funchal (c. 1514/15).


Ego sum abbas cucaniensis
et consilium meum est cum bibulis,
et in secta Decii voluntas mea est,
et qui mane me quesierit in taberna,
post vesperam nudus egredietur,
et sic denudatus veste clamabit:
Wafna, wafna!

Eu sou o abade de Cocania
e o meu conselho é com os bêbedos,
e minha filiação a seita de Décio,
e quem me vier procurar na taberna de manhã
sairá nu à noite,
e assim despido de suas roupas clamará:
Wafna, wafna!

Carmina Burana (canções de monges e eruditos errantes- os goliardos (1230)


A rivalidade entre professos acentua-se com a introdução das ordens mendicantes que vêm retirar grande parte dos privilégios às restantes ordens. Nos cadeirais estas questiúnculas eram satirizadas recorrendo-se a variantes da personagem do raposo do romance popular. Do alto do púlpito, vestido de frade, o matreiro animal faz uso dos dotes da oratória para encantar a audiência de galináceos e os papar no final do sermão. A brincadeira era glosada na literatura popular, fazendo-se trocadilhos com a passagem da Epístola de S. Paulo aos Filipenses (1,8): “Testis est mihi Deus, quam cupium vos visceribus meis”- “Deus é testemunha de quanto vos quero nas minhas entranhas” –, em lugar de “no mais profundo do meu ser”. O refrão lá dizia que “frayle franciscano, el papo abierto,y el saco cerrado” e “o abade donde canta dali janta”.
Gil Vicente no Clérigo da Beira também recorda a ladainha do frade mundano enquanto caminha com o filho em busca de boa caça: “Lauda Dominum die coelis/ Pois os coelhos são seus”.

(ver: Pinciano, Hernãdo Nunez, Refranes o proverbios en romance que nuevamente coligio y glosyo el comendador Herãnado Nunez Pinciano, Valladolid, 1602.



Da esquerda para a direita: frade franciscano ladeado por raposos acólitos – cadeiral de da abadia de York; raposo a pregar às galinhas – cadeiral da Sé do Funchal.

O comportamento sexual dos religiosos provocava alguma dores de cabeça à entidades superiores mas também não seria nada que não conhecessem. No relato de visitação à igreja de S. Miguel de Torres Vedras (1462) ordena-se aos os vigários, capelães, priores que estejam a par de clérigos publicamente barregueiros que os proíbam de dizer missa, No caso do amancebado serem os próprios vigários e piores que assim vivam publicamente, ficavam encarregados os raçoeiros de não os consentirem, bem como de os obrigar a pagar multa ao aljube eclesiástico.
O tema fazia as delícias da literatura satírica. Arcipreste de Talavera, referia no El Corbacho, publicado em 1483 os “frades e seculares que não respeitavam as mulheres e eram conhecidos pelos seus feitos de “tocar gaita”. Por cá, Gil Vicente, na sequência da Nave dos Loucos de Sebastian Brandt, faz aparecer o frade amantizado no auto da Barca do Inferno de Gil Vicente, vestido como um fidalgo e de mão dada com a moça cantando prazenteiro:


FRADE- Corpo de Deus consagrado!
Pela fé de Jesu Cristo,
que eu nom posso entender isto!
Eu hei-de ser condenado?!...
Um padre tão namorado
e tanto dado à virtude?
Assi Deus me dê saúde,
que eu estou maravilhado!

(E continua a desembainhar
o espanto por o esperarem as chamas do Inferno)
Como? Por ser namorado
e folgar com üa mulher
se há um frade de perder,
com tanto salmo rezado?!...


imagem à direita:
Assédio na confissão – cadeiral de Zamora





da esquerda para a direita, de cima para baixo:
Monge sado – cadeiral de Leon; cena monges homossesuais- cadeiral de Oviedo; freira-javali a assediar homem- Bosh, Jardim das Delícias; frade em cena homossexual ou herética- o beijo do diabo- cadeiral de Saint Pierre, Saint Claude, França.

posted by Zazie on 13:01


 
Feedback by blogBack This page is powered by Blogger.